Em editorial, Mino Carta vê ‘traição e covardia’ do PT

Mino Carta.

O jornalista Mino Carta, em editorial na revista CartaCapital desta semana, vê no recuo do deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPI do Cachoeira, um misto de traição e covardia do PT, em relação à  sua história, ao não citar no texto final das investigações o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e jornalistas flagrados em grampos pela Polícia Federal. Confira a íntegra do desabafo de Mino:

A traição do PT

Dizia um velho e caro amigo que a corrupção é igual à  graxa das engrenagens: nas doses medidas põe o engenho a funcionar, quando é demais o emperra de vez. Falava com algum cinismo e muita ironia. Está claro que a corrupção é inaceitável in limine, mas, em matéria, no Brasil passamos da conta.

Permito-me outra comparação. A corrupção à  brasileira é como o solo de Roma: basta cavar um pouco e descobrimos ruínas. No caso de Roma, antigos, gloriosos testemunhos de uma grande civilização. Infelizmente, o terreno da política nativa esconde outro gênero de ruínas, mostra as entranhas de uma forma de patrimonialismo elevado à  enésima potência.

A deliberada confusão entre público e privado vem de longe na terra da casa-grande e da senzala e é doloroso verificar que, se o País cresce, o equívoco fatal se acentua. A corrupção cresce com ele. Mais doloroso ainda é que as provas da contaminação até os escalões inferiores da administração governamental confirmem o triste destino do PT. No poder, porta-se como os demais, nos quais a mazela é implacável tradição.

Assisti ao nascimento do Partido dos Trabalhadores ainda à  sombra da ditadura. Vinha de uma ideia de Luiz Inácio da Silva, dito Lula, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo até ser alvejado por uma chamada lei de segurança nacional. A segurança da casa-grande, obviamente.

Era o PT uma agremiação de nítida ideo!­logia esquerdista. O tempo sugeriu retoques à  plataforma inicial e a perspectiva do poder, enfim ao alcance, propôs cautelas e resguardos plausíveis. Mantinha-se, porém, a lisura dos comportamentos, a limpidez das ações. E isso tudo configurava um partido autêntico, ao contrário dos nossos habituais clubes recreativos.

O PT atual perdeu a linha, no sentido mais amplo. Demoliu seu passado honrado. Abandonou-se ao vírus da corrupção, agora a corroê-lo como se dá, desde sempre com absoluta naturalidade, com aqueles que partidos nunca foram. Seu maior líder, ao se tornar simplesmente Lula, fez um bom governo, e com justiça ganhou a condição de presidente mais popular da história do Brasil. Dilma segue-lhe os passos, com personalidade e firmeza. CartaCapital apoia a presidenta, bem como apoiou Lula. Entende, no entanto, que uma intervenção profunda e enérgica se faça necessária PT adentro.

Tempo perdido deitar esperança em relação a alguma mudança positiva em relação ao principal aliado da base governista, o PMDB de Michel Temer e José Sarney. E mesmo ao PDT de Miro Teixeira, o homem da Globo, a qual sempre há de ter um representante no governo, ou nas cercanias. Quanto ao PT, seria preciso recuperar a fé e os ideais perdidos.

Cabe dizer aqui que nunca me filiei ao PT como, de resto, a partido algum. Outro excelente amigo me define como anarcossocialista. De minha parte, considero-me combatente da igualdade, influenciado pelas lições de Antonio Gramsci, donde meu ceticismo na inteligência e meu otimismo na ação!. Na minha visão, um partido de esquerda adequado ao presente, nosso e do mundo, seria de infinda serventia para este País, e não ouso afirmar social-democrático para que não pensem tucano.

O PT não é o que prometia ser. Foi envolvido antes por oportunistas audaciosos, depois por incompetentes covardes. Neste exato instante a exibição de velhacaria proporcionada pelo relator da CPI do Cachoeira, o deputado petista Odair Cunha, é algo magistral no seu gênero. Leiam nesta edição como se deu que ele entregasse a alma ao demônio da pusilanimidade. Ou ele não acredita mesmo no que faz, ou deveria fazer?

Há heróis indiscutíveis na trajetória da esquerda brasileira, poucos, a bem da sacrossanta verdade factual. No mais, há inúmeros fanfarrões exibicionistas, arrivistas hipócritas e radical-chiques enfatuados. Nem todos pareceram assim de saída, alguns enganaram crédulos e nem tanto. Na hora azada, mostraram a que vieram. E se prestaram a figurar no deprimente espetáculo que o PT proporciona hoje, igualado aos herdeiros traidores do partido do doutor Ulysses, ou do partido do engenheiro Leonel Brizola, !­obrigados, certamente, a não descansar em paz.

Seria preciso pôr ordem nesta orgia, como recomendaria o Marquês de Sade, sem descurar do fato que algo de sadomasoquista vibra no espetáculo. Não basta mandar para casa este ou aquele funcionário subalterno. Outros hão de ser o rigor, a determinação, a severidade. Para deixar, inclusive, de oferecer de graça munição tão preciosa aos predadores da casa-grande.

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. CPMI da mídia suína JAH! (os fins justificam a mídia suína). Leia-se: manhosa.

  2. Um adendo: “como até o reino mineral sabe”, não existem vestais na política (“a política é a guerra por outros meios”).
    And last, but not least, conclamo pela milionésima vez: Financiamento público de campanha Jah!

