Zé Dirceu é inocente?

Dirceu ganha camisa no II Congresso Nacional da Juventude do PT.

Daqui a pouco, a partir das 14 horas, o Supremo Tribunal Federal (STF) começará a ouvir a defesa dos réus no julgamento chamado pela mídia como “mensalão”.

O advogado José Luís Oliveira Lima, que defende o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, será o primeiro a falar.

Ao todo, são 38 réus que serão julgados pelos ministros do STF.

Afinal, caro leitor, Zé Dirceu é culpado ou inocente nessa trama?

Os petistas dizem que esse negócio de mensalão é invenção do ex-presidente FHC, que abriu as burras do erário para aprovar a sua reeleição em 1998. Também atribuem o valerioduto ao PSDB mineiro.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Caro BolesÅ‚aw : Este texto do André Araújo que você colocou confirma o que eu escrevi ontem,mas não exime o Zé Dirceu da culpa de tentar se aproveitar deste sistema em prol da sua própria ambição e vaidade.Obviamente,os anti lulistas,agrupados,tentarão explorar ao máximo o episódio para desconstruir a imagem do PT.

  2. Só faltou o advogado do Zé lançar a campanha para canonizar o anjo.

  3. Copiei do Blogue do Sebastiani…

    Sylvio que comentarista político é vc?6 de agosto de 2012 09:08

    A história dos movimentos de composição de apoio parlamentar.

    Por André Araújo

    MENSALÃO, UM CASO DE HIPOCRISIA POLITICA – Movimentos para constituição de base de apoio parlamentar ao Governo existem no Brasil desde o Império sob diversas roupagens e formulas.

    As Presidências de Getúlio Vargas em 1950, de Jânio Quadros em 1960 e de João Goulart em 1961 sofreram da mesma doença mortal da falta de base parlamentar que os levou a trágico fim.

    A Presidência JK soube se compor com altos custos e sobreviveu, com dificuldades, ao processo de contestação parlamentar que nunca se deu em nenhum caso em torno de programas e ideias e sim em função de verbas e cargos. O ponto de partida é a desfuncionalidade do sistema politico brasileiro que vem desde muito tempo e é a causa de instabilidade quase que permanente, só sanável por mecanismo de cooptação, dos quais o “”mensalão”” é apenas um deles, sem o que o Presidente não governa o Pais e passa todo o seu mandato resolvendo crises sucessivas gerados pelos “”sócios””.

    A partir da Nova Republica o nome desse movimento era “”Centrão”” ajustado em torno de cargos e verbas, no Governo FHC foi mais discreto pois requereu operação similar, no Governo do PT fez-se uma variante.

    O problema é a imperfeição do sistema politico e não o remédio tentando mante-lo vivo.

    É uma enorme hipocrisia combater o remédio que é o mecanismo de cooptação parlamentar e não a doença, que a disfunção secular do sistema politico brasileiro que exige esse tipo de remédio que não cura a doença mas controla a febre.

    A imprensa, o Ministério Publico e a oposição não gastaram com a doença 1% do tempo, da energia e da indignação que gastaram com o remédio e com tentativas de imolação para aplacar os deuses.

    A peça acusatória do MP prega um discurso moralista como se o Brasil fosse a Finlândia e os acontecimentos narrados fossem nunca dantes vistos. Todos fingem que o Brasil é um mosteiro de apóstolos e que a turma do “Mensalão” surgiu das profundezas do inferno para macular a pureza da politica brasileira, chocada com tala desfaçatez, como se todos não fossem parceiros do butim.

    É o apogeu da hipocrisia, a cooptação é uma necessidade do paciente, que é o Brasil, sem o qual esse Pais é ingovernavel. Para evitar o remédio tem-se que curar a doença, que é o excesso de partidos, o caciquismo que vira dono de cada partido, a politica como meio de vida desde os 18 anos, com netos e filhos de políticos perpetuando dinastias, é a profissionalização do uso de cargos para enriquecer, é a campanha politica como negocio rendoso, um conjunto de praticas que pode-se denominar “”a comilança””, que suga metade da arrecadação fiscal, se não for mais, tal qual os nobres de Versalhes sugavam a França para manter seu ócio.

    Os delitos do “Mensalão”, se os houve, não são corrupção para fins pessoais, foram mais um mecanismo de cooptação para tentar alguma governabilidade e devem se analisados dentro desse contexto e não como crime de quadrilha, todos sabem disso e fingem que não sabem, é o velho espirito da Inquisição ibérica baixando de novo, queimava-se um qualquer, pego por alegado crime de bruxaria, para preservar mil outros iguais ou piores.

    O ridículo é achar que o Brasil vai ser reformado ou passado a limpo com esse Auto-da-Fé..

    Todos sabem que não vai, nem vai diminuir um milésimo a corrupção no varejo e no atacado, que é inerente do sistema politico ai posto para isso mesmo e que ninguém propõe mudar para melhorar, não há nenhum projeto sequer cogitado para eliminar a aberração de vinte senadores sem um único voto, suplentes por parentesco, compadrio ou sociedade, um dos eixos da corrupta politica brasileira.

    O processo do “Mensalão” e sua acusação de cinco horas servem para isso mesmo, cenas de efeitos especiais para deixar tudo como está porque ninguém cogita mudar coisa alguma.

  4. Acredito que este artifício do executivo pagar pelo voto dos parlamentares é um costume bem antigo,deve vir desde o pré-getulismo.E este hábito está arraigado nos níveis federal,estadual e municipal,quiçá nos clubes e condomínios de todo o Brasil. Tenho convicção que este “jeitinho” aperfeiçoou-se e profissionalizou-se nos tempos do tucanato privatista,em que muitos ítens da lei foram moldados de acordo com interesses de corporações,por exemplo,emenda da reeleição e venda da copel,só para citar dois casos mais notórios.O Sr. Zé Dirceu,ao chegar ao poder,em vez de desbaratar o esquema,cooptou muitos partícipes das fraudes,pensando em capitalizar-se política e financeiramente,para suceder ao Lula.A começar com o Waldomiro Diniz,operador do trambique mais lucrativo criado pelos tucanos:loterias da caixa,fonte abundante de recursos irrastreáveis.Muita gente percebeu e tratou de cortar o barato do Zé Dirceu,o Roberto Jefferson foi o que apareceu,mas diversas pessoas,que nós mortais nem imaginamos, tramaram,com sucesso,a queda do ex guerrilheiro.Se não,ele estaria aí,no lugar da Dilma.

  5. se o zé dirceu é inocente o leão lobo é o maior machão do brasil.

  6. e ze dirce o kamel é o decimo segundo ministro do stf. voce tá no bico do corvo, e dos tucanos..