A educação do Paraná pede socorro

* Professores protestam contra mudança na matriz curricular
* Palácio Iguaçu sinaliza mudança no comando da SEED

Segundo proposta da SEED, mudança na matriz curricular ocorrerá a partir de 2013 para o ensino médio diurno (manhã e tarde). Governo do Paraná tem preferência pelas pessoas menos instruídas, de acordo com entrevista de Richa.

O governo do Paraná, através da Secretaria de Estado da Educação (SEED), realizará na próxima quinta-feira (22) um teatro com cerca de 250 mil estudantes da rede pública. No picadeiro — as mais de 2 mil escolas –, meninos e meninas exercitarão as disciplinas de matemática e português. Nada engraçado, como você logo perceberá nas linhas seguintes, porque o custo final disso tudo é o embrutecimento dos cerca de 2,2 milhões de alunos paranaenses.

A avaliação do Sistema de Avaliação da Educação Básica do Paraná (Saep) é aquilo que poderíamos chamar de desperdício de dinheiro público. O dinheirinho que falta ao professor, ao funcionário da escola, à  melhoria da infraestrutura, vai aos poucos sendo jogado no ralo devido a falta de competência administrativa dos atuais gestores da SEED. O custo desse Saep ainda é segredo de Estado. Quem elaborou as provas, segundo informações preliminares, foi uma universidade de Minas Gerais. As do Paraná ficaram chupando dedo.

A prova que será aplicada pelo governo do Paraná já é feita desde 2007 pelo Ministério da Educação (MEC): a Prova Brasil. A avaliação do governo federal, junto com as notas obtidas pelos alunos, compõe o àndice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) que é divulgado de dois em dois anos. Na gestão do governador Beto Richa (PSDB), graças ao esforço de seu vice e secretário da Educação, Flávio Arns (PSDB), esse índice despencou vergonhosamente. Portanto, já existe uma aferição séria. Gastar-se-á à  toa dinheiro para mais essa avaliação pelo Seap. (Pelo menos, dirá o mais otimista, saber-se-á duas vezes que a situação educacional no Paraná não é nada boa).

Matriz curricular. Foto: Facebook.

Arns e sua magnífica ajudante, Meroujy Cavet, a secretária de fato, descobriram uma mágica para ludibriar o sistema de avaliação nacional ao propor um “intensivão” por meio de seu Saep. Extingue-se ou diminui a carga horária das disciplinas que fazem pensar !“ sociologia, filosofia, arte e língua estrangeira, por exemplo !“ e aumenta as de português e matemática. Muda-se, por decreto, a matriz curricular das escolas, sem muita discussão com a comunidade escolar.

Os cursos de filosofia e sociologia ajudam os alunos a ter um pensamento crítico acerca de sua realidade. Talvez isso justifique a contrariedade dos gestores da Educação. Em abril deste ano, numa entrevista na rádio CBN Curitiba, Richa dissera que uma pessoa quanto mais instruída é uma pessoa mais ela é questionadora! (ouça o áudio). Ele criticava a exigência de diploma universitário para quem pretendia ingressar na Polícia Militar do Paraná.

Será que a mudança na matriz curricular foi ardilosamente planejada pelo governo Richa ou foi uma tacada de mestre!, isolada, da SEED?

Professores protestam sem parar nas redes sociais e se manifestam aqui neste blog contra a mudança na matriz curricular. No entanto, não conseguem convencer a APP-Sindicato, que representa a categoria, a boicotar ou questionar o pacote educacional de Arns/Meroujy. A entidade vem preferindo, desde o início do governo Richa, a política do cafezinho! ao enfrentamento político. O resultado dessa relação amistosa, porém, não tem sido traduzido em ganhos concretos aos educadores ou na melhora da qualidade de ensino. Pelo contrário. A categoria ainda aguarda que promessas feitas pelo governo, no início do ano, sejam cumpridas.

Especialistas da área educacional dizem que a avaliação do próximo dia 22, somada à  mudança na matriz curricular das escolas, não passa de marketing político! do governo do Paraná para encobrir seu fracasso na gestão pedagógica.

A educação do Paraná pede socorro. Alvíssaras no horizonte, pois o Palácio Iguaçu aventa mudança no comando da SEED nos próximos dias. Mas não adianta trocar seis por meia dúzia. à‰ preciso saber que rumo pedagógico seguir, coisa que até agora não se tem.

