Professores das universidades estaduais sinalizam paralisação

por Maria Gizele da Silva, via Gazeta do Povo~em Ponta Grossa

Estudantes prometem engrossar o movimento dos professores.

Os sindicatos docentes das universidades estaduais do Paraná planejam parar no próximo dia 7 e realizar um ato público em Curitiba para cobrar do governo do estado a rediscussão da proposta de alteração do plano de carreiras da categoria e a revisão dos cortes dos recursos de custeio das universidades, ocorrido neste início de ano. Caso as reinvidicações não sejam aceitas, a greve pode começar no dia 14 de março.

Os sindicatos das universidades estaduais de Londrina (UEL) e de Ponta Grossa (UEPG) realizaram assembleias nesta quarta-feira (15) e definiram o calendário de mobilização. As assembleias finais dos sindicatos das universidades de Cascavel (Unioeste), Maringá (UEM) e Guarapuava (Unicentro) serão promovidas nos próximos dias. Mas, conforme o presidente do sindicato da Unioeste, Antonio Bosi, a tendência é que seja mantido o mesmo calendário de paralisação.

Segundo a presidente do sindicato docente da UEPG, Cintia Xavier, além do ato público do dia 7 está prevista uma greve a partir do dia 14 se as reivindicações não forem atendidas. A última paralisação das estaduais ocorreu em 2007.

Desde o ano passado, os professores discutem com o governo estadual a alteração do plano de carreira visando a equiparação salarial com técnicos administrativos com a mesma formação. Hoje um professor auxiliar recebe R$ 1.808,82, enquanto que um técnico ganha R$ 2.382,77.

Conforme Bosi, o governo enviaria a proposta de revisão ano passado à  Assembleia Legislativa, mas retrocedeu e paralisou as negociações. Também vamos aproveitar o movimento do dia 7 para alertar o governo sobre os cortes nas verbas de custeio!, afirma. O recurso é usado para a manutenção das universidades, desde a compra de papel higiênico até o pagamento de estagiários.

Procurada no início da noite desta quarta-feira, a assessoria de comunicação social do governo estadual disse que vai se manifestar nesta quinta sobre a mobilização dos docentes.

Comentários encerrados.