Governo gaúcho anuncia estatal de pedágio. No Paraná, oposição diz: “ou abaixa ou estatiza”

* “No Paraná, ou abaixa ou estatiza o pedágio”, prega Welter

Deputado Elton Welter.

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa um projeto criando a primeira estatal do país para explorar pedágios “comunitários nas rodovias” do estado.

O petista avisou à s concessionárias privadas que exploram as rodovias gaúchas que não vai renovar os contratos, que vencem no ano que vem.

A arrecadação com o pedágio comunitário será investida em melhoria das próprias rodovias.

No Paraná, o deputado Elton Welter (PT), líder da oposição na Assembleia, gostou do modelo gaúcho. Ele integra um grupo comandado pelo Crea que quer revisar os contratos com as concessionárias.

“Ou abaixa ou estatiza o pedágio”, disse o deputado petista, referindo-se ao modelo do Rio Grande do Sul.

Ontem, Welter voltou a pedir uma auditoria nos contratos e nos balanços das empresas concessionárias das rodovias paranaenses, bem como uma imediata renegociação das tarifas do pedágio.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O Beto pode Richatizar, quer dizer, se for pra creditar na conta dele, ele faz…

  2. É PráKáBá
    Só pode ser piada (ou seria demagogia mesmo) deste Deputado Suplente!

    Passamos 8 anos ouvindo o ReYquião e o PT (que compunha o governo) dizendo: ou abaixa ou acaba. O que vimos foi o Governo autorizando concessionária a deixar de fazer obras caras e previstas nos contratos de concessão.

  3. “Ou abaixa ou acaba” já vimos esse filme. Se o Requião não conseguiu em 8 anos, será que o Richa consegue?… estatizar?????

  4. Tem razão o deputado, a mais recente tragédia ocorrida na BR 277, onde morreram 15 pessoas, seus usuários pagam pedágio desde 1997 ( a 15 anos) e ainda possui pista simples, o que é totalmente inaceitável e inexplicável. E o nosso governador não está nem aí.