Derosso renunciou à  presidência da Câmara de Curitiba

O presidente licenciado da Câmara de Curitiba, vereador João Cláudio Derosso (PSDB), acabou de renunciar ao cargo.

Em breve mais detalhes.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O melhor nome a assumir a bagaça é o vereador Paulo Salamuni, experiencia, e muito inteligente nas práticas e nos tramites das leis dentro do sistema da Câmara. Paulo Salamuni na presidência CMC

  2. O presidente licenciado da Câmara de Vereadores de Curitiba, João Cláudio Derosso (PSDB) renunciou ao cargo no início da sessão desta segunda-feira (12). O documento com o pedido foi lido em plenário pelo presidente em exercício, Sabino Picolo (DEM). Derosso não estava na sessão no momento do anúncio.

    Derosso estava afastado espontaneamente do cargo desde novembro de 2011, quando justificou a saída como maneira de “preservar a instituição e os demais vereadores”. Um novo pedido de afastamento por mais 90 dias foi requerido por Derosso em fevereiro, o que gerou reclamações da oposição.

    O G1 tentou falar com Derosso, mas não obteve retorno das ligações.

    Denúncias
    Derosso foi denunciado pelo Ministério Público por improbidade administrativa, oriunda de irregularidades na administração da Câmara. Entre elas, está a contratação da empresa Oficina da Notícia, de propriedade de sua esposa, Cláudia Queiroz. Ela era funcionária da Câmara quando venceu a licitação de um contrato de publicidade estimado em R$ 30 milhões.

    Há ainda suspeitas sobre a impressão do informativo “Câmara em Ação”, um veículo com as notícias publicadas no site do órgão. Dados do Tribunal de Contas do Paraná, que também investiga denúncias de irregularidades nos contratos de publicidade do legislativo municipal, apontam que o órgão gastou R$ 14 milhões com a impressão mensal de 201,05 mil exemplares do “Câmara em Ação” de julho de 2006 a janeiro de 2008. Este valor corresponde a 41% de todos os gastos do legislativo municipal no mesmo período.