Assembleia do PR segue ocupada por manifestantes contra a privatização da saúde

* “Ocupar Assembleia” pede reforço pelas redes sociais
* Sessão está suspensa até as 21 horas, mas o impasse continua

Plenário da Assembleia continua ocupado. Foto: Everson Bressan.

Assembleia Legislativa do Paraná está ocupada desde as 16h45 por estudantes e sindicalistas. Eles protestam contra a votação de um projeto que terceiriza serviços de saúde e cria as Organizações Sociais (OSs).

A sessão foi suspensa pelo presidente da Casa, Valdir Rossoni (PSDB), três vezes antes da ocupação. à€s 17h, o tucano estipulou duas horas para recomeçar os trabalhos. No entanto, à s 19 horas, o reinício foi prorrogado por mais duas horas porque, segundo os manifestantes, Rossoni quer vencê-los pelo cansaço.

Pelas redes sociais, sindicalistas e estudantes afirmam que não vão arredar o pé do plenário até que o projeto de terceirização seja retirado definitivamente da pauta. O presidente da Assembleia rejeita a condição.

Em 2001, estudantes ocuparam a Assembleia contra a venda da Copel.

Também pelo Twitter e Facebook, os integrantes do movimento “Ocupar Assembleia” pedem reforço de ativistas sociais para manter a ocupação.

Do lado de fora do prédio, um forte esquema montado pela Polícia Militar impede que novos manifestantes se juntem ao grupo. Deputados da oposição e situação são contra a invasão do local pela repressão.

Em 2001, na gestão do então governador Jaime Lerner, estudantes e sindicalistas ocuparam o mesmo plenário da Assembleia contra a privatização da Companhia Paranaense de Energia (Copel). A estatal não foi à  venda e é uma das mais eficientes e lucrativas do país.

Comentários encerrados.