Leia também a série Caos na Educação!:

Em nova ação de marketing político, Educação vai avaliar! 250 mil alunos da rede pública do Paraná

Para fazer marketing político, governo do Paraná engata mudança na matriz curricular das escolas

Governo Richa corta até a língua dos professores no Paraná

Caos na Educação: Beto, Beto, Beto estamos sem teto!; veja o vídeo

Derrota nas urnas põem Arns e Meroujy na marca do pênalti

Professores do Paraná pedem aumento e ganham tablets

Governo do Paraná quer desqualificar o sistema de avaliação nacional do MEC?

Sob pressão, Richa assina aumento para professores; categoria critica gestão da SEED

Governo do PR tenta roubar! bom desempenho dos municípios no Ideb

Caos na Educação: Cai o Ideb do Paraná

Caos na Educação: Documento da SEED ensina diretores enganar o MEC

Veja essa: No Paraná, professor terá que provar que não é doidão

Professores do Paraná conseguem na Justiça implantação imediata de 33% de hora-atividade

Picaretagem na Educação: Governo do PR faz convênio degradante a adolescentes para favorecer Wal-Mart

Caos na Educação: Professores se dizem enganados pelo governo outra vez. Pode isso, Arnaldo?

Caos na Educação: No Paraná, os tucanos conseguiram derrubar até os índices no Ideb


Caos na Educação: Professores pressionam governo do PR e já falam em greve por tempo indeterminado

Pelas redes sociais, professores pedem greve à  direção da APP-Sindicato

Caos na Educação: No site oficial, SEED orienta escola de Palmeira fazer “gambiarra” em laboratório de informática

Segundo a APP-Sindicato, Flávio Arns deu calote nos professores

SEED lança brigada contra incêndio nas escolas, mas sem extintores

Caos na Educação: Documento da SEED ensina diretores enganar o MEC

Reajuste na gratificação de diretores de escolas fica só na promessa

Flávio Arns promete a professores hora-atividade para janeiro de 2013

Mais uma vez, prefeitos se reúnem hoje com Flávio Arns para discutir transporte escolar

Palácio torce para que Flávio Arns deixe a Secretaria da Educação

Caos na Educação: Prefeitos cogitam pedir ao governador a cabeça do secretário Flávio Arns

Caos na Educação: Calote do governo do PR pode levar prefeituras a suspender transporte escolar

Casas Bahia!: Governo do PR propõe parcelar reajuste e hora-atividade aos professores

Richa anuncia reajuste para diretores de escola; já os professores!¦

As reclamações no setor de educação estão aumentando!, diz deputado Duglas Fabrício


Semana Pedagógica: Governo do PSDB copia Lerner e avança na privatização da Educação

24 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to mention I am newbie to blogging and site-building and definitely loved you’re web-site. Most likely I’m going to bookmark your site . You certainly have exceptional writings. Thanks a lot for sharing your web site.

  2. Como funcionária da educação me sinto frustrada com esta situação, acho que os colégios deveriam fazer uma reunião urgente com toda a comunidade, explicando a situação e pressionar o governo do Estado do Paraná a rever seus conceitos com relação a educação. Deveríamos pedir o impeachment do Beto Richa, por não cumprir com suas promessas políticas e nas próximas eleições caso não apareçam propostas boas e politicos com ética, responsáveis e comprometidos com o seu povo, vamos votar nulo!

