Funcionários de escolas do PR não terão direito a recesso

via site APP-Sindicato

A direção da APP-Sindicato, nas últimas reuniões de negociação, solicitou do governo a concessão aos funcionários das escolas, aos funcionários dos Núcleos Regionais de Educação (NREs) e aos da própria Secretaria de Estado da Educação (Seed), o recesso remunerado de 12 dias, entre 22 de dezembro e 2 de janeiro.

Também foi solicitado os demais recessos previstos no calendário escolar, excluído o recesso de julho. Em 2010, a reivindicação da categoria, apresentada pela APP, foi atendida. O tema também tem sido debatido nas reuniões, entre APP e Secretaria, sobre reformulação dos planos de carreira.

No entanto, nesta quarta-feira (14), a Seed informou que a solicitação, este ano, foi negada. No dia anterior (13), uma circular conjunta da Casa Civil e Secretaria de Estado da Administração e Previdência informou como se dará o funcionamento em todas as repartições públicas, inclusive nas escolas, em dezembro.

De acordo com o documento, as repartições funcionarão normalmente no dia 19 (feriado da emancipação política do Paraná) e que os únicos recessos aprovados pelo governador serão nos dias 23 de dezembro e 30 (parcialmente, pois o expediente será das 08h30 ao meio-dia).

14 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to mention I am just newbie to blogging and site-building and truly liked you’re web-site. Almost certainly I’m going to bookmark your website . You actually have exceptional posts. With thanks for sharing with us your web site.

  2. Nós funcionários(as) de escolas devemos parar de ser bobos(as) em acreditar que porque agora somos chamados de educadores(as), teremos os mesmos direitos que os professores(as). A APP foi e sempre será dos professores(as)! funcionário(a) é funcionário(a)! e sempre vai estar em segundo plano, seja para APP ou para o Governo. É engraçado que para termos o minimo de valorização tivemos que ser considerados “educadores(as)”, quer dizer que antes deste conceito não tínhamos valor nenhum? mais e o trabalho que realizávamos? não é o mesmo de hoje? Cumpro função administrativa dentro da escola e quero ser valorizado por isso, independente se me consideram educador ou não, o que sei é que escola nenhuma sobrevive sem Secretários(as), Bibliotecários(as), Adms(as), Auxiliares(as), Merendeiras(as), Pessoal da limpeza e assim por diante. A APP insiste em dizer que funcionário(as) e professor(as) são tratados de forma igual, então por que na época da equiparação salarial a APP tratou logo de agarrar os 25,97% para professores(as) deixando os funcionários(as) de lado, com belas desculpas de que o nosso caso seria resolvido de outra forma. E se fosse ao contrário? E se os funcionários(as) tivessem tido este aumento em vez dos professores(as), (logicamente que isto seria impossível), mais será que APP teria aceitado de tão bom grado, como aceitou o aumento somente para os docentes no início deste ano? E o nosso adicional noturno que é inferior? E o nosso auxilio transporte que é inferior?. Então não me surpreende nenhum pouco que professores(as) tenham dois meses de férias durante o ano ,( 1 mês e meio no final e mais duas semanas no meio do ano letivo), enquanto funcionários(as) tem apenas um mês e ainda quando o diretor achar que é conveniente para escola; não me surpreende que até agora funcionários(as) de escolas do Paraná não tenham fixação nem concurso de remoção como os professores(as). Agora o Secretário de educação autorizou o recesso desde que fique um funcionário(a) na secretaria da escola, isso não mudou muita coisa, pois de uma forma ou de outra quem “paga o pato” é o tal do funcionário.

  3. A questão do recesso dos funcionários da educação transcede o simples fato de ir trabalhar no feriado ou não: é uma questão de clima organizacional.

    Há muito tempo querem no Brasil encapuzar a educação como a saída para todos os problemas. É fato que a educação é o caminho para o desenvolvimento cultural e social, porém, não com as condições que fornecem a esta área hoje.

