Bancarrota: Espanha pede ajuda financeira de € 100 bi a zona do euro

da Folha.com, via agências

O ministro de Finanças da Espanha, Luis de Guindos, pediu neste sábado ajuda financeira à  zona do euro para fazer o resgate aos bancos do país, em entrevista coletiva após a reunião do grupo de ministros da área econômica em videoconferência.

Guindos afirma que as condições e as taxas de juros serão “favoráveis” e que “as exigências de austeridade serão feitas apenas ao setor financeiro”, sem afetar a sociedade espanhola.

O representante do governo diz que o valor pedido é suficiente para conseguir recuperar as instituições financeiras e ter uma margem caso a crise financeira nos bancos piore. Guindos nega que a Espanha tenha pedido um resgate.

“O que se pede é um apoio financeiro e não tem nada a ver com um resgate em absoluto. Irá dirigido ao FROB [Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária] e este injetará nas entidades que o requiserem. Nem todos os bancos precisam de capitalização”.

O ministro ainda afirmou que o FMI (Fundo Monetário Internacional) prestará um apoio “estritamente de assessoramento do setor financeiro, de apoio e de implementação do programa”.

O titular das Finanças da Espanha disse que o país foi elogiado pelas medidas de austeridade e ajuste fiscal tomadas durante o governo do presidente de governo Mariano Rajoy, conseguindo o respaldo da zona do euro.

Guindos avalia que o acordo “ajudará a decolar a credibilidade da moeda única europeia”. “Hoje, o mecanismo construído é positivo para a economia espanhola e para o futuro da moeda única. As notícias que temos hoje são positivas para a economia espanhola”.

RESGATE

Mais cedo, os ministros de Finanças da zona do euro aceitaram a concessão de um resgate financeiro de até € 100 bilhões ao governo espanhol para que possa socorrer os bancos do país, de acordo com fontes das agências de notícias France Presse e Efe e o jornal “El País”

De acordo com a France Presse, a zona do euro não pedirá medidas de austeridade para a concessão do resgate.

O anúncio é feito após o FMI (Fundo Monetário Internacional) divulgar um documento na sexta-feira (8), afirmando que seriam necessários pelo menos € 40 bilhões para recuperar os bancos do país ibérico.

O resgate deverá ser autorizado pelo Fundo Europeu de Estabilidade Financeira e pelo grupo de ministros para que a verba total seja liberada. Para tanto, Madri teria que sanear as contas do setor financeiro.

Além dos ministros, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, e o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, participam da reunião.

ESTUDOS

Na manhã deste sábado, o governo espanhol informou que estava estudando em profundidade o relatório do FMI a situação dos bancos espanhóis e ouvirá na tarde deste sábado a opinião dos membros da zona do euro antes de tomar qualquer decisão sobre sua recapitalização.

Fontes do Executivo asseguraram à  agência de notícias Efe que não foi a Espanha que solicitou a teleconferência dos ministros de Economia e Finanças da zona do euro, que foi convocada pela Presidência do Eurogrupo (fórum de ministros de Finanças da zona do euro).

O encontro de ministros foi convocado após um relatório do FMI, que divulgou a avaliação inicial sobre as necessidades do setor financeiro na Espanha e apontou que as entidades mais fracas necessitam aumentar suas reservas de capital “em cerca de € 40 bilhões” (aproximadamente R$ 100 bilhões).

O documento, divulgado dois dias antes do previsto, explica que “o núcleo do setor financeiro espanhol está bem administrado e resistiria a novos choques, mas ainda existem grandes vulnerabilidades no sistema”.

O exame do FMI “não teve por objetivo estabelecer um número definitivo para as necessidades de capital, mas detectar deficiências críticas em alguns segmentos e instituições determinadas”, disse o comunicado da instituição.

“Num cenário desfavorável, os maiores bancos estariam suficientemente capitalizados para resistir a novas deteriorações, enquanto que vários bancos necessitariam aumentar suas reservas de capital em cerca de 40 bilhões em termos agregados”.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. a espanha agora que esta falida ,quer brasileiros lá.por que não respeitaram os brasileiros que de lá fora deportados. agora o orgulho espanhol virou escarnio.os europeus não sairão da crise ,se não criarem frentes de trabalho. mas ainda torço para que os espanhois conquiste uma posição melhor .de bom lá so os times de futebol ,eu acho!

  2. Até ontem eles tavam fazendo pouco caso de nós…

  3. a espanha sofreu muito com ditaduras ,é aquele negocio os saxões atrapalham o crescimento dos latinos.poderia haver outro imperio romano,mas tem que ser mais dinamico .na europa os unicos latinos que ditam alguma coisa são ,franceses ,uma parte da belgica, e nunguem mais.a italia nunca ditou nada perdeu uma guerra .mas é o berço da cevilização latina…