Curitiba identifica locais onde aconteceram torturas na ditadura militar

via The Brazilian Post

Praça Rui Barbosa abrigava prisão para opositores ao regime.

A Praça Rui Barbosa é um dos pontos mais populares de Curitiba, local onde diariamente circulam e desembarcam milhares de pessoas vindas de toda a capital. à‰ nesta praça que ficam também a Rua da Cidadania Matriz e várias áreas de comércio popular. Mas o que a maioria população que por ali circula desconhece o fato de que este foi um local utilizado pela Ditadura Cívico Militar para prender temporariamente opositores ao regime. Essa revelação foi contada durante o debate A Ditadura Sobrevive!, realizado no Sindicato dos Bancários e com organização do Sismuc, Sindijor e da Comissão de Direitos Humanos. No mês que vem a Assembleia Legislativa do Paraná deve criar Pontos de Memória da Ditadura em Curitiba como um dos atos e eventos referentes à  vinda da Comissão da Verdade ao estado.

Além da Praça Rui Barbosa, outro ponto utilizado pela Ditadura Cívico Militar seria o Shopping Curitiba, antiga unidade do Exército. Na Praça Osvaldo Cruz, do outro lado da rua, ficava a sede da cavalaria do Exército, prédio apontado como local clandestino de tortura. Há relatos de que os presos (que chegavam encapuzados) da Operação Marumbi ouviam sirenes dos bombeiros e por isso achavam que estavam próximos ao quartel da praça Osvaldo Cruz.

Para a jornalista Silvia Calciolari, uma das palestrantes da noite, a identificação desses pontos é muito importante para que as práticas cometidas entre 1964 (Ato Institucional 5) e 1985 (Fim da Ditadura) não se repitam em outras formas de governo.

Eu tenho um sonho de que um dia haja um memorial que diga o que um local foi no passado, como na Argentina!, conta a jornalista que pesquisou os torturados políticos no Paraná.

O deputado estadual Tadeu Veneri acredita que o reconhecimento não ocorreu ainda porque existe uma parcela da elite que evita a abertura dos documentos. Para ele, que preside a Comissão de Direitos Humanos, tantos os torturados pela Ditadura quando a atual população carcerária sofre com a exclusão e coerção praticada pelo Estado.

Já o advogado Cláudio Ribeiro destacou que A Ditadura Sobrevive! em pelo menos dois aspectos: econômico e legal. Para ele, o chamado milagre econômico foi acompanhado de endividamento do Brasil.

Nossa dívida cresceu milhares de por cento neste período e hoje sofremos com 70% do PIB comprometido para pagar juros!, explicou. Quanto à s leis, Ribeiro comenta que foram os atos institucionais que permitiram que os militares estivessem acima da sociedade! e que as leis também justificam golpes atualmente na América Latina.

Ao fim do encontro, Milton Alves, do Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça, informou que no próximo dia 24 de outubro devem ser inaugurados pontos que identificam onde houve tortura em Curitiba.

O IPPUC já está preparando os monumentos e o Fórum apresentou um conjunto de locais onde possa haver o resgate da história!, informou.

com informações de: Brasil de Fato.

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Eu gostaria de saber o nome de dois advogados que foram presos em Curitiba, por ter armas em uma chácara. Era um sogro e um genro, e o sogro suicidou-se em um quartel de Brasília, no ano de 1973. Esqueci o nome deste senhor e queria falar o que sei sobre este terrível acontecimento.
    alguém pode me ajudar?

  2. Eu sempre achei estes locais meio nebulosos, a sensação é de pura tristeza e funebre. Apesar de hoje haver salas comerciais este locais tem ar de tristeza.

    • pois é, trabalho com artesanato aqui na rua da cidadania e não são poucas as vezes em que me sinto num lugar assim. Pessoas de fora olham para os boxes vazios e acham pura semelhança com celas de presídios… E nós aqui, tentando lutar contra as garras da URBS que nos limita em todos os sentidos, cobra altas taxas e não fornece subsídio necessário para que este lugar seja melhor frequentado. Quem entra aqui são os corajosos, porque sinceramente o aspecto do lugar é pouco convidativo, mas os trabalhos artesanais são maravilhosos…

