Reitoria da UFPR continua ocupada pelos estudantes

‘Não saímos sem negociação’, diz estudante que ocupa reitoria da UFPR

por Aline Lamas, do G1 PR

Fotos do blog “Naluta.net”. Clique na imagem para obter mais informações sobre a ocupação.

O grupo de estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) que ocupa a reitoria da instituição, desde a noite de terça-feira (3), não deixará o prédio enquanto as reivindicações dos alunos não forem atendidas. Os servidores que trabalham no local estão impedidos de entrar e os departamentos que funcionam no edifício tiveram os serviços paralisados.

A decisão de manter a ocupação é uma resposta ao posicionamento da administração da universidade que se recusa a manter as negociações diante da mobilização. A gente mantêm ocupado, até que a reitoria negocie!, afirmou a representante do Comando Local de Greve, que pediu para não ter o nome divulgado.

As reivindicações incluem: aumento da quantidade e valor das bolsas de estudos; acesso gratuito a cursos de línguas para todos os estudantes; aumento do acervo de livros; fim dos espaços privados dentro da universidade; e creche para mães estudantes.

Os universitários não informaram quantos alunos estão dormindo no edifício. Essa informação é confidencial!, justificou a estudante. Durante as últimas horas, eles equiparam a reitoria com colchões, sacos de dormir e cobertores. Cartazes com palavras de ordem foram colados nas janelas, para dar privacidade aos ocupantes.

Segundo o comando local de greve, todos os equipamentos e móveis do prédio serão preservados. Justamente por estarem em protesto em defesa do que é público, os estudantes prezam pelo patrimônio público!, assegurou a aluna. A ocupação foi definida em assembleia, realizada na terça, com a participação de 100 estudantes, segundo a universidade. Já o comando local de greve, afirma que foram 300.

Repúdio

Em nota, divulgada nesta quinta-feira (5), o Diretório Central dos Estudantes (DCE) condenou a medida, que considera tendenciosa, precipitada e antidemocrática. Há falta de transparência nos atos dos membros da ocupação, como por exemplo o encobrimento das janelas do prédio da administração e cerceamento ao acesso até mesmo para estudantes!, afirma o texto.

Para o DCE, a ocupação não é legítima, pois não representa a vontade dos alunos da instituição. A decisão de ocupar a reitoria foi tomada à s pressas, sem uma consulta efetiva aos estudantes. Um fato que nos deixa descontentes é o impedimento da liberdade de expressão que vem ocorrendo sistematicamente nas assembleias estudantis!, relata a nota.

Ruptura

Já a administração da universidade afirmou que mantém a decisão de só retomar as negociações com os alunos após a liberação do prédio. Eles romperam a negociação. Nós gastamos horas e horas discutindo cada um dos 31 pontos da pauta deles. Mas, quando estávamos no vigésimo quinto, eles simplesmente se retiraram e entraram na reitoria.!, afirmou a pró-reitora de Graduação, Maria Amélia Zainko.

Apesar da indignação, a UFPR não irá tomar nenhuma medida de confronto com os estudantes. Continuamos dispostos a dialogar e repudiamos qualquer ato de força!, garantiu a pró-reitora.

Comentários encerrados.