Parem os ônibus biarticulados antes que eles se tornem máquinas assassinas

Bombeiros retiram restos mortais da faixa de pedestre. Foto: àtila Alberti.

Fui hoje ao velório de Sandra Regina Gomes. O clima era de tristeza e revolta entre amigos e familiares. Ela morreu ontem, por volta das 18h15, esmagada por um ônibus biarticulado da linha Santa Cândida/Capão Raso. As duas filhas pequenas, agora órfãs, estavam inconsoláveis. Choravam ininterruptamente há quase 20 horas.

Ao sair do curso de italiano no Colégio Estadual do Paraná, a vítima resolvera tomar um suco ao lado do marido. Não deu tempo. Atravessaram a Rua Presidente Faria, na altura do Passeio Público, na faixa de pedestre. O cuidado deles foi em vão.

Karen Hilgert, colega de curso no Colégio Estadual do Paraná, lamentou a morte de Sandra em um trecho considerado perigoso para o pedestre.

Temos curso terça e quinta aqui, é um lugar onde o biarticulado passa rápido. Como não tem outros carros, ele não olha, nós é que temos que olhar. Tem uma faixa de segurança ali, mas ninguém para”, disse à  Rádio Banda B.

Sandra era funcionária da prefeitura de Curitiba. Ocupava o cargo de gerente financeira da regional de Santa Felicidade.

O atropelamento de Sandra por ônibus biarticulado não é o primeiro e pode não ser o último, infelizmente. Horas antes, na mesma quinta-feira (10), uma criança de 12 anos havia sido colhida por outro biarticulado da linha Pinhais/Rui Barbosa.

O histórico de sinistros envolvendo os biarticulados não para aí. Todo mês, são dezenas de pessoas que morrem ou ficam mutiladas na capital em virtude de atropelamentos pelos veículos de mais de 20 toneladas. Basta uma rápida pesquisa no Google! para certificar-se dos alarmantes números.

Por que esses eventos ocorrem diariamente? Culpa do motorista? Creio que não. A pressa dos biarticulados, relatada acima por Karen, justifica-se pelo perverso gerenciamento do transporte coletivo. O motorista que atrasar no trecho recebe multa, que é descontada no salário. Por isso desce o chinelo, acelera mais do que pode.

O presidente do Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e região), Anderson Teixeira, corrobora com essa minha constatação. Segundo ele, “tem multa até para crachá virado, sem falar nas multas por atraso dos ônibus, o que faz com que os motoristas vivam na pressão para cumprir o horário determinado pela empresa”.

Será que uma vida humana não tem valor algum para empresas e gestores do transporte? A busca incessante pelo lucro se sobrepõe à  vida? Até quando esperar por uma inversão desse macabro e perverso modelo?

Espera-se que o desaparecimento de Sandra e de tantas outras vítimas não sirvam apenas para engordar as frias estatísticas dos órgãos públicos. Que se transformem em energia para parar a máquina chamada ônibus biarticulado, antes que ela se torne assassina.

11 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Ontem pela manhã, estava no biarticulado que atropelou mais uma senhora, após cruzar o sinal verde, na rua Sete de Setembro esquina com a Bento Viana. O motorista acelerou muito rápido e não teve uma margem de segurança para desviar da senhora que entrou na canaleta e foi atingida pelo biarticulado que somente percebeu o acidente pelo barulho da pancada. Lamentavelmente, não havia cerca de proteção naquele ponto, o que poderia ter evitado a tragédia. Todos os passageiros ficaram chocados, inclusive eu, que quando estava em casa, pesquisei na internet e vi a quantidade absurda de acidentes com esses ônibus. No ano passado, o candidato a prefeito, Greca, falou que todos os dias há acidentes envolvendo esses ônibus.
    Algo precisa ser feito urgentemente – diminuição de velocidade, colocação de cercas de proteção, campanhas e/ou placas alertando do perigo, etc… – o que não pode é continuar do jeito que está, pois muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas por melhorias no sistema que já foi referência nacional.

