Gaeco cumpre mandado de busca e apreensão na CMTU, em Londrina

por Pauline Almeida, via O Diário

Gaeco investiga cancelamento de multas pelo órgão.
A Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) é o alvo de um mandado de busca e apreensão cumprido, na manhã desta quinta-feira (1!º), pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Computadores e documentos foram apreendidos pela força-tarefa montada pelo Ministério Público. Participaram da operação os promotores de Justiça, Claudio Esteves, Renato de Lima Castro e Jorge Barreto, o delegado do Gaeco, Alan Flore, e policiais.

O presidente da CMTU, André Nadai, explicou que a investigação diz respeito a possíveis cancelamentos de multas de trânsito. Ainda comentou que, na última semana, teve ciência de que dois agentes de trânsito haviam sido chamados para depor no Gaeco.

Sabendo do fato, determinou a abertura de uma sindicância para avaliar possíveis fraudes em multas nos últimos cinco anos. Nadai negou o envolvimento dos diretores da companhia no suposto esquema, mas disse que rumores de cancelamentos eram ouvidos nos bastidores.

“Eu conversei informalmemte com a nossa coordenadora de Trânsto, que me informou que nenhum diretor nunca pediu nada disso, não sabia nada disso. Ela apenas ouviu sobre sobre essa duas multas especificamente entre funcionários. Mas, com certeza, nosso diretor de Trânsito será ouvido na nossa sindicância”, comentou.

Em relação à  conduta do Diretor de Trânsito, Wilson de Jesus, afirmou: “Iniciamente o Wilson de Jesus tem toda a minha confiança.” O presidente da CMTU confirmou que com o sistema de anotação em papel, fraudes poderiam ser realizadas, mas descartou os cancelamentos no atual sistema eletrônico.

“Até o final do passado, quando existiam os autos de papel, ele [agente de trânsito] poderia eventualmente fazer uma rasura ou alegar um erro de preenchimento e talvez fazer um cancelamento”, declarou.

Em maio de 2011, como um desdobramento da Operação Antissepsia, o Gaeco também cumpriu mandado de busca e apreensão na CMTU. Nesta quinta-feira, André Nadai afirmou que está tranquilo e que ouviu dos próprios representantes do Gaeco que a investigação não envolvia seu nome.

Os promotores de Justiça devem dar mais detalhes sobre o caso na tarde desta quinta-feira (1!º).