Vereador de Palmeira (PR) insiste na tese de que moradores bebem “defuntos” pela torneira; veja o vídeo

O jornal Gazeta de Palmeira denunciou na semana passada que os moradores do município de Palmeira, a 85 km de Curitiba, na região dos Campos Gerais, poderiam estar “bebendo defunto” pelas torneiras da Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná). Este blog repercutiu o assunto e o repórter Marc Souza, da RIC TV (Record), foi até lá conferir essa história macabra.

A polêmica foi levantada pelo vereador Inácio Budziak (PDT) que, no vídeo, mostra restos mortais à  beira do manancial de captação da água.

Na reportagem da RIC TV, ficou claro que os moradores palmeirenses estão com medo de tomar água contaminada. Restos de um cemitério de fato estão sendo despejados nas margens rio Pugas, que abastece a cidade. Dele, sai toda água consumida pela população.

Na quarta-feira (14), em nota oficial enviada a este blogueiro, a Sanepar jurou de pés juntos que os moradores de Palmeira não bebem defunto como desconfiam os vereadores da cidade.

Diante da negativa da Sanepar, vereadores e moradores estudam coletar a água em garrafas para levá-las aos diretores da companhia em comitiva. Segundo os palmeirenses, se a direção da empresa concessionária tomar o precioso líquido aí eles também passariam acreditar que não escorre defunto pelas torneiras.

Pelo sim pelo não, na semana que vem os vereadores de Palmeira deverão voltar ao polêmico tema: afinal, os moradores da cidade estão bebendo ou não estão bebendo defunto?

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Sabe uma coisa que realmente importa:
    É muito triste que me pleno ano 2013 ainda não tenham conseguido transmitir para as Pessoas da cidade que lixo é poulição e acaba com a qualidade de Vida nossa e dos animais! As estradas da aura cidade são nojentas! O que o povo fax com o rio e como Jogam lixo no chão é inacreditavel! Me admira uma cidade so interior não respeitar a natureza e não aprender nada com o que aconteceu nas cidades grandes por falta de conhecimento e proteção do meio ambiente! Cade as campanhas contra o lixo no chão e nos rios?

  2. Pelo amor de deus, gente…, vcs aham que eles estão preocupados com o povo? Eles bebem água VOSS. Olhem a cara desse povo, tomam banho em leite de cabra e só consomem produto importado, inclusive água.

  3. Reproduzo um comentário que fiz em outro post do blog, visto que esse problema do necrochorume não é exclusivo de Palmeira, provavelmente atinge a maioria dos municípios do Paraná com cemitérios antigos (e novos também), especialmente os localizados nas partes mais altas das microbacias:

    Um estudo realmente sério consiste em mapear (georrefenciar) todos os cemitérios do Paraná, especialmente os mais antigos, na (micro)bacia hidrográfica ao qual cada um se localiza. Feito isso, monitorar por algum tempo as águas superficiais e subterrânea da microbacias onde se localizam esses cemitérios com base em parâmetros laboratoriais (análises químicas e bacteriológicas da água) que se relacionem ao necrochurume. Paralelamente investigar cemitério a situação ambiental de cada cemitério. Com base nessa análise a SANEPAR, IAP, MP etc”¦.podem ter um diagnóstico da real situação e encaminhar, onde é possível, as medidas corretivas/punitivas e traçar as políticas de gestão ambiental para os cemitérios do Estado. Custa, é dispendioso e trabalhoso, mas estamos falando de qualidade de água e ai qualquer custo é irrelevante diante dos riscos.

  4. Se o Inácio falou eu creio que seja verdade.

  5. a sanepar no governo beto richa está um caso de polícia. eu respeito os funcionários concursados mas esses comissionados é que estragam qualquer empresa são como gafanhotos e parasitas .

  6. Também, sabem quem é diretor da Sanepar? Nada mais nada menos do que om homem da sógra o tal de Ezequias Moreira que segundizem é o “ome” do Beto Richa. Aonde vamos parar? E ainda não querem que o povo beba defeunto?