Greca denuncia manipulação das pesquisas pelos “coronéis” da política

Greca critica pesquisas. Foto: Marcelo Andrade/ Gazeta do Povo.

O candidato do PMDB a prefeito de Curitiba, Rafael Greca, comparou a prática da manipulação das pesquisas eleitorais ao tempo do coronelismo no Brasil.

Os políticos modernos procuram dominar as eleições ao apresentarem resultados antes do voto do povo através das pesquisas de opinião pública!, ressaltou Greca, ao participar, neste final de semana, de almoço realizado no comitê político de campanha, com militantes, apoiadores e vereadores do PMDB, que reforçam apoio à  candidatura de Greca.

Sobre o tema pesquisas eleitorais, disse ainda Greca: As pesquisas são dominadas da mesma forma como os coronéis obrigavam os escravos a votarem neles!.

O candidato peemedebista disse, entretanto, não posicionar-se contrário à s pesquisas, de forma íntegra. Nós não somos contra a pesquisa, somos contra a fraude da pesquisa popular!, ressaltou.

Contraponto

Para contrapor cenário de manipulação eleitoral, o candidato peemedebista aposta na memória popular. Todos lembram o trabalho que foi feito enquanto eu era prefeito!, disse.

E completou o raciocínio: Curitiba precisa de engenharia, até a saúde é um problema de engenharia!. Segundo o candidato, ao conversar com as pessoas na rua, todos reclamam que a saúde não funciona!.

Destacou ainda Greca que a campanha dele é a favor de Curitiba e que a cidade precisa de um prefeito que tenha capacidade de leva-la para o futuro!. Vou ser o prefeito com o apoio de vocês. Quero levar a massa de campanha para o bairro. Eu não vou fazer o jogo deles, vou tocar a campanha como ela tem que ser feita. Nós vamos vencer essa eleição!, afirmou.

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O voto de cabresto é um sistema tradicional de controle de poder político através do abuso de autoridade, compra de votos ou utilização da máquina pública. É um mecanismo muito recorrente nos rincões mais pobres do Brasil como característica do coronelismo.
    A figura do coronel era muito comum durante os anos iniciais da República, principalmente nas regiões do interior do Brasil. O coronel era um grande fazendeiro que utilizava seu poder econômico para garantir a eleição dos candidatos que apoiava. Era usado o voto de cabresto, onde o coronel (fazendeiro) obrigava e usava até mesmo de violência para que os eleitores de seu “curral eleitoral” votassem nos candidatos apoiados por ele. Como o voto era aberto, os eleitores eram pressionados e fiscalizados por capangas do coronel, para que votassem nos candidatos por ele indicados. O coronel também utilizava outros recursos para conseguir seus objetivos políticos, tais como compra de voto, votos fantasmas, troca de favores, fraudes eleitorais e violência.
    No sistema político e eleitoral brasileiro, nos dias atuais, é muito difícil controlar o voto das pessoas. Mas há novos mecanismos de pressão que são usados. Por exemplo, anotar as secções em que os eleitores de uma determinada família ou localidade votam, para depois conferir se a votação do candidato correspondeu ao que se esperava dos eleitores. Embora não seja possível se determinar “quem” votou em “quem” por este método, ele é eficaz entre a população mais pobre como instrumento de pressão psicológica.
    Mas há também o uso de poder das milicias, nas comunidades pobres, que obrigam os moradores locais a votar em quem eles querem, ou não permitem o voto em candidatos cujo a milicia não aceita; se a população não cumpre a milícia pode abusar do poder e causar mortes ou parar de “ajudar” os moradores. (fonte: wikipedia)

  2. Nessa eu estou com Greca, essas pesquisas são cada vez mais sem nexo e cada vez mais manipulavéis! Ibetos e afins não tem mais valor

  3. Sou a favor da exclusão de pesquisas eleitorais!
    É uma manipulação muito clara e que muda e muito o quadro de votos do dia da eleição!!!! Eleitores mudam de voto como se troca de roupa, pelo simples fato de nao querer disperdiçar seu voto e assim acabam votando em quem lidera…absurdo

  4. Também acredito fielmente que as pesquisas são compradas, e não acredito nessa história louca de que em dois milhões de habitantes entrevistar mil vai fazer cócegas.

  5. Vamos relembrar da epoca em que o Greca usou a maquina da prefeitura para eleger seu sucessor. CASSIO TANIGUICHI que depois veio a ser condenado por improbidade administrativa. O GRECA, mais do que ninguem sabe da sua rejeiçao, porém é muito mal assessorado pela equipe amadora do Cesar Setti, talvez o GRECA tenha que reavaliar sua equipe em uma proxima campanha, se houver, porque depois de tantas denuncias vazias e acusaçoes sem fundamentos ele provavelmente saira da campanha desmoralizado

  6. De longe Greca é o melhor, se não fosse “laranja” do Requião estaria na ponta !!!

  7. Greca, em quem você vai apoiar no Segundo Turno?

  8. o greca tá certo esses coronéis curitibocas tem dançar , SÃO LUIZ NÃO É CURITIBA E CURITBA NÃO PODE VIRAR UMA SÃO LUIZ DO SARNEY RICHA

  9. Vá em frente Rafael, de longe é o mais bem preparado para administrar a cidade, livre-nos do Pudim Prefeito e do Flan Governador.

  10. Quem conhece por dentro fala com propriedade, “Periteconomamia Pesquisatória” do atual “Odorico Curitiguaçú” “mal amado” se esconde na “Média Sabida” se garante na formação da opinião pública comprada e na apuração da corrida de cavalos loucos dos tribunais. Olho vivo no “golpe88”.
    Todos que tem conhecimento da marmelada só permite a Reeleição se quiser.
    Ousar a verdade, a liberdade de expressão e a Lei das Transparências.

  11. Olha, não sou politico, mas concordo com o senhor, o tal margem de erro é estranho. Em todas pesquisas o candidato Ratinho está em primeiro, o senhor não sai dos 6 pontos.
    Mas o mais interessante que no segundo turno o Ratinho Junior ganha, pena que o poder manipula a pesquisa.

  12. Ah, nos poupe Esmael. O Greca que vá chorar as pitangas no passado, quando fez as besteiras até hoje lembradas pelos eleitores.