Comunistas e pastores evangélicos disputam rumos da campanha de Ratinho Junior em Curitiba

O PCdoB é contra essa agenda conservadora. Nós achamos que essas questões de gays e aborto nos levarão à  derrota!, diz Zenir Teixeira, histórico dirigente comunista no Paraná. Foto: Brasil 247.

O PCdoB de Curitiba colocou na cabeça que precisaria deixar de ser um partido satélite do PT, aliado com qual vinha marchando preferencialmente na capital de todos os paranaenses desde 1989. O descolamento de comunistas e petistas ocorreu pela primeira em 2008, quando o PCdoB lançou o ex-deputado federal Ricardo Gomyde para prefeito, que conquistou 0,71% dos votos. Naquela mesma disputa o PT apostou em Gleisi Hoffmann, que obteve 18,17% dos votos válidos.

Neste ano, o PCdoB outra vez não quis a companhia do PT !“ que está na coligação de Gustavo Fruet, do PDT. O Partido Comunista do Brasil preferiu unir-se a Ratinho Junior, do PSC, tendo como foco estratégico eleger um vereador, mas o projeto deu errado porque a coligação na proporcional com PR não alcançou quociente necessário (24 mil votos). A coligação do PCdoB com o PR obteve 21.628 votos (nominais e de legenda, juntos).

Fiz esse pequeno intróito com o objetivo de facilitar a compreensão do leitor sobre o que pensam os comunistas curitibanos sobre a disputa eleitoral deste segundo turno.

O PCdoB não elegeu vereador, não indicou o vice na chapa de Ratinho, mas agora luta para influenciar nos rumos da campanha. O partido é contra adotar uma agenda conservadora como querem os pastores evangélicos. A disputa de rumo na campanha de Ratinho começou com a lambança acerca de uma reunião com o movimento gay. Em um mesmo dia foi marcada, desmarcada, prometida para o futuro e desmentida.

O PCdoB é contra essa agenda conservadora. Nós achamos que essas questões de gays e aborto nos levarão à  derrota!, disse ao blog o sindicalista Zenir Teixeira, um dos comandantes-em-chefe da campanha de Ratinho Junior e um dos generais do PCdoB no Paraná. Para o dirigente comunista, os pastores evangélicos já detonaram a campanha de José Serra (PSDB) em São Paulo e agora estão fazendo o mesmo aqui em Curitiba.

Zenir se referiu ao pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia em Deus Associação Vitória em Cristo, que, em São Paulo, foi um dos algozes do petista Fernando Haddad no programa eleitoral no rádio e na tevê. Ao pastor couberam as críticas pesadas ao kit anti-homofobia, elaborado pelo Ministério da Educação (MEC), quando Haddad era ministro. O material seria distribuído em escolas públicas do país e era destinado a combater a intolerância contra homossexuais, mas a presidenta Dilma Rousseff não permitiu que o projeto do MEC prosperasse.

Ratinho Junior trouxe ontem (20) o tema aborto! para a arena eleitoral durante o Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política. Influenciado pelos pastores, o candidato do PSC reedita a campanha presidencial de Serra que, em 2010, tentou carimbar a então adversária Dilma Rousseff (PT) como abortista!.

Pelos meus princípios cristãos sou contra o aborto. Tenho meus posicionamentos claros em relação a este assunto!, vangloriou-se Ratinho Junior, ao afirmar que é o único candidato que se posicionou contra o aborto e a favor da vida!.

O dirigente do PCdoB, Zenir Teixeira, não tem dúvidas de que a campanha de Ratinho está pecando por causa da má influência dos pastores. Para ele, o que precisaria realçar no rádio e na televisão, na agenda política, é a disputa de classe que está havendo na capital.

Gustavo Fruet e o PT estão acompanhados da elite econômica curitibana. Nós temos que mostrar que esta é uma disputa entre pobres e ricos, entre a minoria que nasceu aqui e acha que é dona de Curitiba e os que para aqui vieram, ajudaram construir esta cidade, e que também são curitibanos, aliás, a maioria!, disse Zenir, realçando a disputa de classes em andamento: Só os pastores é que não enxergam isso!, critica o sindicalista, cotado para assumir a Secretaria do Trabalho, caso Ratinho Junior vença a eleição.

Comentários encerrados.