Charge do dia: Nem Lula nem Dilma na nota de real; entra Sarney seja louvado!

Charge de Mario – A Tribuna de Minas.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to tell you that I am just newbie to blogging and site-building and absolutely enjoyed your blog. Most likely I’m want to bookmark your blog . You definitely have perfect well written articles. Thank you for sharing your web page.

  2. tanta coisa pra se fazer , e ficam perdendo tempo com estas besteiras.

  3. essa efingie de mulher ,aparece na cedulas de hum cruzeiro,de 1970. essa é o simbolo do capiltalismo mundial.mas a efingie brasileira é uma copia da estatua da liberdade , segundo o que pesquizei. antes do golpe militar tíamos , d. pedro ii. princesa izabel na cedula de 50 cruzeiro. santos dumont na de 10.000 cruzeiros. benjamim constant, tiradentes ,pintura do quadro candido portinari ,na cedula de duzentos cruzeiros. representando a riqueza do brasil , que era o café. essa polemica vai longe, presisamos parar com isso. isso e coisas dos iluminates, mas o iluminate deixa o operario escravo do capital.o iluminate so funciona nos eua . no resto do mundo não!

  4. “SALVE O MENSALÃO DO PT, DO DEM E DO PSDB”!

  5. Que tal a inscrição: Use com honestidade, moderação e boa-fé ?

  6. Para agradar a Xuxa, para agradar o Obama, para agradar o Roberto Carlos, sugiro: O Cara seja louvado

  7. A milicada golpista e revanchista da famigerada ditadura militar, e seus agentes, espiões, sabotadores e terroristas ( que odeiam e nunca aceitaram os governos FHC/LULA/DILMA), há alguns muitos anos estão em peso operando na Internet fazendo PSDB e PT brigarem entre entre si, e até se rotularem de “tucanalhas” e “petralhas”, com o objetivo de levá-los a combates mortais e até à própria morte política recíproca. E os orelhudos estão fazendo o jogo da milicada golpista que agita o cenário através dos seus tentáculos técnicos, políticos, midiátios de olho nas chaves dos erários. Estes, na verdade, morrendo de medo do necessário advento da Revolução Pacífica do Leão. DO SITE OBSERVADOR POLÍTICO, DO IFHC. Caro Jáder, para quem está fora dessa guerra fria, digo, desse mata-mata eleitoral porraloca entre “tucanalhas” e “petralhas”, como ambos se tratam na Internet, e não faz disso meio de vida, a impressão que o seu post nos passa é a de que, nos quesitos financiamento de campanhas e governabilidade, os seus pares partidários não são “donzelas arrombadas” como os rotulou o próprio Roberto Jefferson, como se vocês também não estivessem cobertos de merda dos pés à cabeça neste aspecto. Aliás, nesse aspecto, prefiro a constatação corajosa do Senador, Álvaro Dias, que nos diz: ” o modello está morto e precisa ser sepultado”. E é isso que todos temos que fazer: ajudar a sepultar o modello, e colocar algo melhor em sua lugar, como nos propõe o HoMeM. É essa a nova “guerra” que vale a pena, a nosso ver. Pô, vocês estão parecendo aquela criançada esperta e arrelienta do tempo do onça que perdia no jogo de bolinhas e apelam feio, fazendo arrelia, melando o jogo, visando ganhá-lo na próxima partida. Desse jeito ninguém mais vai querer jogar bolinhas com vcs. Por Jáder Ribeiro, em 17/11/2012 às 11:17 @luisfelipe porque vc não dá uma lida na denúncia nesse caso? está disponível no site do STF. Não há acusação de corrupção sabia? Veja lá. Por Luiz Felipe, em 17/11/2012 às 11:57 @jader Em relação à tal teoria do “domínio do fato e os vigaristas”, usando a constatação, surpreendentemente lúcida, sadia e assaz oportuna, de um dos expoentes do seu partido, Álvaro Dias, atestando que o modelo potítico-partidário-eleitoral já é um defunto que precisa ser sepultado, fato esse sobre o qual todos que participaram de pelo menos uma eleição tem o domínio, o que dizer dos vigaristas que, não obstante tudo que estamos vendo com os próprios olhos, não fazem nada para enterrar o defuntão e que, pelo contrário, o mantém aparentemente vivo, à base de formol, apenas para continuar tirando proveitos pessoais do dito cujo, defuntão ? Responder Por Luiz Felipe, em 18/11/2012 às 10:03 Vejamos veja, virgem, “modellão”. Peraí, peraí, veja bem, né ? A menina vendeu a fruta que era dela. E vendeu caro. Foi opção dela, maior, vacinada, livre e consciente. E se tivesse dado de graça, ou a R$ 1,99, como acontece, desgraçadamente, com milhares de meninas no Brasil ? Será que a veja, além de se achar dona do Brasil agora deu de se julgar dona até da virgindade alheia consciente. Ouanto ao jogo do poder, no Brasil, é bruto mesmo. Aliás, ainda está na idade da pedra, ao que parece. Aqui ainda vigora a lei maior do “dá, ou desce” do poder. Jogo esse que deflorou inclusive a pseuda virgindade dos valentes generais da famigerada ditatura militar. Os demotucanos então sairam de lá, segundo o próprio Roberto Jefferson, com o rótulo de “donzelas arrombadas”. Nessas condições, e nesse sentido, a veja, que também afeiçoa-se, há muito tempo, a uma grande arrombada, puta veia, chupa-cabra de erários, mais manjada na praça do que nota de 1 real, quer exigir o que dos petistas agora, a esta altura do campeonato ? Que usassem cuecas de aço ? Agora é tarde, “Inês é morta”. Tem mais jeito não. Acabaram-se as virgens do prostíbulo, que é o modellão político-partidário-eleitoral, e o modello de república, que Jefferson detonou. Acabou. Agora, não vemos mais nada em nossa frente além do HMM, do PNBC e da Meritocracia Eleitoral, o Novo Caminho para o Novo Brasil de Verdade, que quer fazer o Brasil voar como águia, para compensar o velho continuismo da mesmice que aí está, com prazo de validade vencido há muito tempo, que, há 512 anos, teima em fazer o Brasil voar apenas como galinha, fazendo o povo comer couve e arrotar caviar. Responder Por Luiz Felipe, em 18/11/2012 às 10:41 @luisfelipe O “Modellão” é de fato cruel, não perdoa, deflora, mata e joga no lixo da história. Os valentes generais da famigerada e terrível ditadura militar que o digam.

  8. NA NOTA DO REAL PODERIA SER DEUS SALVE A RAINHA .OU O PIG.

  9. Aposenta Sarney. Já deu o que tinha que dar.