Oposição a Dilma encolherá 30% nestas eleições, dizem pesquisas

Resultado é trunfo para Dilma na eleição de 2014

via Estadão

Lula e Dilma no comício de Márcio Pochmann (PT) em Campinas (SP).

Os resultados do 1.!º turno e as pesquisas do 2.!º turno indicam que os partidos de oposição à  presidente Dilma Rousseff terão um encolhimento de 30%, pelo critério do número de eleitores governados, quando comparadas as eleições de 2008 e 2012.

Há quatro anos, PSDB, DEM, PPS e PSOL – então na oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva – conquistaram nas urnas o comando de cidades que concentravam 28% do eleitorado do País. Esses mesmos partidos devem eleger agora prefeitos de municípios que abrigam 19% dos eleitores.

Os números foram calculados pelo Estadão Dados com base nos resultados das eleições em 5.515 cidades onde a disputa foi encerrada no último dia 8, além de resultados de pesquisas em 39 dos 50 municípios onde haverá segundo turno. Se houver reviravoltas na reta final – principalmente em São Paulo, que possui 8,6 milhões de eleitores -, portanto, os porcentuais podem mudar.

O encolhimento da oposição não se traduz em crescimento dos partidos da base governista. Os aliados de Dilma tendem a conquistar o comando de 72% do eleitorado, resultado apenas levemente superior ao obtido em 2008 (71%).

Quem avançou nesse período foi o bloco dos chamados independentes, hoje formado por PV e PSD – esse último partido, que não existia há quatro anos, surgiu de um racha no DEM e é um dos responsáveis pelo definhamento do bloco oposicionista.

Em números absolutos, as legendas de oposição passaram a governar 35 milhões de eleitores quando seus prefeitos eleitos em 2008 tomaram posse no ano seguinte. Pelo que projetam as pesquisas, essa parcela cairia para pouco menos de 27 milhões de eleitores no período 2013-2016.

Já os partidos da base podem ampliar seu eleitorado governado de 91 milhões para 99 milhões em quatro anos. Ao se comparar as duas eleições, é preciso levar em conta o fato de que o eleitorado total do País cresceu de 129 milhões para 138 milhões.

Independentes e aliados. Em termos formais, PV e PSD não fazem parte da base governista. Mas, na prática, seus parlamentares demonstram ter alta fidelidade a Dilma. Segundo o Basômetro, ferramenta online que mede o governismo no Congresso, os deputados dos dois partidos seguiram a orientação do Palácio do Planalto em 77% e 88% das votações realizadas desde o início de 2011.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que comanda o PSD, ainda pode formalizar a adesão do partido ao bloco pró-Dilma, o que elevaria a parcela do eleitorado sob o comando de prefeitos governistas para o patamar recorde de 78%.

A força dos governistas nos municípios é um trunfo para Dilma na eleição de 2014. Mas nada garante que os prefeitos ajam de modo coeso. Os eleitos pelo PSB, por exemplo, hoje estão na base, mas podem ser cabos eleitorais do presidente do partido, Eduardo Campos, caso ele decida concorrer.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Facebook: Agora é Gustavo, é “fake” ou alguém violou. Denunciem. Tem dezenas de amigos e de assinantes, muitos políticos conhecidos como o Doático.