TV, internet e conversas com amigos ajudam eleitor de grandes cidades a decidir voto

da Agência Brasil

Luciano Ducci (PSB), Rafael Greca (PMDB), Ratinho Jr (PSC) e Gustavo Fruet (PDT). Ilustrações: Gilberto Yamamoto (Gazeta do Povo).

A televisão continua como carro-chefe na disputa pelo voto dos eleitores, seja por meio da coberturas dos telejornais e de debates entre os candidatos ou pela propaganda eleitoral gratuita, que é veiculada também pelas emissoras de rádio. O uso de ferramentas da internet, principalmente as redes sociais, vem crescendo, mas existem eleitores que, mesmo morando em grandes cidades, como o Rio de Janeiro e Curitiba, não dispensam a conversa com amigos para formar opinião sobre os candidatos e escolher aquele que terá seu voto.

Eleitores ouvidos pela Agência Brasil sobre como se informam sobre o processo eleitoral manifestaram também desinteresse e decepção com os políticos. O vigilante Marcos Gomes de Oliveira, morador de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, por exemplo, diz que sempre desliga a televisão quando começa o horário da propaganda eleitoral gratuita.

Celso de Freitas Rodrigues, de São João do Meriti, também no Rio de Janeiro, porém, procura se informar sempre pelo rádio e pela televisão. Procuro sempre me espelhar nos candidatos ficha-limpa, saber quais as condições [de melhoria] eles pretendem trazer paras as pessoas e o que podem fazer pela minha comunidade, pela região onde eu moro.!

Entre os que não dispensam o papo com os amigos antes de escolher o candidato estão o ajudante de masseiro Luiz Henrique Ferreira e a advogada Fernanda Alemberque, do Rio de Janeiro. Eles ressaltam, porém, que gostam de assistir aos programas eleitorais para analisar as propostas de cada um.

Em Curitiba, a televisão por si só não define a escolha do canditato, conforme relataram alguns eleitores ouvidos pela ABr. O cientista social e funcionário público Rodrigo Kraemer diz que nas eleições para prefeito e vereador geralmente vota na legenda.

A vigilante Dolores Andrade, também moradora na capital paranaense, porém, admite que indicacações de pessoas conhecidas! têm peso na sua escolha. O aposentado Nelson Rocha de Souza dá preferência aos candidatos mais coerentes! e diz que, para isso, acompanha o noticiário politico nos jornais, telejornais e assiste aos debates dos candidatos na TV. .

A internet é o meio escolhido pelo médico Mário Lobato da Costa para embasar sua escolha. Segundo Costa, as redes sociais permitem obter informações que “não são filtradas ou manipuladas pela grande mídia”.

Entre os curitibanos, há muitos eleitores descrentes ou decepcionados com os políticos, como o pipoqueiro José Altamir Frutuoso. No ano passado, estraguei meu voto: descobri que o meu candidato, depois de eleito, era racista.”

O gari Saulo da Silva mostra-se ainda mais descrente: “Político? Só dá ladrão. Eu voto nulo, sempre votei nulo, não adianta escolher.” Também desiludida com os candidatos, a auxiliar de cozinha Sueli Cordeiro já decidiu que votará em branco na eleição de 7 de outubro deste ano. Se não votar em branco, Sueli diz que simplesmente não comparecerá à  zona eleitoral para escolher seus candidatos a prefeito e a vereador.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O velho “boca a boca” ainda funciona nas eleições,principalmente pra vereador.

  2. DO LUCIANO ducci quando me perguntam só falo a verdade, que o governo dele é péssimo principalmente na saúde , e que teve vários escândalos como da consilux por exemplo e que ele optou em mandar 7 pais família embora sem motivo nenhum apenas para atender um capricho da rosangela maria battistella que estacionou na vaga de idoso em dia de chuva e que liberou sua conhecida do guincho.

  3. Grande parte do eleitorado curitibano sabe bem de que lado está,desde outras eleições.Talvez não saiba bem porque,mas sabe bem em que perfil se enquadra,a saber:Lulopetista ou antilulopetista;Requianista ou antirequiânico.Nas classes menos abastadas das periferias,que são maioria,os radialistas são os grandes formadores de opinião,lá onde a internet ainda não chegou com força os homens do rádio abusam da autopromoção o ano inteiro.

  4. o greca ganha dessa piasada ;mas no peso pesado..

  5. Esmael, veja essa noticia de hj cedo do Jornal Correio do Povo do RS:
    http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=446938
    Ah se o Paraná tivesse um governador assim ne?