Casas “hechas en socialismo” resistiram à  passagem de furacão Sandy por Cuba

via portal Vermelho

“Casas feitas no socialismo”

As “petrocasas”, residências desenvolvidas com tecnologia venezuelana, feitas a partir de uma mistura de polímeros de alta resistência, originados do petróleo, tornaram-se uma alternativa barata, segura e à  prova de furacões. As casas “hechas en socialismo” resistiram à  passagem de Sandy por Cuba.

A residência é segura e de baixo custo, podendo ser a casa anti furacões que os cubanos buscaram por décadas.

As casas estão sendo instaladas no país por meio de um programa de cooperação entre os governos cubano e venezuelano.

Fabricadas por uma estatal em Carabobo, na Venezuela, as casas passaram a ser exportadas para Cuba em 2009, após a ilha sofrer grandes perdas com os furacões Gustav, cujos ventos chegaram a 340 km/h.

“As tempestades levaram tudo. A antiga casa de madeira foi derrubada pelos ventos. Pensei que o mundo estava desabando”, disse a cubana Yohandra Borrego, uma das primeiras a receber a nova moradia.

Apesar das acusações de que seus componentes químicos seriam prejudiciais à  saúde dos moradores, seus criadores defendem que a estrutura das “petrocasas” não libera substâncias tóxicas nem cancerígenas, mesmo sob altas temperaturas.

Com informações da Opera Mundi.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Esmael,

    O projeto das “Petrocasas” foi desenvolvido em colaboração com a Cipla – fábrica de material plástico, localizada em Joinville – durante o período que estava ocupada e sob controle operário. Existem mãos de trabalhadores brasileiros nesse projeto, que já é realidade. Infelizmente, no Brasil, o governo federal ignorou a proposta e mobilizou todas as forças em conjunto com a Federação das Indústrias para esmagar essa experiência. Uma pena. Poderíamos ter um programa de habitação semelhante no Brasil.

  2. Esmael, e ainda a gente que por razões político-idelógicas, criticam esses avanços técnológicos. O próprio “USA” sofre com os furacões, mesmo sendo, por enquanto hegemônico economicamente !

  3. Esmael, o Gustav chegou a 250km/h somente, 340 é exagero!

  4. E bunitim!!!