TSE não vai diplomar eleito considerado ficha suja

* Corte deverá empossar 2!º colocado até julgamento final de registro do vencedor enquadrado na Lei da Ficha Limpa

Zezé, Roque, Menegusso e Beti podem ganhar, mas não levar a prefeitura.
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), muito provavelmente, não conseguirá julgar antes das eleições de 7 de outubro os cerca de 14 mil processos que contestam candidaturas à s prefeituras e câmaras municipais. Mas uma coisa já é dada como certa na Corte: os candidatos que já foram barrados nos estados, caso vençam nas urnas, não serão diplomados sem que o TSE defira o registro. Até o julgamento, o diplomado é o segundo colocado.

Traduzindo isso tudo: os nomes barrados pelos TREs irão aparecer nas urnas eletrônicas, mas todos os seus votos serão considerados sub judice até uma eventual decisão no TSE.

Há vários casos emblemáticos no Paraná que se encaixam perfeitamente nessa decisão do TSE. São candidatos que disputam prefeituras sob judice, que até poderão ser eleitos, mas sua votação poderá ser anulada !“ em caso de negação de registro !“ e poderão nunca assumir os cargos. Ou seja, assumirá o segundo colocado nas eleições.

Existem vários candidatos que estão na disputa graças a liminares ou recursos ao TSE. Em Paranaguá, Litoral, o líder nas pesquisas Mário Roque (PMDB) pode ganhar e não levar; em Colombo, na região metropolitana, Beti Pavin (PSDB) também se encontra na mesma situação; Louvanir Joãozinho Menegusso (DEM), de Campo Magro, e Albanor Zezé (PSDB), em Araucária, igualmente estão pendurados na brocha. Isso só para ficar em apenas alguns exemplos mais próximos da capital, pois são centenas de candidatos que concorrem sub judice em todo o estado.

Os TREs barraram em todo o país, até agora, 317 políticos enquadrados na Lei da Ficha Limpa. O PSDB foi o partido que teve mais candidatos barrados. Ao todo 56 tucanos. O PMDB teve 49 candidatos que caíram na malha fina e o PT tem 18 candidatos questionados à  luz da Lei da Ficha Limpa.

Com informações de agências de notícias.

Comments are closed.