  2. E depois vem dizer que o transporte coletivo e a educação do curitibano é a melhor do país. Quero ver a hora que um caminhão ou outro ônibus cruzar a frente de um. Tá certo que o pedestre é muitas vezes desligado mas o respeito com os pedestres aqui é quase inexistente. Vão para Lages-SC que verão o que é educação no trânsito. Aprendam e pratiquem curitibanos que se acham.

    Por isso que não abro mão do metrô, como não tem cruzamentos é muito mais difícil isso acontecer. Além de ser mais rápido e menos poluente, uma cidade que se diz modelo deveria adotá-lo.

  3. É muito triste lembrar a forma como a Sandra morreu. Fiquei em estado de choque. Ela era uma mulher cheia de vida, alegre, lutadora, inteligente,pessoa admirável.Era uma profissional e tanto . Foi uma perda muito grande. Deixo aqui minha indignação pela maneira como estes ônibus trafegam por estas vias do expresso. A maneira como passam, se bater em alguém, dificilmente se escapa.
    Pareceque a vida pessoasvale cada vez menos.A morte, os acidentes estão banalizados e parecem tão naturais.
    Meu medo é que daqui a pouco nos tornemos apenas “coisas” insignificantes e que morrer atropelado… seja normal.
    Meus sinceros sentimentos à família da Sandra. Que Deus console a todos.

  4. Esmael, obrigado por seu artigo, como sempre você e poucos jornalistas tem coragem para criticar as mazelas Curitibanas. Minha irmã faleceu neste terrível acidente. Como diz o ditado “Quem conta um conto aumenta um ponto”, não faltaram notícias de que ela não estava na faixa, não prestou atenção, falava no celular etc. É mais fácil condenar que não pode mais se defender, do que realmente ver o que está errado. Respeitem sua memória, que esta tragédia sirva de aviso aos responsáveis para que poupem vidas tão valiosas.
    Obrigado
    Mauricio gomes de Oliveira

  5. Diante do absoluto caos em que se encontra o Transporte Coletivo Modelo, é possível imaginar que o metrô seja a salvação da pátria.
    Não é verdade.
    O projeto do metrô foi feito basicamente por um pequeno grupo de projetistas, sem absolutamente qualquer participação popular (sequer houve participação do já ILEGÍTIMO Conselho Municipal de Transporte) para atender as minorias de sempre: especulação imobiliária, empreiteiras e candidatos políticos. Há diversas inconsistências técnicas no mesmo, mas não entraremos neste mérito para não alongar.
    De fato, o pior está por vir: quem pagará a conta deste imenso elefante branco é transporte coletivo – a passagem vai subir.
    O governo federal, endossando e até elogiando o projeto demonstra sua total incompetência, olhando unicamente para o desenvolvimentismo imperialista. De fato, o despreparo do governo federal aumenta nossos temores em seus megaprojetos energéticos, mega-eventos, etc…

  6. É difícil procurar culpados nessas horas. A causa dos acidentes não é única. Mas de todo um sistema, que inclui dirigentes, motoristas, policiais e os próprios cidadãos.
    Por isso acredito no projeto do Metrô!!! Ao criar uma praça onde hoje circulam os ônibus expressos, preservar-se-á a vida dos curitibanos.
    Parabéns à Prefeitura de Curitiba pelo projeto de Metrô.

  7. sorte pro azar: foi o beto ter ganhado pra governador!!! o problema no transport coletivo no para ná… é muito mais complexo doq as pessoas pensam…
    o sistema esta falido,e o problema mais sério; esta na URBS, eles não querem nem saber d nada!? e o que eles fazem muito bem, é multar os motoristas. tem q mudar muita coisa… aqueles dois estabelecimentos comerciais na Tiradentes,e, e q foram invadidos pelos bi articulados, não tinha olhos pra olhar de um lado e do outro pra verificar se vinha o vermelhão?coitados dos motoristas de ônibus em Curitiba, coitado dos pedestres… Os motoristas sao trabalhador,merece respeito caramba… Os pedestres da capital merece respeito, o povo do parana merece respeito!!! Não é meia duzia de gatos pingados de funcionários, comocionados da URBS, VIR A PUBLICO DIZER O Q QUEREM, PRA DEFENDER INTERECE POLITICOS DE TUCANOS. RESPEITEM O POVO!

