Eleições 2012: O protagonismo e a opção do PT em Curitiba

por Milton Alves*

O atual quadro eleitoral para a disputa da prefeitura de Curitiba permanece em aberto e embolado. Depois de vários pleitos eleitorais, a contenda do próximo ano não apresenta um postulante com favoritismo antecipado. Na verdade, os três nomes mais bem situados nas últimas pesquisas eleitorais !“ Ducci (PSB), Fruet (PDT) e Ratinho Jr (PSC) – estão praticamente empatados, oscilando por pequenas margens de diferença entre si.

A conformação definitiva do cenário eleitoral ainda levará algum espaço de tempo. No entanto, um conjunto de fatores e situações definirão o futuro de cada candidato. Duas questões serão decisivas: a capacidade de aglutinar alianças e apoios e o peso das estruturas de governo; levando em conta esses aspectos, a candidatura de Ducci já está consolidada, com campo de apoio definido e ancorada nas máquinas políticas vinculadas ao governo do estado e da prefeitura. O governador Beto Richa é o grande padrinho do projeto de reeleição de Luciano Ducci. à‰ a sua aposta mais importante visando o futuro embate de 2014.

No espectro de forças da oposição, Gustavo Fruet (PDT) apresenta densidade eleitoral e forte sintonia com as camadas médias da cidade, vocalizando um apelo mudancista. Além de Fruet, o candidato Ratinho Jr (PSC) tem exibido musculatura política. Ainda entre os postulantes se encontra o ex-prefeito Rafael Grecca (PMDB) que tem como primeiro desafio animar o “velho-de-guerra”, a legenda peemedebista encolheu bastante em Curitiba.

E o PT, o que vai fazer? Lançará candidato? Fará aliança? Talvez aí está uma das chaves do processo eleitoral do próximo ano em Curitiba. Sem pressa, cautelosa, a direção petista examina o cenário de conjunto, os desdobramentos imediatos e futuros. A movimentação do PT em Curitiba fechará a quadratura do círculo. Caso a legenda faça a opção por uma das candidaturas do campo de partidos aliados, o que motiva amplos segmentos e lideranças do PT, o quadro tenderá para a polarização, ampliando o foco da disputa desde já para 2014. Ou seja, é inevitável o protagonismo petista, que tem rosto, nome, e hoje ocupa um posto de primeira grandeza na Esplanada dos Ministérios. Trata-se da senadora Gleisi Hoffmann, naturalmente lembrada como possível candidata ao governo estado.

A sinalização na semana passada de Gustavo Fruet sobre uma possível e desejável aliança com o PT foi um gesto com dupla finalidade: avisou o PT que o namoro pode virar casamento e, ao mesmo tempo, foi uma vacina para segmentos do eleitorado que votam em Fruet, mas oferecem alguma resistência ao partido de Lula e Dilma. Aliás, movimento que faltou para o ex-senador Osmar Dias quando da aliança com o Partido dos Trabalhadores na disputa pelo governo do estado.

Portanto, a esperada definição do PT abrirá uma nova etapa no cenário da disputa, contribuindo para o debate dos rumos e perspectivas da cidade, demarcando os campos e os projetos dos candidatos.

*Milton Alves é militante do PT no Paraná. Blog: www.miltonalves.com.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. mais um passo, para morrer abraçado com Fruet

  2. curitiba precisa de 100 anos para entrar nos eixos.então não e boa hora do pt desputar eleições numa cidade que o conserto demora muito,poi ai vem as criticas.muitos anos de carencia do poder publico na cidade!o estrago ja foi feito .pois uma receita quando não dá certo , o melhor fazer outra.mas 4 anos e pouco demais ,para por as coisas entrem em ordem!