Greve dos professores da UFPR e da UTFPR começa nesta quinta-feira

Assembleia dos professores da UFPR (Foto: APUFPR).

Via Banda B

Os professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) entram em greve a partir desta quinta-feira (17), em uma mobilização que promete ser de professores do Brasil inteiro. A principal reivindicação categoria nacional, representada pelo sindicato Andes-SN, é a reestruturação do plano de carreira, com impacto na malha salarial dos professores que possuem uma carga horária de 20h semanais.

Os professores, tanto da UFPR quanto da UTFPR, aprovaram a entrada à  greve na última segunda-feira (14) em Assembleias Locais feitas nas universidades. Agora, os docentes de ambas as instituições devem produzir pautas locais para levar as negociações com o Governo Federal a as reitorias das instituições.

Segundo a diretora Melissa Rodrigues de Almeida da APUFPR, sindicato dos professores da UFPR, os professores entram em greve por tempo indeterminado a partir de amanhã. Nosso primeiro ato de greve será uma aula pública no pátio da Reitoria da Universidade para explicarmos a nossa adesão à  greve!, disse.

Última opção

Melissa garante que os professores fizeram todas as medidas possíveis para evitar a greve, mas que a principal reivindicação da greve de 2011 ainda não foi cumprida. Não há nenhum aceno do governo que indique que vão cumprir nossa pauta. A greve foi a saída encontrada para que possamos reivindicar os direitos dos docentes da UFPR!, garantiu.

Segundo ela, a greve do ano passado não tinha um caráter nacional, o que levou os professores da Universidade a negociarem apenas uma pauta local. Este ano temos o apoio de pelo menos 30 instituições que entraram em greve conosco a partir de amanhã!, garantiu.

Para esta quinta e para esta sexta-feira estão sendo marcadas atividades conjuntas entre professores, servidores e estudantes em pró da greve. A UFPR conta com cerca de 2.300 professores. Cerca de 40 mil alunos, entre graduação, pós-graduação, ensino técnico e ensino à  distância, devem ficar sem aulas a partir de amanhã.

Reivindicações

De acordo com o sindicato nacional, os docentes reivindicam a reestruturação da carreira. A categoria espera carreira única com incorporação das gratificações em 13 níveis remuneratórios, variação de 5% entre níveis a partir do piso para regime de 20 horas correspondente ao salário mínimo do Dieese (atualmente calculado em R$ 2.329,35), e percentuais de acréscimo relativos à  titulação e ao regime de trabalho.

Os professores também querem a valorização e melhoria das condições de trabalho dos docentes nas Universidades e Institutos Federais e atendimento das reivindicações específicas de cada instituição, a partir das pautas de elaboradas localmente.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. SOU ALUNO DA UTFPR E ESTOU TENDO AULAS NORMALMENTE.

  2. UNIR COM GUADRO GERAL DO ESTADO SO VIVE DE MERRECA REPOSICAO SALARIAL ….METADA DO SALARIO MINIMO….CADE O AUMENTO REAL…ESSE E O GOVERNADOR…