Caixa diz que abertura de novas contas compensou redução de juros

da Agência Brasil

A estratégia de reduzir juros impulsionou os resultados da Caixa, segundo avaliação dos vice-presidentes de Finanças, Márcio Percival Alves Pinto, e de Controle e Risco, Raphael Rezende Neto. Para eles, a redução das taxas, a partir de abril deste ano, foi compensada pelo aumento do número de clientes e de operações de crédito. Ao mesmo tempo em que reduzimos taxas, aumentamos a base de clientes!, argumentou Percival.

Desde abril, com o Programa Caixa Melhor Crédito, estratégia de redução de juros, a Caixa recebeu, em média, 7,6 mil novos clientes por mês por meio da portabilidade de crédito, gerando R$ 80,3 milhões em novos empréstimos.

A média mensal de abertura de contas correntes de pessoas físicas passou de 205 mil no primeiro trimestre para 251 mil após o lançamento do programa, crescimento de 22,2%. Para pessoas jurídicas, a média de contas correntes abertas passou de 27 mil para 40 mil, aumento de 43,4%.

A instituição financeira informou também que aumentou a participação no mercado de crédito para 14,5%, aumento de 2,7 pontos percentuais em 12 meses. O banco encerrou o terceiro trimestre de 2012 com saldo de R$ 324,5 bilhões na carteira de crédito, resultado 43% superior ao mesmo período do ano passado.

O resultado reflete o êxito da nossa estratégia de continuar fazer crescer o crédito e trabalhar com juros menores!, disse Rezende.

De acordo com os executivos do banco, o cenário econômico, com taxas de juros mais baixas, veio para ficar. Segundo eles, pode haver novas reduções de juros da Caixa este ano e em 2013, a depender do desempenho da economia, do comportamento das instituições concorrentes e da evolução da taxa básica de juros, a Selic.

Percival acrescentou ainda que as conversas com o Tesouro Nacional sobre novas capitalizações no banco são frequentes. A ideia é manter o crescimento do crédito. Ele acrescentou que os aportes de recursos no banco geram retorno para o governo de 28% sobre o capital investido.

Os dados divulgados hoje (19) pela Caixa mostram o lucro líquido de R$ 4,197 bilhões do banco, de janeiro a setembro. Em relação a igual período de 2011, o crescimento foi 17,7%, o maior lucro apurado em nove meses iniciais de ano.

Apesar do resultado no acumulado de 2012, houve queda no lucro líquido de 19,7% na comparação do terceiro trimestre do ano em relação ao segundo. Segundo Percival, essa redução no terceiro trimestre, quando há acordo coletivo de aumento de salários, é natural!. Na comparação do terceiro trimestre deste ano com igual período de 2011, houve expansão de 4,6%.

As provisões do banco para risco de crédito chegaram a R$ 18,576 bilhões, em setembro, crescimento de 29,8% em relação a igual período de 2011, e de 5,7%, na comparação com junho. A inadimplência do crédito total ficou em 2,06%.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. CORRESPONDÊNCIA BANCÁRIA
    Tudo bem, que a redução (apesar de ínfima) dos juros, contriubui. Mas de penso que de fato, o crescimento é resultado da PRIVATIZAÇÃO que vem sendo implantada na CEF.

    A gestão de resultado do governo, está perto de completar a adesão á política do governo Fernando Henrique, com este processo de privatização, que consiste basicamente em ceder “mini-agencias” da Caixa à iniciativa privada, através dos chamados “Correspondentes Bancários”, que faz tudo o que a Caixa faz (ou fazia), exceto manipular dinheiro, que fica com as Lotéricas (tbém privadas).

    O problema é que o governo e a CEF não tem coragem de assumir (inclusive para capitalizar politicamente) a privatização que vem sendo feita. Então só pode se apoiar na tese dos juros. Bobice, pois se a privatização da Caixa está dando cverto, pq não propagandear como iniciativa corajosa (a despeito dos PTistas mais raivosos) do Governo Dilma