  3. Eu sou bacharel em 2 cursos e Licenciado em mais 2, com muitas especializações e Mestrado em Educação, avalio o seguinte: todos os cursos de graduação tem o seu valor, ajuda, sim, na formação do cidadão; lógico que cada um tem sua tendência na vida profissional por este ou por aquele, aí é outra questão; agora, o grande problema da educação se encontra no fio da navalha; e o fio da navalha, neste momento histórico e nesta circunstância, chama-se processo metodológico; eu já venho fechando o pau (sic), há mais ou menos duas décadas nas reuniões que acontecem sobre educação com a SEED; essa Secretaria sempre acha que errado é o Professor; em certos casos pode até ser, mas em sua maioria, é o próprio sistema, principalmente porque os pensadores da área, não encontram capacidade para justificarem os seus cargos que assumem lá em Curitiba e em outras regiões através dos Núcleos de Educação; é muito bom estar lá, tomando cafesinho, tomando água mineral, fora de sala de aula, oportunidade de fazer cursos, ganhando diárias, tendo contato com estudiosos, escritores, políticos; e assim passa o tempo e tudo continua igual; já cansei de falar nas reuniões que o maior errado é o Estado, já cansei de escrever opiniões on line; enquanto continuarmos usando o velho quadro de giz, as velhas televisões amarelonas, o velho discurso, as mesmas aulinhas de 50 minutos no corre corre do dia a dia para vencer conteúdos, tudo contribuirá para que a massa de professores adquira doenças vinculadas ao stress; faz-se necessário repensar tudo; eu eu me promponho, já me dispus outras vezes, a ajudar nesse sentido; não faço campanha politica, não tenho voto, não arrumo voto para outros, talvez por isso eu não esteja lá, mas capacidade intelectual para que estivesse lá eu tenho; lógico, não dá pra explicar tudo aqui, mas as aulas devem ser com multi mídia em todas as salas/turmas, sendo que o ensino deve ser trabalhado por temas em horarios específicos (não por aulas), oportunizando as dicussões com os alunos; para isso é necessario que o Estado contrate monitorias (ou o nome que quiser), para tomar conta das turmas enquanto o professor não estiver com eles; as proprias monitorias podem trabalhar assuntos diversos; então, a questão maior não é a grade, tampouco os assuntos que serão trabalhados.
    Me perdoem pelo desabafo, mas já fui professor de 5ª serie a pós graduação e fico indignado com isso.

  4. Educação é para formar homens críticos. Os filhos dos trabalhadores que quiserem aprender matemática e português, matérias para formar mão de obra barata para o capitalismo selvagem, que vão estudar nos cursinhos particulares.

    Visch agora vem as reguadas e o castigo ajoelhado no milho da professorada pra cima do bitolado.

  5. Não deveríamos estar brigando entre nós para mais aulas de sociologia ou matemática e sim pelas escolas integrais que prometeram, pelo aumento de grade com mais aulasmpara todos sem inventar moda e pelos nossos 30% de hora atividade.

  6. A politica do Parana não deveria se limitar a Requião e Richa, a PMDB e PSDB… Isso é pouco para nosso estado. Tínhamos problemas na gestão passada, foram gastos 100 milhões de reais emprestados no Paraná Digital, computadores que qualquer um que ja tentou levar alunos no laboratório sabe que não funcionam. Software tão livre em que nunca pudemos instalar nada… Não se iludam tudo farinha do mesmo saco… Tínhamos que ter uma opção de mudança real. Alias mudança também na app sindicato que só luta pelo que convém a eles mesmos, nós professores cada vez mais desunidos e pagando o pato.

  7. SAUDADES DO REQUIÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!
    8 ANOS DO REQUIÃO E A MELHOR EQUIPE DA SEED QUE ESTE ESTADO JÁ TEVE!

  8. estudei, passei em filosofia e sociologia e posso afirmar: NÃO SERVEM PRA NADA!

    • Mas saber matriz, raiz quadrada, logarítimos, isso serve?

    • Muda de curso… Se você fez dois cursos de humanas e chegou a essa conclusão, pelos menos para isso elas serviram. Quem sabe você se realiza em outra área! O fato de não ter servido para você, não significa que não sirva para mais ninguém. Não entendeu nem as aulas de lógica…

    • Quem não quer sair da zona de conforto e nem ser contrariado, pensa assim mesmo sobre tais disciplinas.
      Faça outro curso, saia da zona de conforto, deixe de ser mais um e torne- se um transformador.
      Tenha opinião, não seja mais um alienado.

  9. Achei o máximo a posição do Flávio Arns. Esses dias apareceu na RPC e bombardeou uma professora. Hoje quando a matéria foi sobre uma Escola em Campo Largo que está desabando ele não apareceu. Por que?
    Em relação a matriz curricular, concordo com o medo que nosso Governador tem em relação dos alunos pensarem. Lembremos da época do Requião, ele sempre falou e fala o que pensa, bate de frente e tem argumentos. Já o Beto Richa não deve ter porque ele muda a matriz sem consulta pública e que que os alunbos sejam “ignorantes” para que ele, Governador, contenue sem argumentos e não corra o risco de passar por ignorante.

