Dilma terá o mesmo peso político que Beto nas eleições de Curitiba, diz diretor da Paraná Pesquisas

por André Gonçalves, via Gazeta do Povo

Murilo: Dilma furou bloqueio antipetista. Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo.

Dilma Rousseff aproveitou a primeira reunião do ano com o conselho político, na semana passada, para mandar um recado a todos os aliados: só vai participar das campanhas municipais em que não houver concorrência entre candidatos da base. Alguns pensam que o estrago não será grande, afinal a presidente não teria o traquejo de Lula para pedir votos. Mas em alguns lugares, como Curitiba, ela vai fazer falta.

Segundo o diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, Dilma conseguiu igualar nos últimos dias o nível de popularidade do governador Beto Richa (PSDB) na capital. Só perde no critério de desempate. A diferença é que Beto está muito mais próximo da população; é só sair de casa para apertar a mão dos eleitores!, diz Hidalgo.

A proeza da presidente é ter conseguido furar o bloqueio antipetista entre a classe média/alta curitibana. As mesmas pessoas que detestavam o discurso popular de Lula, agora aprovam a faxina de Dilma. A sensação é de que a figura dela descolou-se do PT e virou um patrimônio político individual, algo parecido com o que acontece com Lula entre a classe C.

Em Curitiba, há três candidatos de legendas alinhadas ao governo federal: Gustavo Fruet (PDT), Rafael Greca (PMDB) e Ratinho Jr. (PSC). Sem contar nos esforços de Tadeu Veneri e Dr. Rosinha para vetar o apoio do PT a Fruet e convencer o partido a lançar nome próprio. Ainda há a estranha situação do prefeito Luciano Ducci, que é do PSB, sigla que tem até ministério em Brasília, mas que no Paraná é totalmente pró-PSDB.

Com um balaio tão grande e sortido de candidatos aliados!, parece natural que Dilma não se meta na cidade. Aliás, não há nem sinal de que ela esteja sendo procurada. A briga ainda é pelo apoio do PT e desconsidera a força da presidente como pessoa física!.

A questão é que os pontos fortes de Dilma cairiam como uma luva especialmente na campanha de Fruet. Ex-tucano, ele tem dificuldades de explicar uma aliança com os petistas. Mas se aliar a Dilma é outra coisa.

Como deputado federal, Fruet foi sub-relator da CPI dos Correios, que investigou o mensalão durante o governo Lula. O trabalho levou à  queda do então ministro da Casa Civil, José Dirceu. Graças ao episódio, Dilma ascendeu ao posto de gerente do governo e o resto da história todo mundo sabe.

Graças ao trabalho na comissão e ao discurso ético, Fruet foi o deputado federal mais votado do Paraná em 2006. Dilma se encaixou mais ou menos no mesmo perfil após a demissão de sete ministros envolvidos em denúncias de corrupção. Aliás, está nessa lista o presidente do PDT de Fruet, Carlos Lupi.

Pelo andar da carruagem, no entanto, o mais provável é que Dilma só entre no jogo se houver segundo turno !“ e se ele não for disputado entre dois candidatos da base. E voltando ao estranho caso do PSB de Ducci, existe ainda a chance de a direção nacional do partido (via o governador de Pernambuco, Eduardo Campos) conseguir neutralizar a participação da presidente em Curitiba.

Entre tantas possibilidades, chama a atenção a volta por cima de Dilma entre os curitibanos. Quem diria que, há pouco mais de um ano, José Serra (PSDB) fez, no segundo turno da eleição presidencial, quase o dobro dos votos que ela na cidade.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O Carlos Moraes é uma boa alternativa para o quadro de candidatos. Resta saber se nao vai fazer o jogo de Requião.

  2. O diretor da parana pe$qui$a esqueceu do candidato Carlos Moraes, jornalista da TV Educativa pelo PRTB.
    Grega e cia estão desgastados.
    Renovação é a palavra certa.

  3. Desde quando Fruet é “alinhado ao governo federal” ? Só se for o PDT.
    Fruet caiu de pára-quedas no PDT..

  4. HIDALGO QUERIA FAZER UMA PERGUNA.
    SERIA MELHOR A OPOSIÇÃO SAIR UNIDA JA NO PRIMEIRO TURNO OU TODOS OS PARTIDOS LANÇAREM CANDIDATO PRA FORÇAR UM SEGUNDO TURNO.

  5. Pra mim, nenhum dos dois influenciará em nada, não gosto de ambos…