  8. O MPL-Curitiba lamenta por mais este acidente, pela vítima e familiares. A morte no transporte coletivo modelo é indigna, às vezes jogando a distância partes desmembradas do corpo da vítima. Somente os familiares são capazes de entender esta dor.
    O que ocorre é que a Máfia do Transporte Coletivo Modelo (Prefeitura+URBS+Empresas de Ônibus+Sindimoc+maioria dos vereadores) impôs aumento da velocidade média dos veículos, para assim aumentar a quantidade de passageiros transportados, SEM AUMENTAR A FROTA.
    Os 544 ônibus novos, comprados SEM LICITAÇÃO, não aumentaram a frota, apenas substituiram os ônibus velhos que tinham alto custo de manutenção, e deixaram a frota bonita.
    O resultado é esse: quase cem acidentes ao mês, a maioria não divulgados pela imprensa. Todos os outros modais já tiveram E TERÃO vítimas fatais: pedestres, ciclistas, passageiros e até automóveis.
    Para a comodidade da máfia, os motoristas recebem a culpa, chegando a ser presos ainda feridos e em estado de choque…
    Para piorar a situação, as instituições, conforme sempre alertamos, são completamente indiferentes. O MP-Pr, por exemplo, ao investigar o caso Cleonice Gouveia (passageira que morreu ao cair de ônibus superlotado), colocou a culpa na porta do ônibus!
    Somente a reação popular organizada, junto aos trabalhadores do transporte coletivo, poderão colocar fim a máfia do transporte coletivo modelo que há décadas mantém e pretende manter oligarquias políticas e empresariais.

  9. Esses dias escutei uma entrevista do chefe da Urbs na CBN, para ele o motorista de ônibus é o vilão…

  10. EU não creio que a culpa seja do ônibus biarticulado, ou o famoso “minhocão”. A culpa é das empresas de ônibus e TAMBÉM do motorista. O fato de a empresa determinar um horário não anula o fato de que em grande parte das vezes os motoristas são, sim, negligentes. O problema tem que ser resolvido dentro da administração, não nas ruas. Até porque o ônibus biarticulados (em cidades que têm estrutura) facilitam o trânsito muito mais do que que os ônibus comuns, e facilita muito a vida do usuário de transporte público. Acidentes acontecem tanto com um tipo de veículo quanto com o outro. A solução é melhorar a gestão e a direção, não acabar com ônibus que diminuem a quantidade de veículos nas ruas e contribuem com o passageiro.
    Mais cautela e maior atenção aos direitos do trabalhador, isso sim traria resultados.

  11. SORTE PRO AZAR!!!
    É verdade. Vamos destruir os ônibus, afinal eles matam. Mas tbém vamos proibir a circulação de carros, pois matam. Caramba…. tava aqui pensando: Vamos proibir o nascimento, pois se nascermos, certamente morreremos.
    Tenha paciencia. Olha o tamanho (e a cor) dos ônibus. Claro que acidentes acontecem. Descuido, imprudencia etc, etc. Mas se vou atravessar uma via expressa ou uma canaleta de ônibus, evidentemente que tenho que olhar com atenção. Entre o onibus e eu, certamente eu levarei a pior. Então melhor não abusar da sorte, ou como dizem: dar sorte pro azar.
    Sinto muito por esta senhora, e pelas filhas. Mas…. que sirva de exemplo para olharmos com mais atenção ao cruzar uma canaleta de onibus e4xpresso.