Presidente de Comissão Especial Anticorrupção fala em expropriação de empresa que pagar propina a político

* Inspiração veio com a aprovação da PEC do Trabalho Escravo

Deputado João Arruda.

O deputado federal João Arruda (PMDB-PR), presidente da Comissão Especial que analisa o projeto da Lei Anticorrupção na Câmara, pode propor que empresas que corrompam agentes públicos e políticos com propina sejam expropriadas.

A ideia inicial do projeto é que cooperativas de trabalhadores e sindicatos assumam o controle de empreendimentos que praticam a corrupção no país. O governo também poderá fazer parte da administração dessa espécie de reforma agrária! no mundo empresarial, caso tenha dinheiro a receber.

A empreiteira Delta, por exemplo, de Fernando Cavendish, flagrada nesse tipo de crime seria expropriada pela nova legislação. Ligada ao bicheiro Carlinhos Cachoeira, a empresa possui cerca de R$ 3,6 bilhões em contratos com governos federal, estaduais e municipais — muitos conseguidos graças ao pagamento de propina, segundo a Polícia Federal.

A inspiração para Arruda veio da aprovação, ontem à  noite, da PEC do Trabalho Escravo que permite a expropriação de áreas rurais e urbanas onde a fiscalização encontrar trabalhadores em condições análogas à  do trabalho escravo. Foram 360 votos a favor, 29 contra e 25 abstenções.

No dia do meu aniversario o Congresso da uma demonstração firme contra o trabalho escravo!”, comemorou João Arruda. Nos últimos dias o deputado tem participado de campanhas nas redes sociais pela aprovação da proposta.

A proposta de Arruda recebeu de pronto o apoio do deputado estadual paranaense Luiz Eduardo Cheida (PMDB), que o cumprimentou pelo Twitter: “Parabéns, Dep. João Arruda! Agora, vamos propor confiscar-se empresas de empresários corruptos”.

“(…) será o próximo passo, através do pl 6826, o anticorruptor!”, completou João Arruda. (Com informações de Roldão Arruda, do Estadão).

O deputado federal João Arruda, que é sobrinho do senador Roberto Requião, está cumprindo seu primeiro mandato eletivo. Antes de ingressar no PMDB era filiado no PCdoB, em 2003. No Paraná, é uma das referências ideológicas do recém-criado Partido da Pátria Livre (PPL) !“ ex- Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) — de quem é considerado um padrinho político!.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Então quem vai cuidar das empresas ? A empresa não pode ser penalisada somente a pessoa fisica .penalizar uma empresa e desapropriar é roubo ,não tem outro nome . Os deputados so fazem besteira ,por isso que semple temos o pitaco do stf! Temos leis suficientes para corrigir esses fatos de gorgeta aos politicos, propina é gorgeta ,agrado,premio mal intencionado.. por que mais leis se as que temos ,os grandes não as cumprem? Essa comissão não pençou que numa empresa corrupta trabalha pessoas do bem ,e precisa do emprego . O mundo precisa de geração de empregos ,desapropriar uma empresa com certeza vão colocar um gestor pior e depedrador do patrimonio. No caso vai ser um juiz ,promotor politico ,mas ninguem consegue manter empregos.Não entendo é o novo proletariado russo que querem implantar no brasil ? Na russia encampação das manifaturas pelo o estado não deu certo..