Problemas com 3G faz com que smartphone fique “burro”, diz ministro Paulo Bernardo

da Folha.com

Ministro Paulo Bernardo.
O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) disse nesta segunda-feira (23) que os problemas das operadoras em manter a rede 3G funcionando faz com que o dono de um smartphone tenha, na verdade, um telefone “burro”.

Bernardo mais uma vez defendeu a decisão da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) de suspender as vendas de três das maiores operadoras do país –TIM, Claro e Oi– e contou que vem, pessoalmente, enfrentando problemas técnicos durante ligações ou navegação na internet pela rede móvel.

Segundo o ministro, que é cliente TIM, ele não conseguiu conectar à  rede 3G da empresa no Distrito Federal ao voltar de uma viagem internacional na sexta.

“O dia todo não pegava a rede 3G em Brasília. Então, nós não estamos querendo personalizar, demonizar a empresa, mas as deficiências estão saltando aos olhos”, disse.

TIM ENTRA NA JUSTIà‡A

Para o ministro, a decisão da TIM em recorrer à  Justiça para suspender a decisão da Anatel foi válida, mas o juiz soube entender o posicionamento da agência e os motivos que levaram à  interrupção das vendas.

“Esse é o direito de qualquer pessoa, física ou jurídica. Não podemos condenar ninguém porque entrou na Justiça. Ela optou por esse caminho, mas isso não vai impedir que haja diálogo”, disse.

Hoje, a 4!ª Vara Federal negou liminar à  TIM e garantiu que a regra da Anatel fosse aplicada.

Assim, a empresa continua impedida de comercializar em 18 Estados e no Distrito Federal até que apresente um plano de metas para qualidade e investimentos em infraestrutura que seja aprovado da agência.

CONHECIMENTO GERAL

O ministro disse as interrupções e as dificuldades em completar chamadas pela TIM são de conhecimento geral. O problema estaria, inclusive, fazendo com que pessoas o parassem na rua para comentar os problemas que enfrentam com a operadora.

“Não temos nada contra a TIM, a não ser nesse momento, que a qualidade não esta no nível mínimo”, disse.

Comments are closed.