“Nova ferrovia vai diminuir o custo Brasil”, diz senador Sérgio Souza

Senador Sérgio Souza debateu ontem a construção da nova ferrovia.

O senador Sérgio Souza (PMDB) participou ontem (5), na sede da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), em Curitiba, de uma reunião que consolidou o projeto do governo federal visando a construção de uma nova ferrovia ligando o interior do Paraná ao porto de Paranaguá.

Segundo o senador, que é integrante da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal, as indústrias do Paraná estão cada vez menores porque há evidente desindustrialização no país.

“As ferrovias como essa anunciada pela presidente Dilma serão realmente uma desestagnação dos modais de transportes otimizando na diminuição do custo Brasil”, disse Sérgio Souza.

Para o diretor-presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, que esteve presente no debate, a expectativa da estatal, criada pelo governo federal para gerenciar os projetos de infraestrutura, é que a obra comece a ser executada em 2014.

O anúncio atende a uma reivindicação do setor produtivo paranaense e foi feito durante reunião do Fórum Permanente Futuro 10 Paraná, que congrega as principais entidades representativas do Estado. O encontro reuniu representantes da iniciativa privada, governo estadual e parlamentares da bancada paranaense no Congresso Nacional.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Com certeza o melhor prefeito do mundo acompanha atentamente esta questão… uma vez que os trens não podem passar “por dentro” de Curitiba… terão de fazer desvios… e juntamente levar as antigas linhas que cortam a Capital…

    trem em Curitiba, só enterrado…

  2. Em todos estes projetos de renovação e ampliação da Rede Ferroviária Brasileira (RFB), há um parâmetro técnico fundamental sobre o qual há um monumental silêncio; a escolha de BITOLA.
    Silêncio ou esquecimento este que pode custar caro ao nosso Brasil, uma vez iniciadas e mais ainda terminadas as grandes obras.
    A maior parte da RFB é em bitola (“estreita”) métrica; há a tendência a ser atualizada para uma maior. Isto para uma melhoria significativa de desempenho.
    A bitola “larga” na RFB mede 1,60m, medida exótica que impede a integração (futura) a uma rede continental, ao menos sul-americana, por não existir em qualquer país vizinho nosso. E não apresenta vantagens reais em relação à denominada “normal”.
    Mais de 60% das ferrovias do Planeta são em BITOLA “NORMAL” que mede 1,435m. Todo desenvolvimento ferroviário, principalmente o “de ponta”, está focado nesta bitola normal, incluindo-se TGV, ICE, AMTRAC e “Trem Bala’. Uma integração continental de qualidade e desempenho terá de ser pensada em termos desta bitola.
    A escolha da BITOLA NORMAL (1435mm) para quaisquer empreendimentos futuros de vulto, deveria ser ÓBVIA para quem conhece o setor.

  3. A CONSTRUÇÃO É UM GRANDE AVANÇO DO PROGRESSO NO ESTADO, PORÉM NÃO PODEMOS ESQUECER, COM A VELHA MALHA FERROVIA CHEGAMOS ESTE ANO A TER 108 NAVIOS ESPERANDO NA BARRA DE UMA VEZ SÓ , IMAGINE COM ESSA NOVA MALHA OU SEJA NÃO ADIANTA QUERER COLOCAR A POPULAÇÃO DA CHINA DENTRO DO PARAGUAY, SE NÃO INVESTIR NO GARGALO DE FALTA DE ESPAÇO PARA ATRACAR MAIS NAVIOS, VAI SER UM CAOS. SAUDAÇÕES LUIZ CARLOS DE FREITAS GABRIEL

  4. Lindo senador Sergião da Palmerinha dos Kurten, Arapuã, Paraná, Brasil, Mundo………. Gostei da pose do assessor Marcão Stam, gente de primeira qualidade. Vai que é sua sergião

  5. Estas é a estrada que o Requião planejou e o marido da Gleisi vetou

  6. Vivas e loas ao Governo Federal.

    É esse o caminho, dona Dilma. Enverede-se nele.

    Ferrovias e hidrovias.

    O projeto da nossa hidrovia, a do Ivai – Porto Camargo (Icaraíma) a Dr. Camargo, tem entre 30 e quarenta anos e está orçada em 200 milhões de dólares, mas tira mil caminhões das estradas e ainda vai vitalizar a barranca do Ivai, permitindo-se ainda uma hidroelétrica, das miudinhas, no seu percurso.

  7. Acredito que esta ferrovia atenda mesmo os interesses dos ruralistas do centro-oeste e seus clientes e parceiros do primeiro mundo.Com o agronegócio expandindo suas fronteiras e ampliando sua produção,graças às novas metodologias e tecnologias,brevemente Paranaguá vai triplicar ou quadruplicar o número de navios circulando no porto,levando a produção de produtos agrícolas básicos e enriquecendo ainda mais os felizes proprietários do agronegócio nacional.Só alegria!!!!!!

  8. COM ESSE BERNARDO FIGUEIREDO PODE TER CERTEZA QUE HAVERÁ SUPERFATURAMENTO DESSA FERROVIA EM FAVOR DE AGENTES PRIVADOS.

    BERNARDO FIGEIREDO FOI VETADO PELO SENADO PARA O COMANDO DA ANTT.

  9. Boa iniciativa, mais uma vez parabéns ao jovem e brilhante senador Sérgio Souza, pela atuação em defesa do interesses nacionais, especialmente do Paraná. O Brasil infeizmente ainda trafega na contramão da história no quesito transporte. Temos um enorme potencial multimodal inaproveitado, e as ferrovias que na Europa, Estados Unidos, enfim o mundo adota como meio de transporte, no Brasil foram legadas ao abandono. As ferrovias irão baratear e muito o custo Brasil.