Déjà  vu: De olho nas urnas, Ducci pode reduzir a tarifa do ônibus

* Fórmula beneficiou Richa nas eleições de 2004

Charge de Latuff.
O mundo político desconfia que a greve dos motoristas e cobradores encerrada ontem foi combinada entre prefeitura, empresas e pelegos! do Sindimoc !“ o Sindicato dos Motoristas e Cobradores.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), por exemplo, divulgou nota enaltecendo a conquista pela categoria de 10,5% de reajuste salarial, mas fala em conluio entre patrões, empregados e prefeitura para aumentar o preço da passagem de ônibus.

O prefeito Luciano Ducci (PSB) jura que não tem nada disso. Ele, inclusive, atribuiu a paralisação do transporte coletivo aos que lhe fazem oposição e querem dificultar a sua reeleição.

Tirando essas trocas de farpas, que são próprias do jogo político, há um forte boato sobre a entrada do governador Beto Richa (PSDB) na parada com o objetivo de congelar o preço da tarifa do busão. Ele estaria disposto a ir além ainda…

O tucano estaria estudando subsidiar a redução! para assegurar a vitória do aliado Ducci em outubro. Seria uma jogada para seduzir o eleitorado. A fórmula simples já foi usada e testada pelo próprio Richa, então vice-prefeito de Curitiba, em 2004, quando na interinidade baixou a tarifa de R$ 1,90 para R$ 1,80. De ilustre desconhecido dos curitibanos, o vice de Cássio Taniguchi (DEM) virou prefeito em 2004 e foi reeleito em 2008.

Para quem não acredita nessa “teoria da conspiração”, o preço da passagem de ônibus em Curitiba saltará de R$ 2,50 para R$ 2,80.

Outros apostam que esse reajuste “anunciado” não passa de um “bode” colocado na sala para valorizar a “bondade” de Ducci, ou seja, a redução da tarifa. A conferir.

Comments are closed.