Por Esmael Morais

Veja essa: Ex-prefeito tucano é acusado de usar verba pública para ir a prostíbulos

Publicado em 25/11/2011

De acordo com o promotor Frederico Francis Mellone de Camargo, são 11 notas fiscais de estabelecimentos do tipo –totalizando R$ 2.600.

As notas foram entregues à  Promotoria pela atual administração municipal –comandada por Vergilio Barbosa Ferreira (PP)–, segundo afirmou Camargo.

O promotor disse que, em audiência do caso nesta quinta-feira, uma das testemunhas, um ex-segurança de Moura, afirmou que o prefeito frequentava as casas de prostituição em viagens oficiais da prefeitura.

Segundo Camargo, o segurança já havia dado a mesma versão em depoimento durante o inquérito policial.

Já outra testemunha, que atuava como motorista do ex-prefeito, disse que viajava com Moura frequentemente e negou que ele tenha visitado os locais de prostituição.

Agora, segundo o promotor, outras testemunhas ainda serão ouvidas no caso, além do próprio prefeito.

Um exame grafotécnico também será realizado para verificar se são do prefeito os vistos existentes nas notas.

OUTRO LADO

A Folha não conseguiu localizar o ex-prefeito para falar sobre o assunto.

De acordo com o promotor, Moura nega as irregularidades –o ex-prefeito afirma que as notas fiscais foram “plantadas” contra ele e que o ex-segurança mente.