Riscos dos bancos americanos e europeus triplicou em 6 meses

por Fernando Dantas, de O Estado de S. Paulo

O risco dos bancos europeus já superou o nível do momento mais grave da crise global, alguns meses após a quebra do Lehman Brothers no fim de 2008. A razão para a piora atual é a deterioração econômica e financeira dos países ricos e, principalmente, a ameaça crescente de uma ruptura desordenada na zona do euro.

O risco dos bancos (ou de um país ou uma empresa) é medido por um produto financeiro, o credit default swap (CDS), que funciona como um seguro contra calotes. Quanto mais alto o CDS, pior o risco, e maior o custo do banco para captar, o que, se piorar muito, pode até levar a quebradeiras.

Na última quinta-feira, o CDS médio de nove grandes bancos europeus era de 373,19, muito acima dos 217,7 registrados em 9 de março de 2009, o recorde da primeira fase da crise global.

O temor hoje é o estrago nos bancos provocado por eventuais calotes em série de países da zona do euro, e a possibilidade da repetição do ocorrido em 2008 e 2009, quando o sistema financeiro global travou quase completamente, jogando o mundo na pior crise desde a Grande Depressão.

Na verdade, desde o início de maio deste ano, em menos de seis meses, o risco dos principais bancos europeus e americanos, medido pelo CDS, triplicou.

O CDS é medido como um “spread”, o juro adicional que um emissor de títulos paga por ser considerado arriscado, em relação a outro emissor que seja considerado um padrão de baixo risco ou risco zero (como os governos americano, suíço, alemão e japonês). Um CDS de 100 equivale a um spread de 1 ponto porcentual.

Em 29 de abril, o CDS médio de nove dos maiores bancos europeus estava em 123,3, e de seis dos maiores bancos americanos estava em 110,6. Na última quinta-feira, dia 24 de novembro, o CDS dos bancos europeus já tinha saltado para 373,19, e o dos bancos americanos, para 347,30.

“Os CDSs dos bancos americanos e europeus estão com uma dinâmica muito ruim”, diz o economista Fernando Rocha, sócio da gestora de recursos JGP, no Rio. Foi ele quem compilou a evolução do risco dos bancos e juntou as principais instituições dos Estados Unidos e da Europa para observar o que acontece com o CDS médio.

Ele nota que a evolução do risco dos bancos no último mês é ainda mais alarmante. Nos bancos americanos, o CDS médio saltou de 220,2 em 27 de outubro para 347,3 em 24 de novembro, numa alta de 58%. No grupo europeu, o CDS foi de 224 em 28 de outubro para 373,2 em 24 de novembro, subindo 66,7%.

Na Europa, Rocha tomou os franceses Crédit Agricole e BNP Paribas, os ingleses HSBC e Lloyds, os suíços Credit Suisse e UBS, os italianos Intesa Sanpaolo e UniCredit, e o escocês RBS. Nos Estados Unidos, o grupo inclui Bank of America, Citibank, JP Morgan, Wells Fargo, Morgan Stanley e Goldman Sachs.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Sempre nos consideraram a Republica das Bananas…..mandemos então bananas para eles pagarem suas contas….a preço de banana, lógico. Sugestão para a Presidenta Dilma.

  2. risco de bancos e uma chacota. e um delirio, se me dizer corrupção nos bancos internacionais eu acredito!