Governo do PR tenta roubar! bom desempenho dos municípios no Ideb

Paulo Mac Donald.

Os leitores deste blog souberam há pelo menos 40 dias que o desempenho da Educação paranaense no Ideb (àndice de Desenvolvimento da Educação Básica) 2011, sob a batuta do secretário e vice-governador Flávio Arns (PSDB) e da superintendente Meroujy Cavet, seria um fiasco capaz de envergonhar a todos os cidadãos do estado.

O desempenho do Paraná no ensino fundamental, séries finais, caiu de 4,1 para 4,0 entre os anos 2009 e 2011.

No ensino médio, a vergonha se repetiu: o Ideb caiu de 3,9 para 3,7 !“ também no mesmo período.

O resultado Ideb 2011, já é reflexo da gestão Beto Richa, pois as notas conquistadas no governo anterior, de Roberto Requião e Orlando Pessuti, vinham em ritmo de crescimento. Portanto, houve uma interrupção das políticas educacionais de outrora e o resultado divulgado ontem traduz o conjunto da obra! do atual governo.

Dito isto, chama a atenção que o Governo do Paraná, através da Secretaria de Estado da Educação (SEED), esteja tentando roubar! o bom desempenho dos municípios no Ideb.

As séries iniciais do ensino fundamental, responsabilidade plena dos municípios, mantiveram o índice de 2009, que era de 5,2.

O desempenho dos municípios nada tem a ver com a intervenção da SEED/Governo do Paraná na área.

Em Foz do Iguaçu, no Oeste, a educação pilotada pelo prefeito Paulo Mac Donald (PDT), por exemplo, teve a melhor nota do país. Esse desempenho ajudou puxar a nota geral paranaense (soma das escolas das redes pública e privada).

A nota do município iguaçuense no Ideb subiu de 6,2 para 7,0, ultrapassando a meta estipulada para 2021, que é de 6,3. Das 10 melhores escolas do Brasil, ressalte-se, três são de Foz. A Escola Santa Rita de Cássia obteve a nota 8,6 na avaliação, a mais alta do país.

O Estado do Paraná precisa fazer uma revisão geral e completa na educação. Essa queda não se justifica, pois, sem recebermos um centavo do governo estadual, estamos fazendo o melhor ensino do país. O governo Richa precisa de uma estratégia. Nós, por exemplo, colocamos ar condicionado em todas as salas de aula e investimos pesado na formação continuada dos professores. O resultado está aí para coroar o nosso trabalho!, disse o prefeito de Foz do Iguaçu, Paulo Mac Donald.

São os próprios municípios que fazem o planejamento no PAR (Plano de Ações Articuladas), do Ministério da Educação (MEC), onde são apontadas as deficiências na educação básica, e o governo federal injeta os recursos necessários para cumprir as metas estabelecidas. Sem a participação do governo do estado, portanto. O dinheiro sai do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

Como se vê, o governo do PSDB tenta roubar! o excelente desempenho dos municípios no Ideb. Nunca é demais lembrar que esse governo sonegou recursos estaduais até mesmo para o transporte escolar. Por outro lado, a SEED sucateia a “memória técnica” da Educação e, diante desse fiasco, tenta pegar uma carona no sucesso das políticas públicas do governo federal na área educacional. à‰ isso. O resto é firula.

10 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Em Paranaguá a realidade é bem complicada, as crianças vem analfabetas para o 6° ano, apesar dos professores arregaçarem as mangas e muito! não se faz milagre sem investimento, planejamento e metas por parte da administração municipal e estadual!

  2. A grande maioria dos municípios adotam o Ciclo Básico, onde praticamente não existe reprovação nem evasão, como o IDEB é calculado levando em conta a nota da Prova Brasil, a aprovação e a evasão escolar, a nota é aumentada artificialmente. Entretanto, muitos alunos são aprovados sem adquirirem os conhecimentos e habilidades necessários na série seguinte. Conversando com as professoras que trabalham nas escolas estaduais nas turmas de 6º ano, percebe-se que elas recebem os alunos do município em condições precárias, não possuem hábito de estudo, não realizam as 4 operações matemáticas, apresentam dificuldades na leitura e na escrita e, com raras exceções apresentam grandes dificuldades para interpretar e produzir textos. É óbvio que não se pode generalizar, porém, a grande maioria dos alunos chegam nas escolas estaduais nessas condições.
    Em relação ao governo Richa, é quase unanimidade entre os profissionais que a educação pública estadual piorou neste governo, pois ele fica apenas no discurso (promessas), alguns já utilizam o termo: mentiras.

    • Exatamente. Depois que fiquei sabendo que evasão escolar e índice de aprovação entram no tal ideb não dou nenhum crédito. Completamente manipulável.

    • Concordo com o Marcelo, recebemos alunos sem as mínimas condições de frequentarem um 6º ano, pois não dominam o básico, são alunos que vão sendo “empurrados”, de um ano para outro e que caem em nossas mãos nessas condições.

      • Puxa, que pena, não sei de que cidade infeliz vocês são, porque em Foz – nas escola municipais, é claro – não precisamos que manipulem notas. Há muito trabalho e comprometimento dos professores além de investimento, planejamento e estabelecimento e metas por parte da administração municipal que proporciona condições de trabalho ideais aos educadores. Como posso falar isso? Ah, claro. É que sou professora municipal e posso falar com conhecimento de causa que temos tudo isso. E mais, é preciso que as pessoas se informem melhor antes de publicar baboseiras: Índices de aprovação e reprovação não definem a nota do IDEB, este é apenas um dos aspectos que a compõe. E depois, não adianta passar aluno sem saber num ano, pois ele será o aluno da próxima Prova Brasil, e prejudicaria a escola de qualquer maneira, o que prova que este é um raciocínio muito burro. Os professores do estado precisam é arregaçar as mangas como nós estamos fazendo e começar a ensinar a meninada, pois tem escola que troca nota até por pizza e doação de livro. Isso é que é ensino heim!

  3. no tenpo do mauricio era diferente , so porque era irmao do governador tiraram ele.

  4. O que esperar de gente, que transformou o jornal da secretaria em livro de receitas?

    Elles que vão cozinhar no programa da Ana Maria Braga!!!

  5. Com o péssimo português falado no Paraná surpreende muito a posição do estado nesse IDEB. É até inacreditável que as crianças e adolescentes deste nosso Paraná, que, assim como seus pais, tios, vizinhos, etc., maltratam tanto o vernáculo no dia a dia, se saiam razoavelmente bem nessa avaliação. Acho que tem muita gente passando de ano por aqui…

  6. Sem comentários. Não tem mais o que falar diante dos fatos. Governo que gata mais em marketing pessoal do que investe em projetos de desenvolvimento sustentável é medíocre e pequeno que necessita se afirmar a todo custo.