GRPCom/Globo quer mandar na Assembleia, nas Câmaras e nas prefeituras do Paraná

Rossoni comparta-se com empregado da Gazeta do Povo/Globo.

Semana passada eu escrevi aqui que o Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCom), proprietário da Gazeta do Povo e das emissoras afiliadas à  TV Globo no estado, estava constituindo um perigoso monopólio no Paraná.

Os últimos acontecimentos políticos corroboram a tese de que estamos caminhando rumo a uma ditadura da informação, do pensamento único, da ausência do contraditório, do golpe à  democracia e à s instituições democráticas.

Vamos aos fatos.

Nesta semana, o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni (PSDB), havia concordado com seus pares a manutenção da verba de convocação! e desconvocação!. Algo que rendia aos parlamentares duas prestações de R$ 20 mil (uma no início e outra no fim da legislatura).

Algumas horas depois, para a surpresa dos colegas que se sentiram traídos, Rossoni se reunia na calada da noite com a RPC/Globo para anunciar com “exclusvidade” que suspenderia o benefício em vigor há 16 anos !“ uma prática copiada do Congresso Nacional.

Outro fato que merece reflexão dos leitores. A Câmara Municipal de Curitiba aprovou ontem à  noite aumento de 28% nos próprios salários. Dos R$ 10,4 mil atuais os ganhos dos vereadores saltarão para R$ 13,5 mil a partir de 1!º de janeiro de 2013. Não adiantou o grito horrorizado da imprensa.

Não vou entrar no mérito se esses dois fatos são imorais ou não. Quero abordar outro aspecto, o da subserviência do presidente do legislativo estadual a um grupo de comunicação privado que tem interesses privados como qualquer outra empresa privada.

Rossoni mostrou que age retroativamente, de acordo com o que a Gazeta/Globo e até este blog divulga. Se não for pego em flagrante, como no caso do supersalário que ganhava escondido como presidente da Casa, acima do teto constitucional, ele continua fingindo que nada sabe.

Prefiro o estilo da Câmara de Curitiba que, embora cometa mais erros que acertos, pelo menos não se pauta pela imprensa. Tem agenda e dinâmica próprias, enfim possui personalidade. Bem diferente da submissa Assembleia que atende atualmente a dois senhores: ao governador Beto Richa (PSDB) e ao grupo GRPCom.

O monopólio GRPCom adquiriu na semana passada os jornais Tribuna do Paraná, O Estado do Paraná e o portal de notícias Parana-Online. Esse fato assusta o mundo político, pois o grupo passa achar que pode exercer poder de polícia e de Justiça. Não pode. Não deve.

Já falei a vários vereadores e deputados que é preferível que eles ganhem bons salários, discutidos à s claras, a que façam cachorros! na gasolina, na fotocópia, no salário do funcionário… Agora, o debate tem que existir com a sociedade que os pagam religiosamente.

A pauta das empresas de comunicação como um todo é undenista. à‰ a praga do falso moralismo que atinge até os bons profissionais mais desavisados. Ela não executa para si o que prega para os outros. Vale-se daquele velho ditado: Faça o que eu mando e não faça o que eu faço!.

O monopólio da comunicação do Paraná é ruim para a democracia, é ruim para os partidos políticos, é ruim para os movimentos sociais, é ruim para os jornalistas e é muito pior para as instituições públicas.

Por fim, injustos não são os salários e benefícios recebidos por parlamentares e prefeitos — desde que discutidos. Injustos são as privatizações de serviços públicos essenciais, como a saúde, que vão gerar bilhões a empresas privadas à  custa da sociedade; injustas são as taxas do Detran, dentre outras barbaridades que ocorrem no Paraná.

Comentários encerrados.