Pedro Simon: governadores do Sul são “zeros à  esquerda”

Em entrevista à  Revista Congresso em Foco, senador do Rio Grande do Sul não poupa ninguém. Para ele, os atuais governadores do Rio Grande do Sul, Tarso Genro; do Paraná, Beto Richa, e de Santa Catarina, Raimundo Colombo, são “um zero à  esquerda”, assim como chanceler Antônio Patriota. Também sobrou para o presidente do Senado, José Sarney, e para o ex-presidente FHC.

do Brasil 247

Apenas a presidente Dilma Rousseff foi poupada pelo senador Pedro Simon (PMDB-RS) em entrevista à  revista Congresso em Foco (leia mais aqui). Na quarta edição da revista, recém-lançada, o senador diz que os atuais governadores do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT); do Paraná, Beto Richa (PSDB), e de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), são “um zero à  esquerda”.

Para o peemedebista, o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, é outro “zero à  esquerda, uma pataca”. Também sobrou para a ministra da Cultura, Marta Suplicy (PT) — “O único título que conheço dela é o de ex-esposa do Suplicy”, diz Simon — e para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB): “Ele não tinha direito de fazer o que fez. No Brasil, grande nação em grande momento, comprar a reeleição como ele comprou? Foi vexatório”.

Nem o PMDB se salvou na entrevista concedida por Simon. Segundo ele, a versão ética de seu partido foi enterrada junto com o ex-presidente Tancredo Neves. Assim como a presidente Dilma, o ex-presidente Lula também recebeu elogios, mas com ressalvas. “O pecado mortal do mensalão é a omissão do Lula, a irresponsabilidade dele. Mas quem fez tudo foi Zé Dirceu e companhia”, disse. “Não vejo no Lula nada de corrupção, malandragem, cachorrada. Mas essas coisas de Zé Dirceu me lembram muito aquela época do sindicato, dos pelegos da ditadura. Vai ver daquela convivência restou alguma coisa”, completou.

Apesar de tudo, Simon diz ter esperança de que o país vive “um novo dia”, com a aplicação da Lei da Ficha e as condenações impostas pelo Supremo Tribunal Federal aos réus do mensalão.

Comentários encerrados.