    Então, ao invés de realizarem os investimentos necessário, utilizam esta bandeira para jogar tudo para a escola: combate às drogas, combate à violência, combate à dengue, saúde bucal, vacinação, bolsa família, leite das crianças. Este último que é o maior absurdo dos últimos tempos: colocar para a secretaria de educação a responsabilidade de controle e distribuição de um programa social que deveria estar em mão de um sistema qualificado de assistência social acompanhado de nutricionistas. Se mencionar que é preciso dar conta de tudo isso em 4 horas diárias, fora o conteúdo normal das disciplinas.

    E como o custo disso tudo não pode cair somente sobre o professor (que já está sobrecarregado, sem voz, doente, com aulas em diversas escolas, turmas superlotadas e algemado pela falta de alternativas de encaminhamento para alunos indisciplinados), criaram um teatro pra respingar a responsabilidade com quem deveria estar cuidando da limpeza, da merenda e da documentação escolar. Nas escolas, agora, todo mundo é “Educador”.

    Sim, é exatamente isso. Se o funcionário está no meio, mesmo sem o preparo pedagógico adequado, ele tem a função de educar também o aluno. Chamaram todos de Agentes Educacionais. Bravo! Que lindo! Vamos ajudar um pouco a manter a ordem no pátio, porque a coisa está feia…

    E o funcionário que não se dá o trabalho de chamar vez ou outra a atenção de um aluno aqui ou ali (porque a pedagoga não consegue estar em todos os lugares ao mesmo tempo, e, diga-se de passagem, situações assim são cada vez mais frequentes) pode não conseguir trabalhar, afinal, a bagunça chega as portas da secretaria e da cozinha. Sem contar que ele pode ser acusado de negligência se não intervir em algumas situações de conflito entre alunos.

    Então, o funcionário, assim como o professor, assim como a pedagoga, assim como o Diretor, está exausto ao final do período letivo, porque ele TAMBÉM trabalha com alunos e TAMBÉM sofre de stress. Mas aí todos saem de férias e sobra para o funcionário fazer vigília nas repartições. No recesso de fim de ano, o funcionário deixa de ser educador e volta a ser um simples funcionário.

    Logo, virá janeiro. O funcionário não menos ficará sozinho, em escolas sem vigilância e segurança. Não haverá aluno algum, mas agora serão os pais. E o funcionário vai explicar intermináveis vezes que não há mais vagas nas turmas, que o turno pretendido pelo pai está lotado, que o filho está devendo histórico e que se o pai não for até a antiga escola do aluno buscar o registro, do alto de sua autoridade, o servidor irá fazer obséquio de ir na outra escolar buscar pessoalmente, se for preciso.

    Mas desta vez ele não terá uma semana para se dedicar a família ou esquecer as horas a fio que passa em frente ao computador digitando planilhas ou acalmando pais alarmados ao telefone. “- É sua obrigação manter o expediente. Você é pago pra isso.”

    Algumas pessoas quando visitam escolas questionam aos funcionários: como vocês aguentam o barulho? O funcionário aguenta. Ele precisa do salário, ele precisa trabalhar e… alguém tem que fazer aquilo. Mas então ele sorri um sorriso amarelo de quem não tem um plano de saúde bucal e solta a frase mais imediata: a gente acostuma.

    Para muitos não soará estranho: há quem duvide que funcionário de escola trabalhe em período de festas, porque acham que na escola não ter serviço. Sim, tem serviço. Mas o funcionário prefere adiantar algumas coisas até mais tarde uma semana ou duas antes do feriado para pode descansar no recesso. Desta vez, ao menos isso não será necessário.

