3 de janeiro de 2013
por Esmael Morais
12 Comentários

Fruet realiza amanhã primeira “escolinha” da gestão

O prefeito Gustavo Fruet (PDT) promove amanhã, sexta-feira (4), a primeira reunião com o seu secretariado no IPPUC (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano).

Na escolinha do professor Gustavo, além da traficional apresentação dos alunos na aula inaugural, haverá um sermão: “Não pode roubar e quem for flagrado pilhando sofrerá os rigores da lei”.

O secretariado escolhido até agora, que estará amanhã cedo na escolinha, é composto pelos seguintes nomes:

Secretaria de Planejamento e Administração: Fábio Scatolin (professor de economia da UFPR)

Assessores da secretaria de planejamento: César Rissete e Wilhelm Meiners

Relações com a comunidade: Caíque Ferrante (ex-vereador)

Gabinete: Itamar Neves

Obras Públicas: Sérgio Antoniassi

Urbanismo: Reginaldo Cordeiro

Trabalho e Emprego: Mirian Gonçalves (vice do PT)

Diretora de Comunicação na secretaria: Lorena Kleink (jornalista)

Abraão Benício: assessor de comunicaç Leia mais

3 de janeiro de 2013
por Esmael Morais
2 Comentários

Samek na pista

Não está passando despercebida a intensa movimentação política do diretor-geral de Itaipu Binacional, Jorge Samek, nos últimos dias. O rapaz começou o ano queimando pneu. ... 

Leia mais

3 de janeiro de 2013
por Esmael Morais
22 Comentários

PT denuncia campanha organizada contra ex-presidente Lula

do Brasil 247

Em documento intitulado de “Convocatória do 5!º Congresso” o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores se diz vítima de uma campanha de desmoralização e compara o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Getúlio Vargas e João Goulart.

‘Vargas suicidou-se para deter insidiosa campanha de forças políticas, meios de comunicação e outros agentes inconformados com sua política nacionalista e de fortalecimento do Estado. Dez anos depois, por razões semelhantes, esses mesmos atores se reuniriam para derrubar o Governo João Goulart e impor vinte anos de ditadura ao país. No período que antecedeu as eleições de 2002 desencadeou-se uma campanha de medo com o objetivo de impedir a eleição de Lula para a Presidência. A partir de 2003, de forma intermitente, tratou-se de anular os notórios êxitos do Governo, com campanhas que procuravam ou desconstruir as realizações do Governo Lula ou tachá-lo de incapaz! e corrupto!’, diz o texto.

Além disso, o PT faz uma autocrítica em dois trechos:

“O PT não foi capaz, até agora, de construir plenamente uma narrativa sobre o período histórico que se iniciou em 2003. […] A ausência de um balanço aprofundado de nossa experiência de governo e de nossa presença na sociedade dificulta a construção e a continuidade do nosso projeto político”.

“Paradoxalmente, ao mesmo tempo em que obtinha sucessivas vitórias eleitorais e realizava importantes reformas em n Leia mais