João Dias, fonte da Veja, é preso no DF

por Altamiro Borges, via Blog do Miro

Policial João Dias Ferreira.

O policial João Dias, o bandido usado como principal fonte da revista Veja para derrubar o ministro Orlando Silva, dos Esportes, foi preso na tarde de ontem (7) em Brasília. Ele tentou invadir a sala do secretário do Governo do Distrito Federal, Paulo Tadeu, no Palácio Buriti. Carregando uma mala com cerca de R$ 200 mil, o maluco! berrou palavrões e agrediu três pessoas.

Bem que a revista Veja, que deu tanta acolhida ao sinistro policial !“ acusado de desvio de recursos de convênios na área do esporte, de enriquecimento ilícito (uma mansão, três carrões importados e duas academias de ginástica) e até de homicídio !“, poderia contratá-lo. O sujeito parece transtornado com o fim dos holofotes. Ele poderia ser instalado ao lado de outro doente!, o blogueiro pitbull da Veja.

Abaixo, as matérias publicadas no blog de Lilian Tahan, do Correio Braziliense, a primeira a noticiar o inusitado acontecimento; as duas notas da Secretaria de Comunicação do Governo do Distrito Federal e a nota da Polícia Civil.

*****

João Dias é preso por segurança do Palácio do Buriti

Pivô do escândalo que derrubou o ministro Orlando Silva, João Dias invadiu nesta tarde a Secretaria de Governo comandada por Paulo Tadeu.

O policial militar, segundo testemunhas, agrediu duas funcionárias do secretário Paulo Tadeu. Uma delas é conhecida por Paulinha e a outra chama-se Niedja.

João Dias carregava um pacote de dinheiro vivo que também, segundo testemunhas, ele teria jogado em cima da mesa. João Dias pretendia ser recebido por Paulo Tadeu, mas acabou preso pela segurança interna do Palácio do Buriti.

João Dias presta depoimento na delegacia

João Dias presta depoimento na 5!ª Delegacia de Polícia, no Setor Bancário Norte.

O policial militar tentou invadir nesta tarde o gabinete do secretário de Governo, Paulo Tadeu. João Dias entrou pelo anexo do Palácio do Buriti sem ter sido notado.

Segundo testemunhas, ele teria pichado com um monte de palavrões a lataria de um carro que seria de Paulo Tadeu. A assessoria do governo, no entanto, não confirma a informação.

Já na ante-sala do gabinete de Paulo Tadeu, o policial militar disse que precisava ser atendido pelo secretário. Mas Paulo Tadeu estava em reunião na Residência Oficial de àguas Claras. Muito exaltado, com um saco de dinheiro vivo na mão e sem conseguir o que queria, ele agrediu duas servidoras (Niedja e Paulinha) do Palácio do Buriti.

Segundo testemunhas, Niedja teria levado um soco no rosto.

A polícia do Palácio foi acionada e um dos seguranças teria também se machucado (quebrado um dedo) ao tentar conter João Dias.

Assessores de Paulo Tadeu estão reunidos neste momento no gabinete do secretário. Em breve vão divulgar uma nota oficial sobre o episódio.

João Dias foi o delator de um suposto esquema de corrupção envolvendo o programa Segundo Tempo do governo federal e ONGs ligadas ao PCdoB. O escândalo derrubou Orlando Silva do Ministério dos Esportes e acabou respingando no governador Agnelo Queiroz que, quando era do PCdoB e ocupava o cargo de ministro dos Esportes, criou o programa Segundo Tempo.

*****

Notas da Secretaria de Comunicação do GDF

A equipe de segurança do Palácio do Buriti teve que retirar do prédio na tarde de hoje o policial militar João Dias após ele agredir duas servidoras da Secretaria de Estado de Governo.

João Dias teve que ser contido pelos seguranças já que apresentava comportamento agressivo e foi encaminhado à  Polícia Civil, que tomará as medidas legais pertinentes ao caso.

Quanto ao secretário de Governo, Paulo Tadeu, ele não se encontrava no Palácio durante o episódio. O secretário e outras autoridades do GDF participavam de reunião com os governadores do Centro-Oeste na Residência Oficial de àguas Claras.

