Fruet vai para o ataque no segundo debate na TV em Curitiba

por Rafael Moro Martins, via UOL

Gustavo Fruet foi para o ataque. Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo.

Em baixa nas pesquisas, Gustavo Fruet (PDT) partiu para o ataque no segundo debate entre os candidatos a prefeito de Curitiba, realizado na noite da quinta-feira (13) pela CNT. A violência se manifesta no processo eleitoral. De forma covarde e sórdida, dizem que me aliei a mensaleiros!, disse, no início do encontro, ao ser instado a apresentar propostas sobre segurança pública.

Ao final do encontro, que durou cerca de 1h50, Fruet !“ que durante boa parte do encontro falou com rapidez, algumas vezes estourou o tempo até para fazer perguntas e até gaguejou !“ voltou ao tema, com mais ênfase. Nunca desonrei a história do meu pai (o ex-prefeito Maurício Fruet). Sou vítima de campanha covarde. Sempre estive contra corrupção, aqui e em Brasília!, bradou.

Lá, participei da CPI que resultou no julgamento do mensalão. Aqui, pedi afastamento do (ex-presidente da Câmara Municipal João Claudio) Derosso (PSDB, ex-aliado do prefeito e candidato a reeleição Luciano Ducci), que teve mandato cassado.! Depois, concluiu. Peço oração, pois estou enfrentando máquina de destruição.!

A campanha do prefeito e candidato a reeleição Luciano Ducci (PSB) leva ao ar, há algumas semanas, comerciais de rádio que vinculam o ex-tucano Fruet ao PT (historicamente rejeitado a Curitiba), partido com políticos condenados por vários crimes de corrupção!, e questionam a coerência do pedetista.

Terceiro colocado na pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (13) após o TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná) derrubar liminar obtida por sua coligação que impedia a publicação dos resultados, Fruet também atacou os institutos de pesquisa logo em sua primeira intervenção.

Todos erraram!, afirmou, ao lembrar os levantamentos realizados à s vésperas das eleições de 2010 !“ à  época concorrendo ao Senado, Fruet aparecia muito atrás de Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB) a uma semana da votação, mas quase ficou com uma das vagas.

Vacina contra a inexperiência

Ratinho Jr. (PSC), que fez no debate da CNT sua primeira aparição em público após a divulgação da pesquisa que o coloca, pela primeira vez, como líder das intenções de voto em Curitiba, evitou o confronto aberto com os demais candidatos.

Em vez disso, preferiu proteger um de seus prováveis pontos fracos no decorrer da campanha, a falta de experiência !“ tem apenas 32 anos de idade. Aproveitou intervenção sobre infraestrutura para citar ex-prefeitos notórios de Curitiba. Ney Braga, com 34 anos, iniciou o planejamento de cidade. Depois veio Jaime Lerner, em 1971, com apenas 34 anos!.

Mais tarde, lançou mão de clichês. A educação não transforma o mundo, transfoma as pessoas!, falou, antes de lembrar que há 23 mil crianças fora das creches! em Curitiba. Em suas considerações finais, fez questão de agradecer ao pai, o apresentador Ratinho, do SBT.

Em todos os momentos da vida, [ele] esteve ao meu lado!. Depois, novamente demonstrando preocupação em apagar a imagem de inexperiente!, citou cursos de formação que frequentou e argumentou que o prefeito não tem que ser um tecnocrata, mas um gestor!.

E lembrou: meu projeto não é para 2014!, em referência à s candidaturas de Fruet e Ducci, apoiados, respectivamente, pelo casal de ministros Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, do PT, e o governador Beto Richa (PSDB), que veem na disputa pela prefeitura de Curitiba uma prévia para a corrida ao Palácio Iguaçu daqui a dois anos.
Ducci, como sempre, usa Richa

Luciano Ducci, como tem sido comum durante a campanha, valorizou o papel de Richa, seu padrinho político. Em sua primeira intervenção, ao replicar Fruet sobre segurança pública, falou em contratação de policiais militares !“ atribuição do governo do estado. Depois, disse que juntos, poderão fazer muito mais!, em referência à  sua parceria com o governador.

