Queda de braço com Globo e lobby das teles emperra votação do Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet volta à  pauta da Câmara nesta semana

João Arruda e Molon tentam votar entre hoje e amanhã a legislaçaõ da internet.

O presidente da comissão especial criada para produzir o texto do Marco Civil da Internet, deputado João Arruda (PMDB-PR), afirma que a votação não ocorreu ainda por causa do lobby das operadoras de telefonia e da queda de braço das empresas de radiodifusão (leia-se Globo, a velha mídia) com as teles.

Apesar das condições adversas, o projeto de lei que cria o Marco Civil da Internet (PL 2126/11) retorna à  pauta do plenário da Câmara nesta semana. A votação da proposta foi adiada várias vezes, por causa do impasse em torno de dois pontos do texto do relator, deputado Alessandro Molon (PT-RJ): o conceito de neutralidade da rede e a proibição de os provedores de conexão registrarem dados de acesso dos usuários.

De acordo com o relator, a neutralidade deve existir para evitar privilégios no tráfego de dados para empresas ligadas aos provedores. Já a proibição de registros evitaria a venda de preferências de navegação dos internautas a empresas de marketing direcionado.

Entretanto, as empresas de conexão argumentam que a neutralidade impediria a venda de velocidades diferentes, que demandam maior tráfego de dados. Molon busca apoio dos líderes partidários para votar o texto em Plenário.

Com informações da Agência Câmara.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Este argumento que a neutralidade impediria a venda de velocidades diferentes é completamente equivocado, parece que as empresas de conexão querem induzir os Parlamentares ao erro. A neutralidade é em termos práticos a isonomia de dados, ou seja: todos os dados como texto, voz, video, audio, etc devem ter a mesma prioridade na rede, não devendo existir filtros que priorizem um determinado tipo de dado. E é importante deixar claro que pode-se ter a isonomia de dados em qualquer velocidade contratada, o que em nada afeta no modelo atual de negocios.

  2. O problema é que a maioria dos parlamentares (e suas “lideranças”) ainda não foram devidamente convencido$$$$ a votar favoravelmente a esta ou àquela corporação.

  3. eu não cheguei a ver direito sobre isso ainda…mas ele não me engana com um discursinho anti monopolio frouxo….sabe o por que? porque seu sogro tem radios, e canais de televisão…malucelli…..não acho q ele iria causar danos ao seu sogro….