Para analistas, eleições devem seguir descoladas do mensalão no 2!º turno

da Agência Estado

Julgamento do mensalão teve início em agosto e deve acabar perto do segundo turno. Foto: Dida Sampaio.
O Supremo Tribunal Federal (STF) selou na semana passada a condenação por corrupção ativa do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, do ex-presidente do PT José Genoino e do ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares por envolvimento no esquema de compra de apoio parlamentar ao governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O julgamento da antiga cúpula petista foi iniciado na semana anterior ao primeiro turno da eleição municipal, e o impacto nas urnas foi pequeno, na opinião de analistas, apesar da grande exposição na mídia e do uso do caso por alguns candidatos.

“A despeito da propaganda massiva e do destaque nos noticiários, o impacto não foi visto. Houve certo distanciamento dos eleitores da questão. (O julgamento) não foi variável determinante”, disse o professor de ciência política do Ibmec Belo Horizonte Oswaldo Dehon.

O pleito municipal é visto com certo descolamento da política nacional. Os eleitores estão mais preocupados com as soluções de problemas próximos, como transporte, educação e saúde, sem grande influência de questões consideradas distantes, como o julgamento do mensalão.

Eleitores tendem, também, a votar em perfis conhecidos e não em partidos, o que reduz ainda mais o possível efeito do julgamento no voto municipal.

“O eleitor está querendo soluções para suas regiões, seus bairros, suas cidades. O eleitor não vota em partido, vota em pessoas e perfis”, disse o professor da Universidade de São Paulo (USP) Gaudêncio Torquato. “O efeito eleitoral (do julgamento) é muito pequeno. Na hora H, isso não funciona, mas não quer dizer que não seja importante”, disse.

Apesar de sair derrotado em capitais importantes como Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife, o PT foi, ao lado do PSB, o único partido entre os grandes a ter crescimento em 2012, elegendo mais prefeitos nesta eleição do que há quatro anos.

Caso complexo. No primeiro turno, o mensalão foi usado com moderação pelas campanhas, especialmente nas cidades onde as disputas principais ocorreram entre candidatos de partidos que integram a base aliada da presidente Dilma Rousseff. Agora, com a polarização da disputa entre dois lados, o tema poderá ser mais explorado no segundo turno.

Em São Paulo, maior cidade do país, o segundo turno repetirá a rivalidade nacional entre PT e PSDB, o que acontecerá em outras duas capitais – Rio Branco e João Pessoa. O tucano José Serra, que saiu com ligeira vantagem na primeira rodada, enfrentará o petista Fernando Haddad.

As primeiras pesquisas divulgadas na semana passada colocaram o petista com vantagem de 10 pontos sobre Serra: no Datafolha, Haddad lidera por 47%, contra 37 do tucano. No Ibope, os índices registram 48 a 37%, com vantagem do petista.

Comments are closed.