“Serei o prefeito do diálogo”, afirma Gustavo Fruet

Serei o prefeito do diálogo, não do confronto ou do conflito!, afirma Gustavo Fruet. Foto: Everson Bressan.

O candidato a prefeito de Curitiba pelo PDT, Gustavo Fruet, renovou ontem (17) seus compromissos de campanha em novo encontro na Associação Comercial do Paraná (ACP).

Venho reafirmar meu respeito à  instituição e garantir que ela será parceira em atuais e novos projetos para Curitiba. Nossa gestão será democrática, com diálogo franco e aberto com todas as entidades, associações e conselhos representativos e a sociedade em geral!, assegurou o candidato do PDT.

O evento, promovido pelo conselho político da ACP, contou com a participação de mais de uma centena de associados, que lotaram o salão de eventos da entidade.

Fruet garantiu que seu governo na prefeitura de Curitiba olhará para o futuro.

Serei o prefeito do diálogo, não do confronto ou do conflito. Estou focado na gestão da cidade, no seu processo de fortalecimento. Curitiba vai precisar dos governos estadual e federal. Por isso, não vou condenar a cidade em um projeto que não seja consistente!, afirmou.

O candidato lembrou que sempre acompanhou Curitiba muito de perto em todos os seus mandatos políticos. Segundo ele, muitos dos projetos que apresentou no Congresso Nacional foram a favor da cidade.

Recomeço minha trajetória política depois de voltar de Brasília com um projeto para a capital. Vamos fazer a mudança com responsabilidade e segurança. Respeitamos os ganhos que Curitiba conquistou até aqui, mas está na hora de dar um novo salto de desenvolvimento. Estou ciente e preparado para este desafio. Curitiba deve ser referência na questão social. Vamos recolocar a cidade no lugar de liderança que sempre lhe coube no cenário nacional!, disse.

Fruet prometeu recuperar a confiança da população nos serviços públicos, principalmente nas áreas de saúde, segurança e transporte público. Ele também garantiu que irá resgatar a inovação e a vanguarda no planejamento da cidade com o fortalecimento do Ippuc.

E vamos realizar uma obra transformadora, o maior investimento da história de Curitiba em educação. Em dez anos, esperamos dobrar a média de escolaridade formal do curitibano. Esta é uma obra imaterial que ficará para as futuras gerações da cidade!, assegurou.

O pedetista também respondeu questões formuladas pelos associados. Sobre o plano diretor, ele revelou que sua gestão irá fazer uma revisão na lei de zoneamento para permitir a criação de pelo menos seis centros de bairros, com novo adensamento e forte investimento em infraestrutura.

Precisamos desconcentrar a cidade, permitir que as pessoas se desloquem mais por seus bairros, que façam compras, paguem suas contas e tenham lazer na sua própria região!, lembrou.

Fruet garantiu, ainda, o investimento nas economias verde e criativa, em especial na área tecnológica, com a ampliação da rede de fibra ótica para toda a cidade. A qualificação da mão de obra será feita em parceria com entidades como a ACP.

Vamos incentivar o empreendedorismo, principalmente das mulheres. E iremos usar o poder de compra da prefeitura para beneficiar pequenas e médias empresas!, concluiu.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Ola gustavo vc e um bom candidato mais acho q vc deve cuidar
    Mais da suas propostas e da sua candidatura porq percebo q vc anda falando do mal do ratinho junior entao se preocupe com vc nao com ele obrigada

  2. Claro que é, o PT da terra exigiu 6 secretarias, PPS pediu emprego para a família do Limpinho(Rubens Bueno), o Osmar Dias voltou, tem apoio de funcionários, leia cargos em comissão do DUCCI/PSDB, os vereadores ybém querem seu espaço, o Chik Jeitoso quer a Secretaria, agora o PV do Rasca, também quer seu espaço, vai ter que dialogar muito, para encaixar todo esse povo. VIVA O PREFEITO DO DIÁLOGO>>>GSUTAVO FRUET

  3. Quando vejo candidatos prestarem atos de vassalagem à nobreza mercantilista percebo claramento que o povo vai se ferrar mais uma vez. Em tempos idos, de imperadores e reis, o povo e a nobreza prestavam juramento de fidelidade ao rei ou imperador. Nos tempos modernos no Brasil não temos reis ou imperadores, vivemos numa república democrática é o que dizem. Temos a nobreza mercantil, agrícola, industrial e financeira. Não têm títulos de nobreza como conde, visconde, barão, duque, etc, mas agem como se nobres fossem e apoiam a eleição para prefeito, governador, presidente, etc, daqueles candidatos que mais se curvarem aos seus interesses, desejos e mando, enfim no caso um prefeito vassalo. Ai do povo!