  3. Tem que dar uma olhada nos rumores que apontavam a antiga 15 CSM que funcionava na Rua Riachuelo…

  4. Eu não conheci e não conheço ninguem que tenha sido prejudicado por aquele regime que fez muito bem para o Brasil. Só se ferrou quem era vagabundo e agitador querendo implantar nesse País uma verdadeira didadura comunista. São aqueles que até hoje acham que o regime vigente em Cuba é o bom. Lá o povo vive na merda a meio século e eles até hoje acham isso bom. Era isso que eles queriam para o Brasil, mas graças a Deus as forças armadas nos salvaram dessa desgraça. Agora pergunto, os tais desaparecidos fizeram alguma falta para o Brasil? fazem falta ao Brasil os milhares de brasileiros que desaparecem diariamente em acidentes de trabalho, acidentes de trânsito, de fone, etc. etc. e não aqueles vádios que mataram, sequestraram, assaltaram. E o pior dessa história é que os que não desapareceram, ficaram milionários com as indenizações que a cumpanheirada achou justa e necessária aprovou. Naquele tempo até as prisões recuperavam seus prisioneiros, tanto isso é verdade que muitos viraram Diretores de estatais, deputados, senadores e até Presidentes da República, ou não é verdade?. Diante de tudo isso, chega a dar saudades daqueles tempos em que os tres poderes eram o Exército, a Marinha e a Aeronáutica.

  5. Uma coisa que poucas pessoas sabem é que os Presos Politicos eram torturados e depois seguiam para uma famosa clinica onde eram recuperados para novas descargas de tortura.

    Aliás no Festival de Teatro desse ano, uma das melhores peças foi contracenada no Presidio do Ahú, embasada no Livro “Memória Torturas” de Ildeu Manso Vieira, e nesse livro existem detalhes de tais clinicas, de um famoso Judeu, que hoje seu filho continua com a Clinica e é famoso por suas vacinas.

    Documentos do DOPS que estão no arquivo público na rua dos funcionários dão vários detalhes, quem quiser ver é só ir lá e ver. Inclusive há uma detalhe super curioso, na época do AI5, Enersto Che Guevara esteve em Curitiba em uma reunião do MR-8, passando instruções para a Luta Armada.

    Parabéns pela a iniciativa.

  6. Não podem esquecer do Dops da Barão do Rio Branco e de um ergastulo que tem no subsolo da rodoferroviaria, onde prendiam nós e registravam com um nome fictício para que os familiares e o sindicato não nos achassem.

  7. muitos hoje não conheceram o brasil de 2002! porque estava com 10 anos ,12 anos. mas os fatos estão patententes para pesquisar….

  8. o stf aprovou a anestia aos torturadores, foi um erro da suprema corte!

  9. Todos que viveram aquele período sabem o endereço dos dois quartéis.O que eu gostaria de saber são os nomes e sobrenomes dos civis,membros nativos da sociedade curitibana da época,que agiram como delatores e colaboradores da repressão na época, e o que eles ganharam pelo serviço sujo.Será que estas informações ainda existem???????

  10. bons tempos , so era ruim para os politicos ladroes, ze dirceu , jenuino ,serra ,fhc e outros que nao consigo lembrar. para o povo trabalhador era bom , nao tinha drogados e vagabundos e desocupados circulando pela cidade como hoje tem , essas coligaçoes de partidos politicos quadrilheiros ladroes do povo. precisamos de um DITADOR no BRASIL igual o HUGO CHAVES.

  11. Creio que deveria haver não só em Curitiba mas em todas as cidade, um memorial como por exemplo o “Panteon dos Heores” da Lapa-PR.
    Mas em vez de militares mortos na guerra, ter dos desaparecidos da ditadura.
    Seria mais do que justo homenagear os heróis da democracia Brasileira.

  12. TAMBÉM É NECESSÁRIO LEMBRAR O NOME DE CADA TORTURADOR QUE ATUOU NESTES LOCAIS.

  13. Acrescento detalhes: onde hoje é a Rua da Cidadania, na Rui Barbosa, havia o quartel-general da 5.ª Divisão de Infantaria. Lá funcionava a Auditoria Militar, onde eram julgados os acusados de atos de subversão nos anos finais da década de 60. Notabilizaram-se neste recinto advogados – então muito jovens – na defesa desses acusados, dentre os quais os professores René Dotti e Lamartini Correa de Oliveira Lira (já falecido). Merecem ser lembrados e homenageados pela coragem e competência jurídica que demonstraram ao enfrentar o regime em defesa de seus clientes.
    Outro local, além da Cavalaria, situada do outro lado da Visconde de Guarapuava, havia outro quartel, sede do CPOR, onde hoje funciona o Shopping Curitiba. Era em uma das suas salas, no segundo andar, que se faziam as “oitivas” de indiciados e testemunhas arrolados nos IPM (Inquéritos Policiais Militares).