Por Esmael Morais

Sob pressão, Richa assina aumento para professores; categoria critica gestão da SEED

Publicado em 29/08/2012

* Parte da categoria defende radicalização do movimento de amanhã para que governo tucano cumpra pontos acordados

Beto Richa (PSDB).

Temendo uma greve dos professores da rede pública estadual, o governador Beto Richa (PSDB) enviou hoje à s pressas mensagem à  Assembleia Legislativa do Paraná propondo reajuste de 19,55% à  categoria. Os obedientes deputados, que sempre dizem amém ao tucano, aprovaram-na em duas votações.

O reajuste autorizado corresponde à  diferença necessária para o cumprimento da Lei do Piso Salarial Profissional Nacional !“ que é de R$ 1.451 !“, que o governo do estado havia se comprometido a pagar, mas vinha enrolando os professores havia seis meses.

Embora Richa tenha assinado o reajuste, amanhã, quinta-feira (30), educadores de todo o Paraná prometem fazer barulho em frente ao Palácio Iguaçu. Parte da categoria critica a gestão da Secretaria de Estado da Educação (SEED), que é conduzida pelo vice-governador Flávio Arns (PSDB) e pela superintendente da pasta e secretária de fato Meroujy Cavet.

Os funcionários de escola reivindicavam aumento de 8,59%, mas tiveram que se contentar com apenas 3,54%, ou seja, eles chegaram ao piso salário mínimo regional.

Ontem, professores da UFPR divulgaram um veemente manifesto criticando as explicações da superintendente para a queda do IDEB do Paraná. Os mestres afirmam que os gestores da SEED não entendem nada de educação pública!.

Após a passeata, à s 14h30, a categoria deverá realizar uma assembleia geral na sede do Paraná Clube (Av. Kennedy). Dentre os professores, há quem queira radicalizar propondo aulas de 30 minutos até o governo sancionar outras pautas já acordadas e não cumpridas: 1) 33% da hora-atividade; Lei do Piso retroativo a janeiro de 2012; dobra do padrão; e PDE.