    • Não deveria estar respondendo a este post, afinal estou trabalhando, mas já que passo muito mais do que as 8 horas diárias na Escola não me envergonho de estar aqui debatendo… As Escolas estão cada vez com menos funcionários, funcionário não pode ficar doente pois se ficar todo seu trabalho vai ficar nas costas dos outras afinal não há substituição para funcionário, provavelmente porque atividade desenvolvida por ele não seja importante…. Funcionários de Escola uni-vos!!! A APP não defende nossos interesses, apenas engrossamos as filas….

  4. O Beto Richa vai ter recesso e muito bem remunerado. Mas até acho bom que ele tenha recesso, porque assim ele tem uma desculpa oficial para não fazer nada.

  5. Enquanto isso o GOV. vai passar de avião novo de 16 milhões. Será Paris ou Caribe ou……

  6. Bem feito, a grande maioria desses funcionários votaram nele- no betooo- agora devem roer o osso, e isso é só o começo, dias piores virão…

  7. senhores e senhoras da APP-sindicato……. cairam no conto do vigário apoiaram o betoboy na campanha . viu no que dá;……………………… kakakakakakakakaka

  8. Para que recesso, funcionário público não tem família, não visita ninguém e ninguém visita ele ou sua família, também não precisa de descanso, então eu pergunto, porque deixam ele votar ????????

  9. essa nossa app está comendo bola hein… não precisava ser recesso remunerado, simplesmente que fosse trocado por alguns dias das férias… esse governo está complicado… e o décimo quando será que iremos receber?

  10. O que eles querem… ganham vale transporte em dinheiro equivalente a 4 passagens por dia, sendo que a maioria mora próxima ao local de trabalho, se alimentam com a merenda dos alunos, tem diretor que faz esqueminha, dando folga a puxa sacos uma vez por semana… pertenci ao quadro da educação, e confesso que adoeci… lutei e consegui cair fora, não gosto nem de passar perto de escola.
    O secretario tem mais é que fazer essa galera trabalhar… querem moleza, e as outras categorias como o QPPE só roem o osso???

    • Caro Prof. Silvano Andrade

      Ultrapassando as barreiras da solidariedade e respeito, indelicadamente o senhor generalizou. Isto é desagradável. Nós professores não ganhamos coisa alguma. O que recebemos é por direito de trabalho. Se o senhor presenciou algumas destas denÅ©ncias, por que não o fez em tempo hábil? Vá ao NRE, denuncie, dê nomes, ajude a Educação a se fazer valer. Ninguém é obrigado a ser obrigado, portanto, está em tempo: alardeie os motivos, colabore por um mundo melhor. E para que isto aconteça é preciso que o senhor entenda que diante de denuncismos vulgares existirão sempre os professores como escudos para que o ridículo não atinja o grupo, como um todo.

      • Lamento

        Acho que fui infeliz no meu comentário…

        Isso não faz parte da minha seara… nem sei porque comentei esse post.

        Peço sinceras desculpas a todos os Professores e Funcionários das Escolas do Paraná….

        Silvano Andrade

    • É Silvano Andrade, vc deve passar é longe de escolas mesmo pois as escolas não precisam de pessoas com cabeças pequenas e sem conteúdo como vc, se vc lutou e cresceu foi devido ao fato de ter estudado dentro de uma escola, vc depende para seu estudo tanto de professores como de todos os profissionais que fazem parte da educação a não valorização e equiparação destes profissionais é dar as costas a educação. Porque criticar a conquista de uma categoria que luta a cada dia por uma educação de qualidade, temos que estudar e muito para chegarmos onde chegamos e vc vem criticar uma conquista de alguns dias de recesso, me envergonha saber que vc já fez parte deste seleto grupo de educadores, se sente vontade de criticar ou apresentar suas frustrações mude o foco pois regalias existem em larga escala no meio político deste país, desta forma terá o apoio de muitos mas não venha falar de uma classe que foi esquecida durante vários anos e agora que está conseguindo alcançar um merecido reconhecimentos pessoas pouco estruidas como vc vem criticar. Todos somos importantes para a educação…