PCdoB vive dilema no Paraná

O diretório estadual do PCdoB do Paraná se reúne neste sábado (8), em Ponta Grossa, cercado de incertezas sobre que rumo tomar depois do resultado das eleições municipais de 2012.

Em menos de um ano, o partido perdeu dois presidentes. O primeiro foi Milton Alves, que deixou a legenda vermelha após 15 anos e ingressou no PT. O segundo foi o atual vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, que pediu para deixar a presidência.

Três nomes são lembrados para assumir o PCdoB paranaense neste final de semana: o professor Elton Barz, o vereador iguaçuense Nilton Bobato e o sindicalista Zenir Teixeira.

Além de acéfalo, o PCdoB vive o seguinte dilema: para que lado seguir? Há uma ala que defende recomposição com o prefeito eleito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), e, consequentemente, com o PT; outra acredita ser possível construir uma terceira via com o PMDB de Roberto Requião e PSC de Ratinho Junior.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Volta Zeca!!! O trio Bobato, Manfredini e Zenir vai ser o fim do partido no Paraná.

    Alô direção nacional salve o PR do pesadelo deste triunvirato

  2. Eita PCdoB. Duelo de sábado será entre bebados e loucos. Que saírá deste cruzamento?

    Sou mais o lunático do Manfredini

  3. Milito no partido há menos de um ano, sou de Foz, não conheco as divergências. Mas defendo uma autocritica da direção sobre a última eleição. Não elegemos ninguém, nosso candidato perdeu, os candidatos a vereadores foram abondonados e agora não temos rumos. E fica a direção bigando prá ver quem manda. Assim vou sair também. Acho que o Chico Brasileiro tá certo, trabalhei com ele na secretaria da Saude, é um cidadão correto. Pena que vai sair…

    Abraços ao Esmael

  4. Resposta a Verdade Vermelha.

    Se sabes da verdade não deveria ofender o Elton… grande militante e respeitado no meio politico destes todos que você citou ele é o que mais contribuiu para o crescimento do Partido no Paraná, como coordenador da macro – centro sul…só em Ponta Grossa dois vereadores e grandes vereadores que vai orgulhar o Partido naquela região ……

  5. Bem já foi provado que não se pode ser Presidente de um partido a distancia…. e também não se pode ter pessoas que não transitem nas esferas politicas locais… como pode por exemplo esta questão de ser de Foz do Iguaçu deu errado…agora querem repetir o mesmo erro…… nada contra o Bobato….mas ja o conheço e ele não tem perfil para assumir o Partido….pensamento estreito e arcaico…. deixe o Dr. Zequinha assumir é o mais capacitado.

    Oxalá, Tupã, Inti, Deus, oh! Jah
    Que haja tempo pra lutar
    De todo o mal nos libertar
    Oxalá, oh! Buda, Zeus, Alah, Deus, Jah
    Que haja força pra lutar
    Sem medo de recomeçar….. sem esses caras

  6. […] construir uma terceira via com o PMDB de Roberto Requião e PSC de Ratinho Junior.
    .
    Comunista dizendo amém?! Que incoerência!

  7. Brilhante a narrativa de Fábio. O PCdoB é um manicomio ambulante e um boteco intinerante. O pessoal que tinha alguma cabeça política saiu. Zequinha, Milton, Gomyde, Esmael, Benin e outros mais.

    Zenir e Elton é o triunfo dos bebados e Bobato é o triunfo dos loucos. Realmente, um baita dilema

  8. Caro amigo Esmael, sou o único vereador eleito pelo PCdoB da região metropolitana de Curitiba e fui pego de surpresa com essa noticia de militantes migrando para outros partidos. Fernando Teixeira vereador eleito PCdoB de Mandirituba.

  9. O PCdoB tem muitos dilemas mais… O primeiro deles deve ser sobre seguir a teoria marxista universalista ou se agarrar à primeira oportunidade de crescimento – criando cobras em seu leito – e depois de grande voltar ao marxismo. Eles têm o dilema de ter uma juventude cheia de gás e cheia de maconha, de cada 100 jovens, sai um militante decente do peneirão. Eles têm o dilema de estar em um país periférico que não chegou ao bem-estar social e defender o comunismo. Eles têm o dilema de ter a UNE, a UPE, a UPES nas mãos e não saber o que fazer com essas entidades. Eles têm dilemas entre o movimento de suas bases e o risível centralismo democrático. Eles têm bêbados e velhos que se frustram por conta da nova geração e resolvem que nada tem jeito. Na outra ponta, eles têm muitos loucos e revolucionários que não sabem atirar, mas isso funciona melhor numa comunidade hippie do que no mundo pós-tudo/oligárquico. Eles têm “Estálines” demais e intelectuais de menos… O principal dilema, ao meu ver, reside na ignorância sobre a teoria marxista no conservador Paraná e a ignorância de querer adotar um modelo leninista.