Eleições 2012: José Serra busca estratégia para vencer rejeição em São Paulo

via Folha

Tucano José Serra já não goza de tanta popularidade entre os paulistanos.
O ex-governador José Serra (PSDB) já começou a discutir com antigos colaboradores pesquisas para avaliar a viabilidade de sua candidatura à  Prefeitura de São Paulo nas eleições deste ano.

Com base em pesquisas qualitativas feitas com pequenos grupos de eleitores, assessores de Serra disseram que é possível reduzir os altos índices de rejeição do eleitorado que ele enfrenta hoje.

Mas isso vai depender de quanto tempo ele terá para fazer propaganda na televisão, e, portanto, da capacidade que os tucanos terão de atrair outros partidos para a campanha do ex-governador.

Segundo a sondagem mais recente do Datafolha, concluída em janeiro, 33% dos eleitores de São Paulo dizem que não votariam de jeito nenhum em Serra. No cenário mais favorável para sua candidatura, ele tinha 21% das intenções de voto em janeiro.

Serra está sob forte pressão do PSDB para concorrer à  prefeitura, mas ainda condiciona o lançamento de seu nome à  construção de um cenário que lhe dê conforto para lidar com os riscos que a eleição deste ano oferece para sua carreira política.

Colaboradores do ex-governador sugeriram que ele acompanhasse a evolução das pesquisas por mais tempo antes de tomar uma decisão. Até lá, ele tentaria manter seu nome em evidência, como favorito do PSDB, para começar a aplacar a avaliação negativa do eleitorado.

Mas os tucanos temem perder o apoio do prefeito Gilberto Kassab (PSD) se Serra demorar muito para se definir, o que romperia a coalizão que controla a capital desde que Serra se elegeu prefeito com Kassab como vice, em 2004.

A indefinição dos tucanos levou Kassab a abrir negociações com o PT no início deste ano para apoiar o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, mas as conversas foram interrompidas nos últimos dias, depois que Serra indicou que estava reconsiderando sua candidatura.

Apesar do esforço do governador Geraldo Alckmin para manter seus tradicionais aliados, a costura da coligação que poderia sustentar Serra não está alinhavada.

Serra teme a repetição de problemas ocorridos na eleição de 2008, quando o PSDB se dividiu em dois grupos. Uma ala aderiu à  campanha de Kassab à  reeleição e outra apoiou o lançamento de Alckmin como candidato.

Alckmin não conseguiu nem chegar ao segundo turno, e agora Serra teme que algo parecido ocorra com ele. “Serra quer a garantia de que não será abandonado pelo PSDB. Ele não vai. à‰ o nosso candidato”, afirma o presidente nacional da sigla, Sérgio Guerra.

Serra espera que Alckmin encontre uma solução para evitar que o desfecho das prévias para escolher o candidato a prefeito não vire um obstáculo a sua candidatura.

Quatro pré-candidatos se inscreveram para as prévias, que estão marcadas para o dia 4 de março. Quando elas foram convocadas, Serra dizia que não tinha interesse na eleição, e por isso outros candidatos se apresentaram.

HESITAà‡àƒO

O lançamento da candidatura de Serra ainda divide seus principais aliados. Uns defendem que ele concorra mesmo se houver risco de derrota, com o argumento de que ele manterá assim seu nome em evidência.

Outros acham que Serra só deveria concorrer se as condições forem favoráveis. Para outros, ele deveria se preservar para a eleição presidencial de 2014, quando poderia concorrer pelo PPS se o PSDB preferir lançar o senador Aécio Neves (MG).

Hoje, a maior pressão pela candidatura de Serra parte do Palácio dos Bandeirantes. Uma vitória do PT pode comprometer os planos de Alckmin para se reeleger governador nas eleições de 2014.

Para tucanos, a discussão pública da candidatura de Serra serviu para atrair aliados e impedir que avançasse o namoro de Kassab com os petistas. Mas a volta de Serra ao palco acabou valorizando o passe de Kassab para Haddad e o PT.

Comments are closed.