Ainda o TSE: Candidatos divergem sobre proibição ao Twitter

por Telma Elorza, via Jornal de Lodnrina

Cheida nem aí com o TSE.
Depois da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de tornar ilícita e passível de multa a propaganda eleitoral feita por candidato e partido político pelo Twitter antes do dia 6 de julho, a rede social, em Londrina, já começa a mudar. Alguns pré-candidatos pararam de utilizar a rede para comentar fatos e eventos, como o prefeito Barbosa Neto (PDT), que se retirou do Twitter no dia seguinte à  decisão. O médico Tercílio Turini, pré-candidato pelo PPS, também optou por não publicar mais posts, assim como a pré-candidata do PT, Márcia Lopes, pretende deixar inativa a conta até o período permitido. Mas alguns pré-candidatos, tuiteiros frequentes, dizem que não vão parar de utilizar a rede.

à‰ o caso do deputado estadual Luiz Eduardo Cheida, pré-candidato pelo PMDB. Ele diz que não concorda com a decisão do TSE que considera ter extrapolado! em sua decisão. Vou continuar, é uma manifestação legítima. Ninguém é obrigado a me seguir. Se alguém nos segue é porque quer nos seguir, não recebe as informações aleatoriamente quanto na TV, jornais e rádios. Para mim, o TSE está tolhendo a lei das liberdades individuais. Antes de ser político, sou um cidadão. E depois o TSE se baseia em quê, para proibir, isso é matéria de lei!, questiona.

O agropecuarista Alexandre Kireeff, pré-candidato pelo PSD, concorda. Tuiteiro de longa data, Kireeff diz que não vai parar de utilizar a rede social. Ele disse que tem o perfil na rede desde antes de sequer pensar em a se candidatar a alguma coisa.! Eu sou um cidadão, não estou fazendo nenhum tipo de campanha indevida. Eu uso o Twitter, Facebook e blog como maneira de me comunicar com amigos. Nunca fiz e nem vou fazer propaganda indevida!, garante.

Marcelo Belinati, pré-candidato do PP, também diz que vai manter seus perfis no Twitter e Facebook. Eu nunca utilizei a redes sociais para campanha. Para mim, é mais um canal de comunicação com a família, amigos e até com a sociedade!, justifica. Segundo ele, vai continuar da mesma maneira, porém respeitando o que diz a lei. Essa decisão não me afeta em nada!, garante.

Barbosa Neto não quis se manifestar oficialmente sobre o assunto e, de acordo com a sua assessoria, vale o último post! do pedetista no Twitter. Neste, o prefeito apenas diz que deixará de se comunicar com os seguidores pela rede, sem justificar o porquê. Tercílio Turini, por sua vez, disse que estava justamente discutindo com o partido a retomada de seu perfil quando saiu a decisão do TSE. Embora o PPS nacional esteja questionando judicialmente a decisão, vamos respeitar até que se defina melhor!, informa. Márcia Lopes também afirmou que estudava estratégias para usar as mídias quando foi informada da decisão. Como é uma conta que não estou utilizando com frequência, retomo quando for permitido!, diz.

Segundo a coordenadora da Comissão Eleitoral da OAB/Londrina, Caroline Thon, embora pessoalmente ela não concorde com a posição, os pré-candidatos devem respeitar a decisão do TSE. Se foi proibido, tem que respeitar. Ponto.!, aponta. Quanto à  posição dos pré-candidatos tuiteiros, que dizem que vão conseguir separar seus twitters da campanha, Caroline acha complicado. Não sei se será possível. Se o Barbosa Neto, por exemplo, publica que foi visitar a escola do filho, embora seja uma atividade pessoal, pode ter um cunho eleitoral!, diz.

A reportagem não conseguiu falar com a promotora eleitoral, Susana Broglia Feitosa de Lacerda, sobre o assunto. Ela passou a última sexta-feira em audiência.

Comments are closed.