Curitiba é a capital que mais reduziu pobreza e miséria no Brasil!, garantiu Ducci, citando um dos orgulhos de sua gestão. Mas, do nanico Carlos Moraes (PRTB), teve de ouvir que a cidade é a capital com mais moradores de rua (4 mil pessoas, segundo ele).

Algumas vezes, Ducci resgatou temas de perguntas (e até de blocos) anteriores, o que pode ter causado certa confusão entre os telespectadores. Não foi o único a fazê-lo, porém. O pouco espaço deixado para intervenções dos candidatos fez com que inúmeras vezes a mediadora, a jornalista Salete Lemos, interrompesse os oradores.

Na volta do terceiro bloco, o prefeito aproveitou para responder a críticas sobre o uso de potencial construtivo do município no financiamento de obras da Arena da Baixada, estádio que pertence ao Atlético Paranaense e será usado na Copa do Mundo de 2014. O assunto ainda está em discussão na Câmara Municipal. Tenho certeza de que Curitiba será a melhor sede da Copa!, afirmou.

Nas considerações finais, deu a si mesmo a oportunidade que o sorteio não lhe conferiu, e apresentou propostas para a área de saúde, um dos calcanhares de aquiles de sua administração. Mas foi genérico. Vamos avançar ainda mais!.
Pequenos se destacam com risos e citações

Com poucas chances nas pesquisas, Rafael Greca (PMDB), Bruno Meirinho (PSOL) e Carlos Moraes (PRTB) protagonizaram alguns dos melhores momentos do debate.

Greca abusou de citações !“ do poeta Emílio de Menezes ao ex-primeiro ministro britânico Winston Churchill. Em dado momento, fez uma pergunta generosa ao socialista Meirinho !“ algo impensável alguns anos atrás para um ex-filiado ao PFL, partido pelo qual foi ministro do Turismo no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Moraes, que é radialista, mostrou desconhecer as regras do debate. Por mais de uma vez, interrompeu a mediadora para perguntar o que deveria fazer. Teve, porém, seu grande momento ante Luciano Ducci, quando o prefeito prometia estender a Linha Verde (obra de transformação do trecho urbano da BR-116 em avenida) até Fazenda Rio Grande, na região metropolitana.

[Para isso] Vamos precisar dar cinco mandatos a ele!, disse. O próprio Ducci, captado pelas câmeras, não conseguiu conter o riso.

Já Meirinho foi mais discreto. Abusou de frases longas e, em seu pronunciamento final, citou o poeta russo Vladimir Maiakovski.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Vai atacar o que? Os 300 mil dele?

  2. De novo Ducci decepcionou todo mundo, principalmente seus eleitores.

  3. Assisti o debate, e o menos experiente me pareceu foi Luciano Ducci, Sem firmeza, acho que sentiu falta do Beto, gaguejou numa demonstração de insegurança. Gostei do Rafael, com sua demonstração de “amor” por Curitiba e bom orador monstrou segurança em suas propostas. Porém, o melhor foi sem dúvida o Gustavo, firme, não fez marolas propondo o que é possível fazer para melhorar a cidade, sem propostas desesperadoras como as que o Luciano está fazendo e se repetem como uma disputa entre ele e Ratinho, numa demonstração de quem é capaz de prometer mais. Penso que o Gustavo até pela sua história de vida e combate aos corruptos tanto em Brasília quanto em Curitiba e pala maturidade política crescerá na preferencia das pessoas que analisam os candidatos. E amis, ele tem a Estrela da Mirian Gonçalves.

  4. ASSISTI O DEBATE, COMO FICA EVIDENTE QUE O ATUAL PREFEITO NÃO TEM PULSO, SEMPRE NA DEPENDE DO GOVERNADOR RICHA E DE SEUS FAMILIARES ( SENHORA FERNANDA, DO FILHO QUE ERA OU É SEU SECRETÁRIO MUNICIPAL E DO IRMÃO DO GOVERNADOR E OS CARGOS EM COMISSÃO ESTADUAIS E MUNICIPAIS).
    O GUSTAVO, INFELIZMENTE PERDIDO, ESTOU DECEPCIONADO, POR ISSO ESTOU REVENDO MEU VOTO E DA FAMÍLIA.