Virada do Corinthians é também vitória de Lula

do Brasil 247

Nunca antes na história deste país um político fez tanto por um clube como Lula pelo time do Parque São Jorge. Cinco anos atrás, o Corinthians estava rebaixado, sem casa e sem dinheiro. Hoje, é campeão do mundo, terá seu estádio abrindo a Copa do Mundo de 2014 e ainda recebeu um patrocínio de R$ 30 milhões da Caixa Econômica Federal.

Nunca antes na história deste país um político fez tanto por um clube como Lula pelo time do Parque São Jorge. Cinco anos atrás, o Corinthians estava rebaixado, sem casa e sem dinheiro. Hoje, é campeão do mundo, terá seu estádio abrindo a Copa do Mundo de 2014 e ainda recebeu um patrocínio de R$ 30 milhões da Caixa Econômica Federal.

Há exatos cinco anos, o Corinthians, uma das equipes mais populares do País, e que tem a cara do Brasil, estava no fundo do poço. Em dezembro de 2007, a equipe do Parque São Jorge era rebaixada para a Segunda Divisão. Torcedor fanático, Lula foi provocado, cutucado nas redes sociais e ironizado, até declarar, três dias depois da degola, que seria um “torcedor militante” do time. “Quero provar que é no momento da adversidade que a gente se mostra torcedor”, disse Lula.

Depois do rebaixamento, pode-se dizer que, nunca antes na história deste país, um político fez tanto por um clube de futebol como Lula pelo Corinthians. Bem mais até do que recomendaria a prudência. Em agosto de 2010, na véspera do centenário, o clube realizou um sonho antigo e anunciou a construção do seu estádio: o Itaquerão, na zona leste de São Paulo. Naquele momento, o projeto estava orçado em R$ 335 milhões !“ menos da metade do custo atual.

Em 2010, o estádio saiu como uma determinação pessoal do então presidente à  construtora Odebrecht. E, na festa do centenário, Lula foi coroado como um espécie de presidente honorário da República Independente do Corinthians. Ainda hoje, dois anos depois, o Itaquerão não conseguiu equacionar totalmente seu projeto financeiro. Não saiu o financiamento do BNDES, nem o do Banco do Brasil. E a proposta de venda dos “naming rights”, que daria o nome da arena a empresas privadas, não avançou diante da resistência da Globo.

Apesar das dificuldades, no entanto, a Odebrecht vem executando a construção do Itaquerão no prazo determinado pela Fifa e o estádio deverá ficar pronto a tempo de sedir a abertura da Copa do Mundo de 2014. Lula e seu pupilo Fernando Haddad, prefeito eleito de São Paulo, enxergam no projeto a oportunidade de despertar maior atenção para a Zona Leste e criar um novo pólo de desenvolvimento em São Paulo. Assim, mais do que um presente ao Corinthians, o Itaquerão seria exemplo de uma política pública voltada aos mais pobres !“ uma tese que ainda terá que se provar.

Além do Itaquerão, Lula quase tomou o poder na Confederação Brasileira de Futebol, nomeando Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians, para o cargo de diretor de seleções e emplacando Mano Menezes no comando da equipe. Recentemente, com a queda de Mano, que será substituído por Luís Felipe Scolari, Sanchez renunciou.

De todo modo, o saldo de Lula diante da gigantesca Fiel é positivo. Cinco anos atrás, o Timão do Parque São Jorge estava falido, na segunda divisão e sem casa própria. Hoje, é campeão mundial, tem um estádio que irá abrir a Copa de 2014 e ainda recebeu um patrocínio da Caixa Econômica Federal de R$ 30 milhões.

Lula fez muito pelo Corinthians, sendo fiel ao seu estilo, ou seja, assumindo riscos que outros presidentes evitariam.

Comentários encerrados.