A segurança do Palácio do Buriti abriu procedimento para apurar como se deu o acesso de João Dias ao Préio. O Governo do Distrito Federal também vai apurar com que objetivos escusos o policial apareceu nesta tarde de forma despropositada no Palácio do Buriti.

Complemento

A Polícia Civil do Distrito Federal informou que, após ser preso no Palácio do Buriti e conduzido à  5!ª Delegacia de Polícia, João Dias foi autuado pelos crimes de injúria, por insultar de forma racista uma das servidoras, e pelo menos duas lesões corporais, contra a outra funcionária e um policial militar em serviço da equipe de segurança do Palácio.

Ao término da autuação na delegacia, João Dias será encaminhado à  Corregedoria da Polícia Militar.

A Polícia Civil informou ainda que foram recolhidas na Secretaria de Governo cédulas de dinheiro que João Dias teria jogado sobre a mesa das servidoras, que reagiram contra a agressão e absurda situação. As notas serão periciadas pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil, que vai apurar a origem do dinheiro.

*****

Nota da Polícia Civil do DF

A Polícia Civil do DF informa que nesta data foi lavrado, na 5!ª DP, auto de prisão em flagrante em razão da prisão do policial militar João Dias, o qual cometeu os crimes de injúria de cunho racial, lesão corporal e vias de fato, no interior do Palácio do Buriti.

No local, foi arrecadada pelo Instituto de Criminalística da PCDF a quantia de R$ 159 mil reais, em espécie, a qual será encaminhada à  Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (DECO), visando apurar a sua origem.

Após as oitivas de todos os envolvidos, encaminhamento das vítimas ao IML e demais providências legais cabíveis, todos serão liberados.

O autuado, após o pagamento de fiança arbitrada, será liberado e conduzido pela Polícia Militar para a adoção das providências administrativas cabíveis, em razão da sua condição de militar.

7 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. DE QUEM????
    Kero saber de quem é o dinheiro que ele derramou sobre a mesa. Pq não creio que esteja louco a ponto de rasgar dinheiro. Então deve ser de alguem, provavelmente ligado ao GDF.
    Tudo bem que o cara é um picareta, desqualificado… mas por anos e anos serviu aos interesses do Agnelo e do Orlando. E nao me venham dizer que nao sabiam da “desqualificação” do dito cujo. Agora um não serve aos outros.
    Aí tem, ai se tem!

  2. TOMEM AI SEUS CRENTES DO DEMO!!!TOME AI SEUS PASTORES ENGANADORES E Q SERÃO CASTIGADOS POR DEUS POR ENGANAR OS MAIS HUMILDES, TOMEM AI!, TEMEM AI SEUS PUXAS SACOS DE CORRUPTOS, TOMEM!!! SE AJUSTIÇA DOS HOMENS Ñ FUNCIONAR A DIVINA Ñ TARDA.

  3. joão dias cabo eleitoral do serra .sera que foi o psdb ou vej aque deu dinheiro ,ao joão dias?

  4. Um canalha agressor de mulheres, racista, ladrão, supeito de assassinato. Como a mídia conseguiu a cópia do seu depoimento? Com certeza é armação. Um canalha corrompido, mas por quem? Revista Veja? Cara de Pau, todo sorridente para a imprensa, se sentindo realizado pelo dever cumprido. Do que essa InVeja é capaz para derrubar o governo de Dilma. Ele tentou armar um flagrante Contra Paulo Tadeu, filmar e entregar para a Revista Veja. Espero que apodreça na prisão. O governo do DF precisa reagir.

  5. Essa notícia sobre o bandido fonte da Veja sai na Veja? Sai num certo blog renegado desta capital que vive de bajular o tucanato? Não.
    O tal PM, sem cujas acusações infundadas o ministro Orlando não teria saído da função, além de bandido, é meio maluco e usa violência contra mulheres, pois bateu numa funcionária.
    “Fonte” falsa, bandida, e revista Veja estão à mesma altura, se merecem um ao outro.

  6. Toda essa grana saiu de onde?

    Quem deu essa grana pra ele?

  7. Amigo do peito do senador Alvaro Dias.