  3. O inconcebível ocorreu: pela primeiríssima vez, discordo frontalmente do grande Mestre do jornalismo nativo. O PT não traiu os seus princípios. Muito ao contrário: no exercício do poder, vem aperfeiçoando-se, burilando-se. Ano após ano, tem cumprido todos os compromissos assumidos com a Pátria, a Mátria e a Frátia. Isso posto, conclamo: Lula de novo, Dilma Presidente, com a força do povo!

  4. JOSÉ SALES não se lembra de um Lula presidente do petê desancando as ações sociais dos governos Itamar e FHC dizendo que elas – cestas básicas e bolsas eram moedas de troca por votos e o outro Lula, presidente, amaldiçoando os críticos das suas benesses.

    CONTRAPONTO como sempre lê juntando letrinhas. O artigo transcrito pelo dono deste blogue, o jornalista Esmael Morais, é da lavra do também jornalista Mino Carta, não por acaso, editor de Carta Capital que em nenhum momento faz parte do PIG, pelo contrário.

    Mino Carta sugere simplesmente que o petê se reestude, se recomponha, pois saiu dos trilhos. Os petistas sérios, decentes, que continuam afinados com os seus postulados socialistas, também pensam assim. Já os lulistas oportunistas, aproveitadores, saqueadores, esses sim, são os responsáveis pelas agruras vividas pelo Partido que ontem era o depositário da fé das camadas mais humildes, da classe pensante e crítica, da sociedade e hoje transformou-se em sinônimo de corrupção, de safadagem.

    Do Macaco Simão: Os escândalos do petê se parecem com uma caixa de lenços de papel. A gente puxa um e saem logo três!

  5. Por falar em covardia quando será que o Mino irá demonstrar a sua coragem no sentido de publicar matéria completa sobre o PNBC, o HoMeM e a Meritocracia Eleitoral na Carta Capital ? Aliás, não é de hoje que o Mino tem em mãos O Mapa da Mina, enquanto Carta Capital à travessia do Brasil para o futuro.

  6. Por que esperar alguma coisa de CPI. Se tem tanta certeza por que não apresentam provas e fazem a denúncia direto ao Ministério Público. Esses corruPTos só esperneiam, mas estão ao lado do Sarney, do Collor, Barbalho, Jucá….

    • Como fazer denúncia direto ao ministério público, se o próprio procurador geral está atolado com o crime organizado! Olha o que ele fez com uma das operações da PF e sua intimidade com o Demóstenes. Vamos recorrer a quem? Ao bispo?

  7. O governo Dilma e o PT, junto com o Lula, diante das atuais adversidades só tem que fazer uma coisa: divulgar a exaustão as conquistas sociais e outras deste governo. Foi isso que o consagrou e o consolidou. Tem que mostrar que o Brasil, melhorou, com Lula e prossegue melhorando com Dilma. Eu mesmo fui fundador do PT em minha cidade, em 1980 e ocupei o cargo de vice-presidente e depois assumi a presidencia que fundou o partido. Depois sai do partido, mas continuei votando no Lula e em alguns outros do PT. Votei também em Dilma e apoio estes governos.
    Agora é só fazer isso que expus acima e o governo continuar a fazer o bom governo que faz e é claro, fazer o que propõe o Mino Carta, ser combativo, como se estivesse ainda lutando para ser governo e não se acomodor, se retrair, se acuar. Prá que isso?

  8. o pt esta acuado .não tem sossego so leva bombardeio da midia .o pig fuca que nem porco o lamaçal .eles criaram o lamaçal e lançaram o pt lá. a dilma ainda da dinheiro para essa corja ……

  9. Cade o PT do Pr. ? Para criticar isso? De que adianta a militancia petista gritar contra o PIG se suas lidernças amarelam diante dele? pq a Gleisi nada fala sobre isso? Cade o Paulo Bermardo?
    Lamentavel, mas o Mino Carta esta coberto de razão!

  10. Agora comentaristas costumeiros haverão de me dar razão por ter reiterado que o petê traiu quem nele acreditou quando da sua criação.
    Os sentimentos do editor de Carta Capital, Mino Carta, são os mesmos que venho registrando nesse blogue do Esmael, repetidamente.
    Ele, como eu, nunca foi filiado ao Partido. Mas fui petista sim, um PNG, Petista Não Governamental, ao hastear suas bandeiras contra a corrupção, pelas mudanças propostas, estas, todas ao contrário, a primeira, aprofundada, acrescida, aumentada, escancarada e como sempre, impune, o que revolta e enoja.
    Lembro-me de reuniões, numa casa de quatro cômodos, num conjunto habitacional lá em Santa Isabel do Ivai e via nos olhos dos moços, moças e nem tanto, no começo 4, noutro dia 9, logo depois 16, brilhos de esperança, de fé num futuro mudado, diferente, numa política decente.
    Hoje, reencontro alguns, e já não consigo aguentar os seus olhares.
    Os que se sairam bem, na carteira grosso olerite, nem me cumprimentam mais!
    Quando o fazem, sinto o desdém como se dissessem: Trouxa!

    Agora mesmo, acabo de ver dois vídeos: Um do Lula, presidente de honra do PT desancando as cestas básicas, os litros de leite distribuidos acho que por dona Ruth, comparando as ações com a chegada dos descobridores do Brasil que compravam a cumplicidade e a passividade dos índios com espelhos e badulaques: “O povo vota com o estômago – dizia ele, não com a cabeça, com a consciência”.
    Noutro vídeo, Lula presidente, em Belo Horizonte, desancando os críticos das suas bolsas, das suas benesses dizendo-os contra o matar a fome…