Por Esmael Morais

“Tucaninhos” se dividem entre Serra e Aécio

Publicado em 16/12/2011

A disputa pelos corações e mentes dos jovens é estratégica. A Juventude é um dos grupos setoriais do partido que mais crescem, e tem algo que falta ao PSDB “adulto”: capacidade de mobilização e de comunicação, principalmente nas redes sociais.

Aécio saiu na frente. Em novembro, iniciou uma caravana por vários Estados do país. Em todas as escalas da viagem ele faz reuniões com representantes da Juventude.

Suas viagens são acompanhadas pela Turma do Chapéu, grupo de Minas que ganhou espaço na Executiva do PSDB e que promove o senador nas redes sociais.

Na visita a Porto Alegre (RS), Aécio também recebeu apoio da presidente da Juventude gaúcha, Micheli Petry.

A movimentação começou a gerar atritos. No mês passado, uma assessora de Serra acusou o presidente da Juventude Tucana de São Paulo, Paulo Mathias, de ter excluído o ex-governador de uma publicação do grupo.

Dias depois, o próprio Serra discutiu com Mathias durante um churrasco. Depois, eles fizeram as pazes.

Dada a polarização prematura, a ordem no congresso de hoje é evitar manifestações de apoio a qualquer um dos dois. Mas claques de ambos os lados já estão sendo arregimentadas.

“Dada essa pressão, qualquer pequeno episódio ganha dimensões exageradas. Vamos debater 2014 quando chegar a hora, mas não agora”, afirma Marcello Richa, 25, filho do governador Beto Richa (PR) e presidente nacional da Juventude do PSDB.

Além dos dois presidenciáveis, devem prestigiar o evento os governadores Marconi Perillo, de Goiás, e Geraldo Alckmin, de São Paulo.

A Juventude planeja lançar 400 candidatos no ano que vem a vereador e prefeito.

“O espaço maior da Juventude se deve à  reavaliação do partido após as eleições de 2010, quando ficou clara a necessidade de oxigenação”, afirma Richa.