A agenda secreta de Beto

por Rogério Galindo, via Gazeta do Povo

Beto Richa.

Beto Richa conclui o seu primeiro ano de governo admitindo que não conseguiu fazer tudo o que queria (nem tudo o que prometeu). Claro, usando o manual de seus antecessores, colocou a culpa em quem veio antes dele. Mas o mais estranho não foi o governador deixar de fazer aquilo a que se havia proposto. Isso até faz parte do jogo: à s vezes há amarras, empecilhos, problemas. E, vamos convir, ninguém cumpre 100% do que prometeu em campanha.

O curioso foi Richa fazer o que tinha dito que não faria. Homem de bordões, Beto dizia ao eleitor, pouco mais de um ano atrás, que faria mais com menos!. Quem não se lembra da frase? As duas partes da equação, porém, não resistiram aos primeiros 12 meses de gestão. Richa aumentou o peso do Estado sobre o nosso bolso (o tarifaço do Detran chegou a 271%) e acabou não entregando nenhuma grande obra até aqui. Não fez mais. E não cobrou menos.

Dizia também o candidato que, quando chegasse ao governo, seria o oposto de Roberto Requião. Essa afirmação começou a ruir ainda antes da posse, conforme o secretariado foi sendo anunciado. Praticou ampla e fartamente o nepotismo, indicando o irmão Pepe e a mulher Fernanda para as duas supersecretarias que criou sob medida, só para presenteá-los. Além disso, cooptou o próprio PMDB para o governo, dando um cargo para Luiz Cláudio Romanelli !“ ex-secretário, quem diria, do governo Requião…

Dizia que seria o governo do diálogo. E, como lembrou neste espaço, no sábado, a colunista Rosana Félix, fez o exato oposto. O caso atual, da aprovação sob rolo compressor das terceirizações, é o exemplo mais cabal. Não houve uma audiência pública. E no fim das contas, tristemente, foi montada uma linha de policiais em frente à  Assembleia para impedir que a população acompanhasse as discussões.

Richa dizia mais. Que não iria privatizar nada (até porque era comumente chamado de lernista na época, coisa que também refutava com vigor). Até aqui, é bem verdade, não vendeu nenhum bem público. Exceto por dois aviões inservíveis!, que pareceram muito bons para o dono da Helisul e para a família Mussi, do Canal 21, seus felizes compradores. Mas começou o ano falando em criar uma agência reguladora !“ que serve para fiscalizar serviços concedidos ou privatizados. E terminou aprovando no afogadilho a polêmica lei que repassa partes do Estado para ONGs.

Ninguém ouviu da boca de Richa, nem de seus aliados, que essa seria a agenda do primeiro ano de governo. O plano de governo do candidato, registrado em cartório!, como ele próprio faz questão de mencionar em mais um de seus bordões, até onde se tenha percebido, também não falava em nada disso.

Aparentemente, porém, havia letras miúdas no documento em que ninguém havia reparado. Havia uma agenda secreta de que o eleitor não foi informado. Richa pode até culpar os antecessores por não ter deixado em caixa dinheiro para que ele fizesse o que cumpriu. Mas não pode, em nenhum momento, dizer que alguém lhe forçou a tomar as decisões que vem tomando.

Sobre isso, pelo menos, ele tem de assumir a responsabilidade.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Luis, prá teu consolo…eu não votei no Beto porque não me passava confiança e agora estamos no mesmo barco…mais tres anos.

  2. EU VOTEI NO BETO MAIS HOJE SINTO VERDADEIRA VERGONHA. NESTES 12 MESES APENAS INAUGUROU AS OBRAS QUE O PESSUTI E REQUIÃO DEIXARAM. COOPTOU OS PREFEITOS CANCELANDO CONVÊNIOS E CONTRATOS PARA DEPOIS RESTABELECE-LOS, DESDE QUE OS PREFEITOS REZEM A CARTILHA DO ATUAL GOVERNO. NOMEOU PARENTES. COLOCOU O BONILHA NO TC. QUASE CAIU DE HELICOPTERO. FALOU, FALOU E FALOU SOBRE UM GOVERNO DE DIALOGO, CUJO DIALOGO É DAR INCENTIVOS AOS EMPRESÁRIOS. PERDE DE UM LADO E COBRA A CONTA DE OUTRO, AUMENTANDO AS TARIFAS DO DETRAN. FALA EM PEDÁGIO E TERCERIZA A MÁQUINA PÚBLICA. CRIOU INÚMEROS CARGOS COMISSIONADOS. E NÓS, POVÃO, TEMOS QUE AGUENTAR MAIS TRES ANOS.