Eleitor terá 12 chances para identificar digital na urna biométrica

da Agência Brasil
Cerca de 1,5 mil eleitores participaram de uma simulação com as urnas biométricas na capital, o equivalente a 26,5% dos 5,9 mil convidados por correspondência pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Paraná para participar do teste no último fim de semana. Dos participantes, 78 pessoas (8%) não tiveram as impressões digitais reconhecidas pelo equipamento.

A fonoaudióloga Edna dos Anjos, de 64 anos, teve a impressão digital reconhecida depois de 12 tentativas. “Sou uma mulher invisível”, brincou ela dirigindo-se aos mesários. “Tenho a pele dos dedos muito fina. Trabalhei muito com pintura de quadros, usava muito solvente para limpar as mãos”, contou a fonoaudióloga, que enfrentou dificuldades para renovar a carteira de motorista no Departamento de Trânsito (Detran) do Paraná.

Os mesários das cidades que utilizarão as urnas biométricas nas eleições deste ano farão até 12 tentativas de identificação do eleitor !“ três em cada dedo polegar e indicador, de ambas as mãos. Se não houver sucesso, o eleitor terá que ser identificado por meio de um documento oficial com foto.

“A ideia é acelerar a eleição, esperamos um processo de votação mais rápido”, disse o presidente do TRE do Paraná, desembargador Rogério Kanayama. “Estamos observando dificuldade na identificação das digitais das pessoas de maior idade.”

Kanayama lembrou que as seções eleitorais terão álcool em gel e lenços umedecidos disponíveis aos eleitores, itens que tendem a facilitar o funcionamento do leitor biométrico acoplado à  urna eletrônica. “De qualquer forma, recomendamos que as pessoas levem seus documentos de identidade para votar. Se não for possível a leitura [das digitais], elas votarão no sistema tradicional, com a apresentação de documentos.”

O médico veterinário Bernardo Mansur Shimaleski, de 25 anos, teve sua digital identificada após nove tentativas. “Demorou um pouco, imaginei que fosse mais rápido”, disse o veterinário. A professora Marlene Hoffmann, de 65 anos, teve mais sorte, pois sua impressão digital foi identificada na primeira tentativa. “Essa medida vai ajudar a combater as fraudes”, disse.

O servidor público Gérson Koch, de 61 anos, também não teve dificuldades para ser identificado. “à‰ perfeito. Ninguém vai poder votar no lugar de outra pessoa”, avaliou Koch. “Isso poderia ainda permitir o voto em trânsito, em qualquer lugar.”

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Os mesários das cidades que utilizarão as urnas biométricas nas eleições deste ano farão até(12) tentativas…

    12 tentativas isto tem alguma relação com o PDT/Fruet,
    A oposição já vai entrar como uma ação.

  2. DESDE 2000 ACONTECE ISSO USAM A COTRANS, É MUITO FÁCIL DE MANIPULAR O PAGAMENTO COM A MÁQUINA PÚBLICA. TÁ DIFICIL DE DESMAMAR, O DEROSSO LARGOU O OSSO E VC BETINHO VAI LARGAR QUANDO DA BARROSA?

  3. essa eleição vai formar filas quilometricas.

  4. ninguém está registrando com fotos as kombis e outros carros que estão circulando pela cidade com a bandeira do Luciano e nitidamente dá para ver que foram retirados os adesivos da COTRANS e M de Curitiba???

    A coisa está apelativa demais………

    • registre voce então. e tente provar que sabe oque está falando, e oque você está falando é a verdade !