  10. Quando esses loucos serão tirados da Seed, pois o que se ve é que essa MEROUGY manda mais que o governador faz e desfaz o que da na louca, será que o BETO RICHA tambem tem medo dela? Porque na SEEd todos se borram nas calças só de ouvir o nome dessa doida varrida…

  11. Nosso governo copia todo o modelo de educação neoliberal de Minas Gerais. Para eles esse estado é referência. Por isso eles trazem palestras dos professores mineiros nos encontros pedagógicos, documentos e toda porcaria desenvolvida pelo Aécio Neves para deixar o povo mais burro. Agora essa prova elaborada por uma universidade mineira. Será que o concurso também será eleaborado por eles?

  12. ESte povo da educação é estranho, todos os especialístas dizem que é preciso enxugar a grade e mexer nos currículos e daí porque não foi definição de todo o grupo a decisão não presta. Acertar alguma coisa com todo o magistério é impossível, esta gente só quer discussão, a medida é acertada e se saírem sabendo portugues e matemática já está ótimo, hoje saem bem pior. Esmael, menos , bem menos….

    • Menos para você Santinho. Você deve ser um destes que saiu não sabendo nenhuma matéria do currículo básico. Alguém que defende o sucateamento da educação, me desculpe, mas deve ser um completo idiota. Pensar o futuro de um país que não investe em Educação é pensar em se perpetuar como o eterno país do futuro.

    • Pensamento lamentável.

    • Ou você não entende nada de educação ou é mais um teleguiado do guru Gustavo Ioschpe, outro que não entende nada de educação. Se você acha que a escola é para formar mão de obra barata, realmente, a proposta da SEED atende a esse objetivo. Se o objetivo da escola pública é o que a maioria dos pesquisadores em educação concordam, aí já é outra coisa. Aliás, se for fazer o que a legislação atual propõe (LDB e Diretrizes), esta matriz curricular está na contramão. Não se trata de acertar com todo o magistério; trata-se de pensar, por exemplo, que tipo de cidadão queremos formar. Só essa questão já te diz que a proposta é um completo equívoco.

    • Que pensamento medíocre heim Sr. Santinho privar o cidadão de obter conhecimento amplo é lamentável…!!

  13. Enviei vários protestos para a SEED, não responderam nenhum, alguns deputados e Senadores, apenas um se prontificou a protestar sobre este descalabro. O que querem é mão de obra barata de boca fechada para indústria. Não querem alunos que critiquem o governo, que questionem os maus feitos políticos, os desmandos. Curso técnico para o povão pobre, mão de obra barata e semi instruída, Ensino Universitário e pleno para os filhos deles.

  14. Pois é, isto era previsível. Mas eu te pergunto e aquela larga maioria que votou neste cidadão, com que cara vai boicotá-lo? Não me esqueço, e não deixo de me envergonhar até agora, dos inúmeros adesivos “Sou Professor, sou Beto!”. Está tudo ruim, 8 anos que conseguimos recuperar do desmonte dos tempos Lerner, em menos de 4 já estão quase perdidos. O livro público, foi pro lixo, as TVs estão pifando, juntamente com todo o conjunto de computadores do Paraná Digital, que vão se sucateando junto com a CELEPAR.

  15. Vergonhoso.
    A mudança não tem que acontecer apenas na grade, ao se incluirem mais matérias faz-pensar, mas no método também.
    É necessário integrar ensino teórico e vida prática desde o berço, como já começam a fazer alguns métodos de escolas particulares.

  16. As metas educacionais da atual gestão estão cada vez mais visíveis, pouco transparentes mas se revelam passo a passo como no jogo de xadrez. Não me iludo, os gestores da educação pública são inteligentes para atingirem suas metas. A limitada análise e solução apresentadas para a matriz curricular, bem como a morosidade nas negociações com os representantes da categoria, não são apenas possíveis equívocos administrativos, são evidentes manobras e intencionalidades que uma análise mais crítica nos permite entrever.

  17. Todo o dinheiro gasto com o marketing politico, o SAEP, fez com que os intelectuais do normal superior da SEED não pagassem as progressões (aumento do salário de acordo com o plano de carreira) do ano de 2012. Não tem um centavo a mais nos contracheques do mês de novembro, muito menos os seis porcento prometidos como realuste e tão divulgado nas mídias educacionais. Vergonha de gestão.