Cláudio Fajardo, vice do PPL, desabafa: “Sou um revolucionário! Não sou um bosta”

Cláudio Fajardo sai em defesa da bandeira do PPL. Foto: reprodução Facebook.

Recebi o e-mail que reproduzo abaixo do candidato a vice-prefeito de Curitiba, Cláudio Fajardo, do PPL, no qual ele rebate três comentários de leitores.

“Sou um revolucionário! Não sou um bosta como esses que fizeram esses infelizes comentários”, desabafa o vice da chapa de Alzimara Bacellar.

Leia a íntegra da missiva do PPL:

“Caro Esmael,

Seu blog tem contribuído muito para a informação sobre a nossa política. Sei que você já foi perseguido por publicar críticas ao atual governador. Na ocasião, manifestei publicamente minha solidariedade. Agora, nesta eleição municipal, você tem publicado notícias sobre todas as candidaturas. Trata-as de modo democrático.

Mas, o que me faz escrever não é o que você noticiou sobre a candidatura da Alzimara a prefeita e a minha como vice pelo PPL. Sua notícia foi profissional. Todavia, há três comentários que não são nem elogiosos e nem tampouco representam a verdade. São ofensivos apenas.

Reproduzo-os abaixo e a seguir minha resposta. Peço a gentileza de publicá-los para restabelecer a verdade. Obrigado.

1. Comentários: The Observer – julho 7, 2012 à s 12:00
Novo aparelho turbo! instalado na bengala do vice Fajardo! Vão ele e
a prefeita montados em cima da bengala voadora, no melhor estilo Harry Potter jogando Quadribol!!!

2. José Andrade – julho 7, 2012 à s 15:08
Essa arrancada vai ser pior que a do Rubinho!¦
à‰ partido demais!¦

3. 2 PILANTRAS QUE ERAM PMDB – julho 7, 2012 à s 19:54
Esses 2 pilantras mamaram na teta do PMDB em cargos no Governo Requião e agora estão montando este partido de aluguel para no 2 turno conseguirem um carguinho e continuarem não fazendo nada.
Tem que levar um pé na bunda esses panacas”

Em primeiro lugar deve-se notar que se escondem atrás de pseudônimos.

Agora quanto a nossa militância no PMDB: é verdade que militamos no
PMDB. Militamos durante décadas. Não somente quando estava no poder, militamos muito tempo quando o PMDB estava na oposição e os cargos que se apresentavam na época eram os de excluídos e, à s vezes até presos, como ocorreu comigo. Posteriormente, quando o PMDB ganhou as eleições houve períodos em que ocupei cargos sim, e outros não. Eu fui professor universitário durante um quarto de século.

Portanto, nunca desfrutei das prebendas do poder, sempre quando ocupei cargos fui decente e admirado por todos que me conhecem e não são maldosos. Eu e a Alzimara saímos do PMDB para fundar o PPL, Partido Pátria Livre, que é sucedâneo do MR-8. Estamos aptos a concorrer a eleições desde outubro do ano passada, quando obtivemos registro definitivo. Não somos um partido de aluguel. Temos uma trajetória de lutas que esses anônimos! sequer imaginam. Não somos covardes como eles. Quando fomos clandestinos, foi para proteger nossas vidas e nossas lutas. Eles se escondem atrás de pseudônimos por covardia. São covardes escondidos.

Por último, digo a quem quiser saber que não pleiteio cargo algum. Sou aposentado por invalidez e não posso ter outra fonte de renda senão perco a minha pensão do INSS. Sou candidato a vice e me sinto honrado em compor a chapa com Alzimara, essa lutadora. Aceitei a incumbência apesar da precariedade da minha saúde. Sou um revolucionário! Não sou um bosta como esses que fizeram esses infelizes comentários.”

Comentários encerrados.