Richa se antecipa à  marcha de amanhã e anuncia “pacote” para universidades

Richa se reuniu hoje com reitores das estaduais. Foto: Kathlenn Kaefer.

O governador Beto Richa (PSDB) parece que não quer muita confusão no entorno do Palácio Iguaçu. Antecipando-se à  marcha que será promovida amanhã por estudantes e professores das universidades estaduais, o tucano anunciou hoje, durante encontro com os reitores, a formação de um grupo de trabalho para definição do plano de carreira dos docentes das instituições de ensino superior.

Segundo Richa, o grupo será composto pelas secretarias de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Educação, Fazenda e Administração, com a participação direta dos secretários estaduais, dos reitores das universidades e diretores das faculdades.

No encontro, o governador anunciou ainda a nomeação de 248 docentes, 159 profissionais para os hospitais universitários e mais 70 agentes universitários de ensino.

Apesar do “pacote” destinado à s universidades, as caravanas compostas por estudantes e professores sairão nesta noite rumo à  Curitiba. Ou seja, haverá barulho amanhã em frente ao Palácio Iguaçu.

8 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O governo já vinha negociando com os professores há tempo, mas voltou atrás no que estava sendo acordado, assim, montar mais uma comissão pode ser uma tremenda enrolação se o governo não cumprir o que for acordado. Há questões sérias a serem resolvidas, como o Plano de Carreiras Cargos e Salários dos Agentes Universitários, por exemplo. Há a questão dos cortes que não se justificam e nem se explicam, já que o governo desconsidera a população da maioria do Estado e privilegia os investimentos em Curitiba, na região metropolitana e em Ponta Grossa e esquece as demais regiões. As universidades e faculdades, pelo menos, estão espalhadas pelo Estado inteiro.
    Há também a defasagem salarial dos professores, que investiram pesado na sua capacitação e estão ganhando menos do que nas federais.
    Seriedade e respeito, senão a comissão é blá blá blá!

  2. Sempre atrasado aos fatos!!!!

  3. E o Decreto 3728/2012 que retira a folha de pagamento das IEES?

    E a readequadação salarial? E a Fundação Araucária que retirou representantes da UEM, UEL para dar vagas à PUC e à Universidade Positivo na Comissão de avaliadores?

  4. Ele é tão ridículo e sem escrúpulos, que para se redimir com a população universitária teria que criar um fundo de arrecadação fixa para contribuir com a educação no Estado do Paraná, assim como é em SP: uma porcentagem do ICMS anual arrecadado sustenta as universidades e a fundação de pesquisa (famosa FAPESP). Porém, o governador quer q tudo fique pior do que era antes e não demonstra qquer boa vontade em mudar a realidade das universidades que, no Estado do Paraná, não possuem autonomia nenhuma.
    O governador brinca no poder com a educação do estado. LAMENTÁVEL, IRRESPONSÁVEL E MAU-CARÁTER (pois não cumpre o que promete e volta atrás nos acordos firmados).

  5. Outro Grupo de Trabalho! Já houve um, que chegou a um acordo, só para os representantes do governo puxarem o tapete dos professores. O governo mente, enrola e se faz de morto na hora de cumprir seus próprios acordos – como se pode levar alguém assim a sério?

  6. O governo do Beto Richa é expert em pirotecnia midiática. Muitas luzes e barulho, nem resultado concreto.

  7. O sr governador do Paraná já fez uma comissão desta em 2011 e de tudo que foi acertado ele nada executou. Como confiar que o queo governo propoe agora não seja também apenas um ganha tempo do tipo daquele descrito várias vezes por Requião e também por Álvaro Dias com “um passa molegue”. Eu gostaria de estar totalmente enganado acerca disto, mas a dúvida é cruel, que pena.

  8. Acho que o principal motivo da Marcha Esmael não são a falta de funcionários e professores, mas sim o corte sem explicação nas verbas paras as Universidades. Muitos alunos sobrevivem das bolsas e conseguem estudar com um poco mais de dignidade por causa dela.